14.5 C
Brasília
terça-feira, 11 junho, 2024

Ventos de subversão vindos da embaixada dos EUA na Bolívia

La Paz (Prensa Latina) Ares de subversão sopram nesta terça (26) da embaixada dos Estados Unidos na Avenida Arce nesta cidade após a chegada à Bolívia de sua nova encarregada de negócios, Debra Hevia, segundo o semanário La Época.

Por: Jorge Petinaud

A publicação especializada em análise política assegura na sua mais recente edição que é “muito importante referir o fato de ter exercido um cargo no Centro de Operações do Departamento de Estado (DOS), que se caracteriza como um espaço de desenho de estratégias de desestabilização”.

O artigo assinado por Jacinto Roca acrescenta que o DOS é um grupo de trabalho dedicado às tarefas de Inteligência e operações especiais do Departamento de Estado.

Especifica que Philip Goldberg continuou a operar a partir dessa estrutura subversiva depois de ter sido expulso da Bolívia em 2008 por promover e apoiar as ações violentas da oposição antidemocrática.

Este trabalho intervencionista baseou-se em relatórios de inteligência política fornecidos pela Drug Enforcement Administration (DEA), que também foi expulsa nesse mesmo ano, acrescenta o relatório.

Casado com um boliviano nascido em Tarija e com dois filhos, La Época comenta que após assumir o cargo em 14 de setembro, Hevia apareceu em um vídeo cordial e amigável.

A publicação alerta, no entanto, que por trás desta imagem “há um funcionário do Departamento de Estado com um perfil de especialidades, temas e tarefas específicas escritas numa escrita invisível”.

Em relação ao currículo de Hevia, La Época destaca que ela tem o posto de ministra conselheira e cumpriu missões na Bolívia, Nicarágua, Panamá e Equador, além de atuar no Escritório de Assuntos Centro-Americanos, após ter atuado como assessora política em Bucareste, Países Baixos e Eslováquia.

Ele enfatiza que suas fortes áreas de conhecimento são o tráfico de drogas, os direitos humanos e as liberdades individuais.

Apenas 24 horas depois de Hevia ter assumido a sua missão na Bolívia, o presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, emitiu um documento no qual incluía o país serrano na lista dos “principais países de trânsito de drogas ou dos principais países produtores de drogas”. drogas ilícitas para o ano fiscal de 2024.”

A este respeito, o Ministro do Governo boliviano, Eduardo del Castillo, criticou que este texto foi “preparado unilateralmente” e que “carece de apoio técnico, com uma intenção claramente (geo)política”.

A lista apresentada por Biden inclui nações que assumem posições soberanas relativamente às aspirações hegemonistas de Washington na geopolítica global como China, Índia (membros dos BRICS juntamente com Brasil, Rússia e África do Sul), Colômbia, Honduras, Laos, México e Nicarágua.

Fontes do Itamaraty confirmaram que no dia 12 de julho o presidente Luis Arce manifestou oficialmente em mensagem aos líderes do Brics o desejo do Estado Plurinacional de fazer parte deste bloco.

Convidado por este grupo de países emergentes para a sua XV Cimeira sediada em Joanesburgo, o presidente destacou que a expansão deste grupo permitirá às nações aceder aos mercados internacionais sem a necessidade de comprometer a sua dignidade, sem condições políticas, sanções ou intimidação militarista, em uma alusão irritante a Washington.

Neste contexto, o cientista político boliviano e especialista em assuntos internacionais Hugo Siles disse que o que os Estados Unidos pretendem com a nova nomeação de Hevia é “mover um pouco as fichas” dos seus representantes do Departamento de Estado, das suas relações diplomáticas em face à ascensão dos governos progressistas de esquerda da América Latina.

La Época, no entanto, insistiu que “o perfil de Hevia, precedido por funcionários com ligações a operações de Inteligência e campanhas subliminares, será um fator ao qual o Governo deverá prestar muita atenção (…)”.

A sua atividade noutros países da América Latina e das Caraíbas poderá significar potencialmente a articulação de tarefas de desestabilização que, até agora, não tiveram um condutor, concluiu a publicação.

ÚLTIMAS NOTÍCIAS