Brasília, 22 de janeiro de 2022 às 04:58
Selecione o Idioma:

Chile

Postado em 02/11/2021 6:58

Saúde e educação, prioridades do candidato de esquerda chileno

.

Santiago do Chile (Prensa Latina) O candidato de esquerda à presidência chilena, Gabriel Boric, apresentou hoje seu programa de governo, que inclui a garantia de acesso à saúde e à educação, a modificação do sistema de pensões e a reforma tributária.

Sua proposta para um novo Chile foi elaborada com base em um processo do qual participaram 33.000 pessoas em todo o país.

“Ao contrário do que outros candidatos fizeram, decidimos abri-la ao público”, disse Boric na apresentação.

Entre as tarefas priorizadas está o fim das seguradoras do Fundo de Pensão (AFP) e a construção de um sistema público, sem fins lucrativos, que garanta pensões decentes para todos, como exigiram os manifestantes durante a explosão social de 2019.

Também planeja promover um sistema de saúde universal que não discrimine as famílias com base em sua renda e garantir educação gratuita para todos os cidadãos.

“Este é um programa que foi forjado no coração do povo chileno, nas lutas sociais, na construção de uma alternativa para uma sociedade diferente, mais justa, mais equitativa e mais solidária”, disse a esperança presidencial para a coalizão Apruebo Dignidad, que inclui a Frente Amplio e o Partido Comunista, entre outras organizações.

Em matéria tributária, seu programa visa alcançar uma maior contribuição daqueles que têm mais e o combate à evasão fiscal.

Segundo a pesquisa da empresa Plaza Pública Cadem, publicada hoje, Boric está em segundo lugar em intenções de voto, depois do candidato de extrema direita, José Antonio Kast, em uma lista de sete candidatos.

“Esta eleição não está ganha, não está garantido quem irá para o segundo turno. Aqui aquele que está confiante, aquele que peca de arrogância, aquele que pensa que sabe de tudo vai perder”, disse Boric.

Suas outras propostas incluem o aumento do salário mínimo, a redução da semana de trabalho para 40 horas, a recuperação de 500.000 empregos de mulheres e o fortalecimento do Ministério da Mulher.

Seu programa também visa promover a descentralização do país, garantir o direito humano à água, cuidar do meio ambiente e buscar o diálogo com todos os povos indígenas.

Se ele se tornar presidente, o candidato de esquerda voltará a fundar a polícia, criará uma comissão permanente de qualificação dos direitos humanos e avançará para uma política de migração segura, ordenada e regular.

Comentários: