Brasília, 3 de março de 2021 às 03:24
Selecione o Idioma:

Colunistas

Postado em 07/01/2021 9:15

A sentença de Assange: o que acontecerá agora

.

Tribunal de Westminster.

por Craig Murray [*]

Espero que Julian Assange venha a ser libertado sob fiança nesta semana, enquanto se aguarda um eventual recurso dos EUA contra o bloqueio de sua extradição.

Houve discussão na 2ª feira sobre quando e como fazer o pedido de fiança, depois de a magistrada Vanessa Baraitser ter anunciado a sua decisão de não conceder a extradição por ser prejudicial devido a razões de saúde e bem-estar.

O chefe da defesa, o advogado Edward Fitzgerald, estava preparado para fazer um pedido imediato de libertação sob fiança, mas foi fortemente orientado por Baraitser a esperar alguns dias até que pudesse ter o pedido de fiança completo pronto em boas condições e com toda a documentação de apoio.

Tive a forte impressão de que Baraitser estava decidida a conceder fiança e queria que a decisão fosse à prova de bala. Falei com duas outras pessoas no tribunal que tiveram a mesma impressão. De facto, no passado, ela indicou mais de uma vez que rejeitaria um pedido de fiança antes mesmo de ele ser apresentado.

Não consigo pensar em nenhuma razão para que orientasse Fitzgerald tão fortemente a atrasar o pedido se não houvesse uma probabilidade muito forte de que o concedesse. Ela deu-lhe o conselho e a seguir suspendeu a sessão do tribunal por 45 minutos a fim de que Fitzgerald e Gareth Peirce pudessem discutir o assunto com Julian e, ao retornar, seguiram seu conselho. Se ela pretendesse simplesmente recusar o pedido de fiança, não havia razão para não acabar logo com isso.

Apelo em terreno instável

Fitzgerald destacou resumidamente que Assange agora tinha muito pouco incentivo para fugir, uma vez que nunca houve um recurso bem-sucedido contra uma recusa de extradição por motivos médicos. Na verdade, é muito difícil ver como um recurso possa ser bem-sucedido. O magistrado é o único determinante do facto no processo. Ela ouviu as evidências e sua visão dos factos quanto à condição médica de Assange e os factos quanto às condições nas prisões americanas supermax não podem ser anulados. Nem pode qualquer nova evidência ser introduzida. O recurso deve antes concluir que, dados os fatos, Baraitser cometeu um erro legal e é difícil entender a argumentação.

Não estou certo de que, nesta etapa, a Suprema Corte aceitasse uma nova garantia dos EUA de que Assange não seria mantido em isolamento ou em uma prisão Supermax; isso seria contrário à declaração do procurador-geral assistente Gordon Kromberg e, portanto, provavelmente seria considerado uma nova evidência. Sem mencionar que Baraitser ouviu outras evidências de que tais garantias foram recebidas no caso de Abu Hamza, mas foram quebradas. Hamza não só é mantido em total isolamento como também, apesar de não ter mãos, está privado das próteses que lhe permitiriam escovar os dentes, não pode cortar as unhas nem tem ajuda para fazê-lo, não pode sequer limpar-se na casa de banho.

Não só é difícil ver a razão pela qual os EUA poderiam recorrer, como está longe de ser claro que eles tenham um motivo para fazê-lo. Baraitser concordou com todos os argumentos substantivos apresentados pelo governo dos Estados Unidos. Ela afirmou que não havia impedimento para a extradição do Reino Unido por crimes políticos; ela concordou em que a publicação de material de segurança nacional constituía um crime nos Estados Unidos sob a Lei de Espionagem assim como no Reino Unido sob a Lei de Segredos Oficiais, sem defesa do interesse público em nenhuma das jurisdições; ela concordou em que encorajar uma fonte a vazar informações classificadas é crime; ela concordou em que as publicações da Wikileaks teriam colocado vidas em risco.

Em todos esses pontos, ela virtualmente descartou sem comentários todos os argumentos e evidências da defesa. Como disse segunda-feira um porta-voz do Departamento de Justiça dos EUA:

“Embora estejamos extremamente decepcionados com a decisão final do tribunal, estamos gratos que os Estados Unidos tenham prevalecido em todos os pontos da lei levantados. Em particular, o tribunal rejeitou todos os argumentos do sr. Assange sobre motivação política, ofensa política, julgamento justo e liberdade de expressão. Continuaremos a buscar a extradição de Assange para os Estados Unidos”.

Aqui está uma categorização razoável do que aconteceu.

Recorrer de uma sentença que é tão boa para os Estados Unidos não faz necessariamente sentido para o Departamento de Justiça. Edward Fitzgerald explicou-me na segunda-feira que, se os EUA recorrerem da decisão com base nas condições de saúde e prisão, a defesa poderá contra-apelar com base em todos os outros motivos, o que seria muito desejável, de facto, dadas as implicações gritantes de Decisão de Baraitser quanto à liberdade dos media.

Sempre acreditei que Baraitser decidiria como fez nos pontos substanciais, mas também sempre acreditei que tais argumentos extremos do estado de segurança nunca sobreviveriam ao escrutínio de melhores juízes num tribunal superior. Ao contrário da decisão de saúde, a disputa sobre o julgamento de Baraitser em todos os outros pontos resume-se a erros clássicos de direito que podem ser disputados com êxito num recurso.

Se os EUA recorrerem da sentença, é muito mais provável que não só os fundamentos quanto à saúde sejam mantidos como também que as posições de Baraitser sobre extradição por crimes políticos e liberdade dos media sejam revertidas, do que a probabilidade de os EUA conseguirem a extradição. Eles têm catorze dias para interpor o recurso – agora doze.

Em suma, o resultado de um recurso provavelmente será humilhante para os EUA. Seria muito mais sensato para os Estados Unidos deixar adormecidos os cães mentirosos. Mas o orgulho e a ferida no senso de omnipotência e excepcionalismo dos Estados Unidos podem levá-los a um recurso que, pelas razões expostas, seria benvindo – desde que Julian esteja solto sob fiança. Espero que isso venha a acontecer em breve.

 

Seguir-se-ão mais análises do julgamento de Baraitser.

06/Janeiro/2021

Ver também:

Judge’s denial of Assange bail ‘unfair & illogical,’ no reason to keep him behind bars – WikiLeaks editor-in-chief

[*] Craig Murray é escritor e activista de direitos humanos. Foi embaixador britânico no Uzbequistão de Agosto de 2002 a Outubro de 2004 e reitor da Universidade de Dundee de 2007 a 2010.

O original encontra-se em consortiumnews.com/2021/01/06/the-assange-verdict-what-happens-now/

Este artigo encontra-se em https://resistir.info/ .

Comentários: