14.5 C
Brasília
terça-feira, 11 junho, 2024

Viver até os 100 anos não é mais uma exceção

San José (Prensa Latina) Viver mais e melhor tornou-se um desejo do ser humano e atingir a meta dos 100 anos não é mais uma exceção.

Por:Ana Laura Arbesu/Correspondente-chefe na Costa Rica

Desde a descoberta da penicilina (1928) pelo cientista escocês Alexander Fleming e o seu lançamento no mercado após a Segunda Guerra Mundial (1945), muitas doenças mortais causadas por bactérias foram controladas.

A esperança de vida aumentou nas sociedades com acesso a estes produtos, e atualmente o objetivo é chegar a um século ou mais, mas com qualidade.

Nutricionistas, geriatras e médicos em geral aconselham as melhores dietas e estilos de vida para alcançar os centenários com uma vida saudável e plena.

Na verdade, diversas investigações comprovam que existem cinco pontos no planeta onde os seus habitantes conseguem isso e são pessoas ativas que gostam da velhice. São as chamadas Zonas Azuis.

Tudo começou com um estudo realizado no início deste século pelo astrofísico e demógrafo belga Michel Poulain e pelo gerontólogo italiano Gianni Pes, dedicado a descobrir onde no mundo as pessoas viviam mais e que características tinham em comum.

O primeiro lugar onde encontraram pessoas longevas foi em Barbaglia, na ilha italiana da Sardenha, e a partir desses dados num mapa-múndi desenharam um círculo azul com um marcador no nome de cada vila ou cidade onde encontraram vários pessoas com ou mais 100 anos de vida.

Foi assim que passaram a ser chamadas as Zonas Azuis, em referência à cor utilizada para sua localização na análise do fenômeno. Estas são regiões do mundo que foram descritas como aquelas onde as pessoas vivem mais tempo.

Quais são?

Além da Sardenha (Itália), Okinawa (Japão), Loma Linda (Califórnia, Estados Unidos), Icária (Grécia) e Península de Nicoya (Costa Rica).

Os pesquisadores procuraram então um fio condutor para responder: o que um par de ilhas no Mediterrâneo, uma cidade na Califórnia ou dois lugares no Pacífico têm em comum?

Icária, Grécia

O escritor e explorador Dan Buettner trabalhou durante mais de uma década para identificar os pontos focais da longevidade em todo o mundo.

Com o apoio da National Geographic Society, Buettner decidiu localizar locais que não só tivessem uma elevada concentração de indivíduos com mais de 100 anos, mas também grupos de pessoas que envelheceram sem problemas de saúde, como doenças cardíacas, obesidade, cancro ou diabetes. .

Segundo Buettner, sua pesquisa rendeu resultados que podem ajudar o ser humano a prolongar e ter melhor qualidade de vida.

A primeira resposta estava nos genes e eles tinham razão, mas depois perceberam que o ADN e as suas regras de herança eram insuficientes.

Os parâmetros comuns correspondiam a climas amigáveis, natureza prolífica, alimentação saudável ao seu alcance, somados ao fato de as pessoas trabalharem a terra, caminharem muito, fazerem uma alimentação saudável com os mesmos produtos, beberem álcool com moderação, irem para a cama e levantarem-se. cedo e ao mesmo tempo têm muita vida social.

Ou seja, as zonas azuis apresentam em comum um modo de vida, uma filosofia baseada em quatro factores principais: uma alimentação saudável e equilibrada, a prática de actividade física regular, uma melhor gestão do stress, uma cultura de relações sociais e ter motivações para se movimentar. adiante, um propósito existente.

Okinawa, Japão 

Em relação à nutrição, Buettner sugeriu dietas hipocalóricas. Ele garantiu que os habitantes de Okinawa comem até ficarem saciados, mas nunca exageram. Acrescentou ainda que é fundamental incorporar frutas e vegetais em todas as refeições.

Ele recomendou o consumo de álcool com moderação e em pequenas doses e descartou o uso de cigarro e drogas. Todas estas substâncias são banidas das zonas azuis, frisou.

Sardenha, Itália

A pesquisadora destacou ainda dois aspectos: a vida familiar e a vida social. Explicou a importância de ter uma rede de apoio familiar, estar acompanhado no dia a dia, cuidar e ser cuidado, são elementos para alcançar a longevidade.

Ele também sugeriu conviver com a comunidade e que a própria sociedade tenha um local reservado para o descanso dos idosos.

Península de Nicoya, Costa Rica

Península de Nicoya, Costa Rica

A Costa Rica tem uma expectativa de vida de 77 anos e ocupa o quinto lugar na América Latina neste segmento, superada por Porto Rico e Chile com 80 anos, além de Cuba, Uruguai e Equador com 78 anos, respectivamente, segundo dados da Economia. Comissão para a América Latina e o Caribe, publicado em novembro de 2022.

Nesta nação centro-americana, um grupo de 768 pessoas ultrapassa o século de vida, e três delas são supercentenárias; duas mulheres de 110 e 112 anos e um homem de 116 anos.

Os dados do Padrão Eleitoral do Tribunal Supremo Eleitoral reflectem que entre os que viveram mais de um século, quase 80 por cento, ou seja, 602 pessoas, têm 100, 101 e 102 anos.

Para o geriatra costarriquenho Mario González, até agora a ciência médica não demonstrou por que na região de Nicoya, na província de Guanacaste, no norte, as pessoas vivem mais.

Estudamos diferentes condições de vida naquela população, a terra, a água, a genética. Procuramos, então, evidências semelhantes às restantes Zonas Azuis do planeta, explicou em entrevista.

Constatámos que as características comuns são ter propósitos para continuar a viver, tempos de descanso, dormir pelo menos oito horas, indicou.
Para a pesquisadora María Laura Carvajal, em termos de nutrição, essas pessoas não comiam até ficarem completamente saciadas, mas sim até uma sensação de saciedade de 80%, e comiam produtos muito orgânicos.

Bebiam também um licor nativo de cada zona, viviam em comunidades muito familiares e todos se ajudavam, explicou o especialista.
Vários são os fatores que aumentam a expectativa de vida do paciente, incluindo a atividade física, principalmente exercícios aeróbicos, de força e equilíbrio, além de alguns que proporcionam flexibilidade.

Soma-se a isso uma alimentação saudável e hipocalórica, aspectos que demonstram como podem ser feitas mudanças favoráveis ​​para um envelhecimento favorável, destacou. Este sistema de estilo de vida promove uma microbiota intestinal saudável, o que aumenta a resistência a infecções, doenças autoimunes e até tumores, observou.

Ele também considerou que a expectativa de vida das mulheres é maior que a dos homens por vários motivos, um deles, os estrogênios gerados antes da menopausa, que protegem contra doenças cardiovasculares, embora quando chega a menopausa essa proteção se perca.

A partir dessa idade, as mulheres começam a ficar expostas às doenças cardiovasculares, aproximadamente 10 anos depois dos homens, acrescentou Carvajal.

Por outro lado, está comprovado que as mulheres tendem a procurar mais cuidados médicos do que os homens, e também tendem a ter maior atividade física e menor consumo de drogas como álcool e tabaco.

A península de Nicoya é a maior da Costa Rica, banhada pelo Oceano Pacífico, limitada pelo Golfo de Papagayo ao norte e pelo Golfo de Nicoya a leste e sul.

Nas suas costas alternam-se praias de areia fina e cinzenta, falésias, plataformas de abrasão, cabos, ilhas, golfos, baías, estuários e rios, cujas águas descem drenando colinas de rochas sedimentares e vulcânicas.

Predomina uma paisagem de densa vegetação tropical, consequência de um clima quente e subúmido. Ali existem algumas praias isoladas e lindas, o que a torna um dos destinos turísticos mais procurados.

Lugar de grande beleza em seu entorno, pela variedade de atrativos turísticos e áreas de conservação, Nicoya também agrega as histórias dessas pessoas que ultrapassaram a expectativa de vida média da Costa Rica e mostram ao mundo como levar uma longevidade saudável, tornando-se assim centenários já não é excepção, está ao nosso alcance, basta ter vontade.

ÚLTIMAS NOTÍCIAS