Brasília, 22 de outubro de 2021 às 16:12
Selecione o Idioma:

Chile

Postado em 13/01/2020 10:23

Chile denuncia profanação de monumentos às vítimas de Pinochet

.

Santiago do Chile, (Prensa Latina) Um novo caso de profanação de um monumento em homenagem às vítimas da ditadura de Augusto Pinochet, foi denunciado hoje pelo Instituto Nacional de Direitos Humanos (NHRI).
Nas últimas semanas, foram repetidos ataques a memoriais às vítimas da ditadura em várias cidades do país, manchadas de tinta e até excrementos e sempre marcadas com o símbolo da organização paramilitar fascista Patria y Libertad, que surgiu em 1971.

Na ocasião, o Mirador de los Ángeles foi vandalizado, na cidade de Coquimbo, que homenageia a memória das crianças Rodrigo Palma Moraga e Jimmy Christie Bossy, executados por uma patrulha do Exército em 24 de dezembro de 1973.

Como a Rádio Cooperativa lembrou, os corpos das crianças ‘foram obrigados a desaparecer e apenas quatro anos depois, após uma busca desesperada por seus parentes, seus restos foram encontrados clandestinamente enterrados.

Em 2002, a exumação dos corpos foi realizada por ordem do juiz Juan Guzmán, em um caso que finalmente determinou que as crianças foram executadas por uma patrulha do Regimento Arica cujos membros esconderam os corpos durante a investigação policial e os enterraram de uma maneira ilegal.

Além da profanação do memorial, também amanheceu a fachada da Universidade de La Serena pintada com o símbolo da organização de extrema direita que durante o governo da Unidade Popular se dedicou a cometer sabotagem e ataques às forças de esquerda.

Ao denunciar esses fatos, a NHRI alertou que ‘a memória das vítimas deve ser respeitada e preservada’.

No final de dezembro, estranhos também danificaram um memorial dedicado aos detidos desaparecido pela ditadura na cidade de Concepcion, no sul do país, alinhada com o emblema da Pátria e Liberdade e com a frase ameaçadora ‘falta mais’.

Destino semelhante publicou um mural em homenagem ao Presidente Salvador Allende, localizado na Praça Acevedo, também em Concepcion, manchada de tinta e arranhada com a sigla do grupo fascista.

Comentários: