Brasília, 26 de janeiro de 2022 às 08:51
Selecione o Idioma:

Bolívia

Postado em 13/11/2021 12:52

As conquistas da empresa petrolífera estatal destacadas na Bolívia

.

La Paz (Prensa Latina) O presidente da Yacimientos Petrolíferos Fiscales Bolivianos (YPFB), Wilson Zelaya, destacou hoje as conquistas feitas pela empresa estatal durante 2021, com avanços na exploração de poços, execução de projetos e produção de ureia.

Detalhou que na exploração e exploração foi lançado um plano intensivo para o período 2021-2022, o que significou reativar muitos projetos atrasados que agora estão em plena execução.

Além disso, foram assinados vários contratos, como a associação com a empresa YPF Argentina, com uma subsidiária na Bolívia, relacionados ao projeto Charagua.

“Geramos 300 por cento de novos projetos em comparação com os anos anteriores”, disse ele.

Durante 2021, as ações exploratórias totalizaram 11 poços de petróleo em execução, um número só superado em 2016.

Também informou que as três furadeiras da YPFB estão em plena atividade, segundo o jornal Ahora el Pueblo.

Zelaya também apontou para a produção e venda de gás natural, pois as receitas deste ano foram melhores do que em 2020, graças à exportação de maiores volumes do hidrocarboneto a melhores preços.

O executivo estimou que a receita do petróleo para 2021 será 20% maior do que no ano passado.

Destacou as operações da fábrica de Amônia e Ureia – paralisada entre 2019 e 2020 pelo governo de fato – que reiniciou as operações em setembro passado e deve registrar uma renda bruta de mais de 350 milhões de dólares nos primeiros 12 meses de trabalho.

Também comentou que o aumento no consumo de etanol em 60 pontos percentuais é um sinal de compromisso com o meio ambiente e constitui uma contribuição significativa para os industriais e produtores de cana-de-açúcar, já que a empresa estatal comprará 110 milhões de litros deles até o final do ano.

Outros aspectos relevantes que ele mencionou são o aumento das instalações de gás doméstico e a revitalização das refinarias nos departamentos de Cochabamba e Santa Cruz.

Comentários: