24.5 C
Brasília
quarta-feira, 29 maio, 2024

O início de uma mudança na liderança de segurança israelense.

Reuters

Heba Ayyad*

A demissão do chefe da Divisão de Inteligência do exército israelense, General Aharon Haliva, no início desta semana, abriu a porta para uma série de demissões de líderes militares e de segurança no estado sionista. Há informações que um grupo de oficiais superiores anunciará sua demissão nas próximas semanas. A carta de demissão, escrita por Haliva e dirigida ao Chefe do Estado-Maior israelense, major-general Herzi Halevy, afirma: “A Divisão de Inteligência Militar, sob meu comando, não cumpriu a missão que lhe foi atribuída e levarei comigo para sempre a terrível dor do que aconteceu.” A demissão e suas justificativas eram esperadas, como constava na carta que dirigiu aos seus soldados, dez dias depois do 7 de outubro: “Falhamos nas nossas tarefas mais importantes e, como chefe da Divisão de Inteligência Militar, assumo total responsabilidade por esse fracasso.” Informou a um aliado que permaneceria no cargo até a conclusão das investigações internas atualmente em curso no exército, e até que outro general fosse nomeado em seu lugar. A demissão abriu um intenso debate sobre quem é o responsável pelo fracasso de 7 de outubro e quem será nomeado para o delicado cargo de chefe da Divisão de Inteligência Militar? A liderança responsável pela falha tem o direito de nomear novos dirigentes?

O significado de responsabilidade

Todo aquele que pensa na normalização com Israel deve estar consciente, antes de acreditar em paz em breve, que caminha para mais extremismo e hostilidade para com os árabes, mesmo que eles normalizem.

Depois de 7 de outubro, houve um intenso debate no estado sionista sobre quem foi o responsável pelo fracasso, e a conversa centrou-se na falta de compromisso com a segurança e técnicas e estratégias militares, e nas contradições nas orientações políticas em relação ao “problema de Gaza”. Ninguém ousou (exceto vozes individuais da esquerda radical) afirmar que as políticas israelitas eram a causa e que criaram a acumulação que levou à grande explosão na Faixa de Gaza. A cegueira intelectual, política e de segurança ainda domina o ponto de vista israelita, como era antes de 7 de outubro e assim por diante. O Estado sionista e suas elites encontravam-se em um estado de completa cegueira e surdez em relação ao impacto e às consequências do que estavam fazendo: negação contínua da questão dos refugiados e da responsabilidade por ela e por sua continuação, ocupação da Cisjordânia e de Gaza por mais de meio século, assentamentos devorando terras palestinas, profanação de Jerusalém, dos locais sagrados e da mesquita de Al-Aqsa, um cerco contínuo à Faixa de Gaza, humilhação e insulto contínuos a um povo que possui a dignidade e o orgulho dos povos originários, uma recusa obstinada em responder à proposta palestina e árabe de alcançar um acordo histórico, no qual os palestinos fizeram concessões dolorosas e difíceis.

A lista é longa, mas não há ninguém em Israel que possa suportar as consequências reais das ações do seu Estado, que é que todo o sangue (incluindo os judeus israelenses) que flui é suportado pelo governo de ocupação pelos seus crimes e pela negação de direitos legítimos dos palestinos. Tudo o que está acontecendo em Israel é uma discussão sobre o aumento do nível de eficácia da máquina israelita de opressão e perseguição. Isso é feito tendo como pano de fundo a demonização literal dos palestinos, o que significa que eles são “pessoas más sem motivos humanos”, assim como Satanás é a personificação do mal por causa do mal, sem nenhum motivo fora do próprio mal. A conclusão advém, de acordo com a lógica israelita, da necessidade de recorrer à violência e a mais violência, a matança e mais matança, e os limites da força são governados apenas pelo interesse do Estado sionista e do sangue palestino, incluindo o sangue das crianças da Palestina, é completamente admissível porque a sua eliminação serve os interesses. Ausente na discussão israelita está a conversa sobre a procura das causas reais do que aconteceu e está a acontecer, e sobre pensar em abordar as causas em vez de repetir o trabalho para confrontar as suas consequências. O discurso israelita limita o que está a acontecer à “hostilidade para com os judeus e os judeus”.

Além de tudo isso, há expectativas de que dezenas de oficiais superiores do exército e funcionários do Serviço de Inteligência Geral e talvez também da Mossad renunciem ou sejam demitidos. Mas o debate mais controverso é se devemos pedir a renúncia de Netanyahu ou se deverá realizar eleições rápidas. Netanyahu deixou claro muitas vezes que não pretende renunciar, nem antecipar a data das eleições sob o pretexto de que ‘o Estado está travando uma longa guerra’ e não é certo envolver-se em disputas e competições políticas no meio de batalhas militares.

O estabelecimento militar está à beira de uma mudança em sua liderança, com a saída de seu primeiro escalão de liderança e a entrada de novos líderes para gerir o exército e o Shin Bet. Esta mudança é de grande importância porque a tendência geral é selecionar oficiais mais motivados para a ação militar direta, e eles terão um papel importante e por vezes decisivo nas ações militares em todas as frentes. Uma indicação desta tendência é a demissão do comandante da região central responsável pela Cisjordânia, Yehuda Fuchs, sob pressão dos colonos e de seus representantes no governo, e sem ligação direta com o 7 de outubro. Fuchs era candidato ao cargo de Vice-Chefe de Gabinete e talvez mais. O candidato mais provável para assumir o cargo de Chefe do Estado-Maior é o Diretor-Geral do Ministério da Defesa, General Zamir, que recebeu apoio de Netanyahu quando era concorrente do atual Chefe do Estado-Maior, Herzi Halevy. A maioria dos candidatos para assumir cargos militares vagos que em breve serão preenchidos são ‘falcões’ militares, o que indica que o exército de ocupação israelense, que pratica genocídio e destruição em massa, se voltará para mais brutalidade, barbárie e agressão.

*Heba Ayyad

Jornalista

Escritora Palestina Brasileira

ÚLTIMAS NOTÍCIAS