Brasília, 22 de outubro de 2021 às 16:32
Selecione o Idioma:

México

Postado em 15/09/2021 8:42

México revive o Grito de Dolores com fervor pela independência contra a Nova Espanha

.

Por Luis Manuel Arce Isaac Cidade do México (Prensa Latina) O México reviveu nesta quarta (15) aquele distante chamado à independência contra a Nova Espanha, conhecido como o Grito de Dolores, lançado em 1810 pelo padre Miguel Hidalgo na paróquia daquela cidade em Guanajuato.
Todos os anos, nesta data, o Grito de Dolores é reencenado na varanda presidencial do Palácio Nacional de frente para a Catedral, no outro extremo da praça, que para os mexicanos é o centro dos feriados bancários.

Começa no último minuto do dia 15 e termina no dia primeiro de 16 de setembro. Mais de vinte gritos são dados, cada um como um slogan, meta ou demanda, e conclui com três vivas para o México. Depois, os sinos tocam, o mesmo sino que tocou Hidalgo e que é colocado na varanda presidencial do Palácio.

As festividades são mais de uma, por isso setembro é chamado o mês da pátria, pois coincide com o início e o fim da guerra de independência, que se encerra no dia 27, mas em 1821, considerado o Dia do Consumo da Independência, com o desfile do Exército Trigarante na Cidade do México.

Também coincide com um acontecimento histórico da maior relevância para o México: a queda em combate em 13 de setembro de 1847 contra os invasores dos Estados Unidos da América dos seis filhos heróis de Chapultepec. Eles foram os protagonistas da última e mais dramática batalha contra a guerra expansionista do nascente imperialismo americano, que começou em 1846 e terminou em 1948 com os despojos da guerra: todo o grande norte mexicano, mais de dois milhões de quilômetros quadrados de uma notável riqueza de recursos naturais.

O México presta homenagem eterna e permanente a esses homens corajosos, do Mausoléu erguido em sua honra na floresta de Chapultepec, muito perto de onde está seu túmulo e no mesmo lugar onde apresentaram resistência tenaz ao usurpador.

É lindo que este ato heroico coincida com os feriados nacionais e que o povo mexicano o comemore com tanto patriotismo fervoroso.

É também uma bela coincidência que no mesmo dia, mas em 1813, foi proclamado o documento patriótico simbolizando a nacionalidade mexicana: Os Sentimentos Nacionais, a base política, ideológica e jurídica da nação, de sua história constitucional e de sua independência da Espanha.

Os Sentimentos Nacionais é um documento que confere organicidade e jurisprudência à identidade mexicana, uma expressão irredutível da patriotismo, independência e paixão soberana do povo, e um fator de unidade dentro da diversidade étnica e cultural da nação.

Foram necessários 11 anos de luta, mas em 27 de setembro de 1821, com a entrada do Exército Trigarante na Cidade do México, a independência foi alcançada.

Isto foi graças a seus grandes heróis e mártires, desde Hidalgo, Allende, Aldama, Jiménez e muitos outros, até José María Morelos y Pavón, Ignacio López Rayón e Vicente Guerrero, que regaram com seu sangue a semente que germinou em homens como Emiliano Zapata, Francisco Villa e muitos outros líderes da grande pátria.

O Exército das Três Garantias foi criado sob o comando de Iturbide, que assumiu a posição de líder máximo e lutou até 16 de setembro de 1821, quando, de Tacubaya, O’Donojú anunciou o fim da guerra.

Iturbide emitiu uma proclamação convidando a população a se reunir sob as bandeiras da liberdade para compartilhar os benefícios da vitória. No dia 27, o Exército das Três Garantias entrou na Cidade do México através do Belen Pass. Às 10h00, o comandante máximo conduziu o desfile até a capital, avançando ao longo do Paseo Nuevo até Corpus Christi Avenue, onde parou na esquina do convento de São Francisco sob um arco triunfal.

O reitor prefeito José Ignacio Ormachea apresentou-lhe as chaves da cidade. Um total de 16.134 tropas desfilaram, das quais 7.416 eram homens de infantaria, 7.955 dragões de cavalaria e 763 artilheiros, que carregavam 68 canhões de diferentes calibres.

Em 28 de setembro, a Junta do Governo Provisório realizou sua primeira sessão no salão de reunião do recém-nomeado Palácio Imperial.

Os 38 membros foram à Catedral para fazer o juramento ao Plano de Iguala e aos Tratados de Córdoba. Às nove horas da noite, ocorreu a assinatura do Ato de Independência do Império Mexicano. O México era agora um país livre, independente e soberano.

Comentários: