25.5 C
Brasília
quarta-feira, 12 junho, 2024

Várias possibilidades se abrem para o conflito na Palestina

Solução para o conflito parece estar longe do fim 

Heba Ayyad*

As repercussões resultantes da batalha da ‘Inundação de Al-Aqsa’ foram significativas e distintas. Sair dela requer um grande esforço, que em algum momento envolverá conter suas repercussões e superar seus efeitos.

As hipóteses de o inimigo sionista recuperar parte da face que foi perdida nas fronteiras da Faixa de Gaza parecem quase inexistentes, mesmo que pratique todo o tipo de assassinatos e crimes contra civis indefesos na Faixa de Gaza.

O que aconteceu na manhã de 7 de outubro foi quase a gota d’água que fez transbordar de uma vez por todas as costas do camelo israelita, apesar de suas tentativas desesperadas de reparar parte do que estava partido e remendar parte do que estava rasgado.

De fato, apesar de ter decorrido uma semana desde o ataque de guerrilha “Inundação de Al-Aqsa”, no qual a resistência palestina atacou, de forma sem precedentes, as colônias e posições inimigas na chamada área do envelope de Gaza, e apesar do dramático desenvolvimento dos acontecimentos, especialmente no que diz respeito às forças de ocupação que cometeram massacres e atentados contra o povo do setor firme, que custaram a vida de mais de 1.900 mártires no momento da redação deste artigo, e mais de sete mil feridos e feridos, a maioria deles crianças, mulheres e idosos. Os efeitos deste ataque continuam e se expandem, tomando rumos que não eram esperados.

Incluindo, mas não se limitando a isso, a intervenção escandalosa dos Estados Unidos e do Ocidente ao lado do inimigo sionista, fornecendo-lhe mísseis, bombas e drones, e criando uma cobertura política e legal para seu genocídio. Além disso, há uma quase completa ausência de medidas sérias por parte das nações árabes e islâmicas, que poderiam deter a agressão ou pelo menos reduzir sua intensidade. Exceto por algumas posições tímidas, que dificilmente formam uma base sólida para conter os ataques israelitas.

Portanto, considerando os fatos atuais, em que o equilíbrio de poder pende a favor da aliança agressora, liderada pelo líder estadunidense, podemos esperar vários cenários para a próxima etapa, alguns dos quais podem representar uma mudança fundamental no cenário geopolítico da região.

Primeiro: uma campanha aérea de longo prazo.

Dado o desejo evidente de Israel por vingança pelo que aconteceu aos seus soldados e colonos no ataque abrangente de sábado, é provável que continuem realizando bombardeios aéreos em áreas densamente povoadas da Faixa de Gaza por um período de um mês ou mais, o que resultará na remoção de famílias inteiras das páginas da história. A ação civil é uma forte possibilidade, especialmente considerando o ensurdecedor silêncio do mundo árabe e islâmico, em troca de apoio que é, essencialmente, uma forma de cumplicidade com os Estados Unidos e seus parceiros.

Esta questão, que provoca efeitos desastrosos na vida em geral na sitiada Faixa de Gaza, e que é acompanhada por um cerco mais apertado, cortando eletricidade, água, alimentos e suprimentos essenciais, pode parecer, em algum momento, suficiente para Netanyahu e sua coligação comercializá-lo como uma resposta apropriada ao que aconteceu a leste de Gaza, e que é adequado como um capítulo. A conclusão de uma batalha que os israelitas perderam desde a primeira hora.

Segundo: Incursão terrestre

Dado que o ataque dirigido pela resistência contra o exército de ocupação foi cruel e sem precedentes, resultando em mais de 1.500 mortes, 3.000 feridos e dezenas de prisioneiros, a possibilidade de Netanyahu se contentar com bombardeios aéreos prolongados e de longo prazo pode parecer uma opção lógica, já que o aumento contínuo do número de mortos, feridos e prisioneiros entre o exército e os colonos pode levá-lo a transformar o ataque aéreo em uma incursão terrestre, através da qual atinge uma distância que varia entre quinhentos e mil metros dentro das fronteiras da Faixa, especialmente dos lados leste e norte, além de realizar operações de desembarque naval ao longo da praia da Faixa de Gaza, de forma a garantir a implementação de um ataque à resistência palestina.

O ataque pode evoluir, se as condições forem adequadas, para uma incursão profunda, através da qual os principais entroncamentos rodoviários são ocupados, o setor é dividido em três ou quatro partes e são realizadas operações de deslocação em grande escala contra civis palestinos.

Terceiro: Guerra regional

Uma vez que o eixo de resistência na região anunciou mais de uma vez, mais recentemente na sexta-feira pelo vice-secretário-geral do Hezbollah, Xeque Naim Qassem, que não deixará a resistência na Palestina sozinha para enfrentar as forças do mal e da agressão e que não a decepcionará nem a abandonará, então podemos esperar que o âmbito da batalha se expanda geograficamente, para incluir outras frentes, com a frente Norte à sua cabeça e coração.

Consequentemente, a batalha passa, então, para a sua dimensão regional, o que poderá alterar radicalmente as regras de combate, levando a ocupação a rever seus cálculos e opções, de forma a poder parar a batalha ou encurtar sua duração.

Quarto: Um cessar-fogo sem acordo

Em todas as batalhas anteriores, o inimigo procurou pôr fim aos combates sem um acordo vinculativo, o que poderia restringir suas mãos de continuar seus crimes em tempos posteriores. Embora algumas dessas batalhas tenham resultado em acordos de trégua escritos assinados por patrocinadores regionais e internacionais, a ocupação sempre os rejeitou e não lhes prestou atenção.

Assim, a ocupação pode chegar a um cessar-fogo após um determinado período, durante o qual se considera ter alcançado algumas conquistas, na esperança de que as discussões subsequentes conduzam ao alcance de soluções aceitáveis relativamente à questão dos prisioneiros sionistas, o que não será, de qualquer forma, tranquilo.

Quarto: Um cessar-fogo sem acordo

Em todas as batalhas anteriores, o inimigo buscou encerrar os combates sem um acordo vinculativo, o que poderia limitar suas ações futuras, permitindo que continuassem cometendo crimes. Embora algumas dessas batalhas tenham resultado em acordos de trégua por escrito, assinados por patrocinadores regionais e internacionais, a ocupação sempre os rejeitou e não lhes deu atenção.

Portanto, a ocupação pode chegar a um cessar-fogo após um determinado período, durante o qual consideram ter alcançado algumas conquistas. Eles esperam que as discussões subsequentes levem a soluções aceitáveis em relação à questão dos prisioneiros sionistas, embora isso esteja longe de ser garantido.

Quinto: Um acordo abrangente

Para que as repercussões resultantes da batalha da ‘Inundação de Al-Aqsa’ tenham sido grandes e distintas, e sair dela requer um grande trabalho que leve, em algum momento, a conter as suas repercussões e a superar os seus efeitos. Após o fim dos combates, passaremos a negociações longas e complexas, nas quais será alcançada uma solução. Depois, a um acordo abrangente, que inclua o esvaziamento das prisões israelitas dos prisioneiros palestinos, a reconstrução da Faixa de Gaza e o levantamento do cerco a ela, em troca pela libertação dos prisioneiros sionistas e talvez pela obtenção de uma trégua que poderia durar pelo menos dez anos.

Alguns dos cenários anteriores podem parecer um pouco pessimistas, e outros podem parecer otimistas, embora de uma forma cautelosa, mas quem contempla o curso dos acontecimentos atuais descobre que o fim natural da guerra em curso deve ser do interesse dos palestinos e das forças de resistência, que tentaram o impossível na batalha da ‘Inundação de Al-Aqsa’ e alcançaram o que os principais exércitos e superpotências não conseguiram.

Apesar da magnitude dos enormes sacrifícios feitos pelo povo palestino, que doou o seu sangue e partes de corpos enfrentando o ‘Estado’ ocupante, os resultados esperados, em consequência desses sacrifícios, serão muito grandes, superando tudo o que foi acumulado durante os confrontos anteriores.

@Heba Ayyad

Jornalista internacional

Escritora Palestina Brasileira

ÚLTIMAS NOTÍCIAS