24.5 C
Brasília
quinta-feira, 13 junho, 2024

V Bienal do Sul, Povos em Resistência acontece na Venezuela

Las Tejerías, Venezuela (Prensa Latina) A V Bienal do Sul, Povos em Resistência, será inaugurada neste sabado (30) nesta cidade do centro-norte da Venezuela e durará até 15 de dezembro, com a participação de 13 países e mais de 70 artistas.

 A Plaza Bolívar de Las Tejerías, estado de Aragua, receberá às 10h00, hora local, as autoridades, convidados nacionais e estrangeiros e a população sob o lema “Rua, Memória e Esperança”, uma forma de recordar a tragédia vivida há quase um ano devido ao desastre natural que causou destruição e morte.

No dia 8 de outubro, uma avalanche de lama, pedras e árvores devastou Las Tejerías, deixando 54 mortos, oito desaparecidos e danificando cerca de 800 casas, metade delas completamente destruídas.

Por isso o ministro da Cultura da Venezuela, Ernesto Villegas, ao anunciar o evento, quis dizer que se trata de uma Bienal de arte de rua, “para nos conectar com aquele povo caminhante que está na construção do seu próprio destino”.

A presença dos artistas acompanhará está reconstrução cultural e espiritual de uma população que foi recentemente atingida por “fenómenos aparentemente naturais”, impossíveis de dissociar do modelo de sociedade para o qual a humanidade foi empurrada, expressou.

Estão previstas mais de 70 atividades visuais em 15 locais, incluindo a apresentação do Semillero de las Artes; o Espaço e Imagem Mário Abreu e um encontro de muralistas e fotógrafos, entre outros.

Na passarela Las Tejerías também será apresentada uma obra com mais de sete metros de altura, de autoria do artista venezuelano José Gregorio Graterón, informou o Ministério da Cultura.

Em declarações à televisão, o diretor executivo do Instituto de Artes, Imagem e organizador da Bienal, Zacarías García, comentou há dias que a concepção deste evento de artes visuais não pretende reeditar o formato de outras bienais.

Explicou que ao contrário de outras edições não será realizada em espaços controlados, como museus e galerias, mas sim na rua, dado que a sua concepção procura “invadir o quotidiano dos cidadãos, que normalmente não vão para o museu.” expressar

A V Bienal del Sur homenageará os artistas Bárbara Colmenares, Delia Terán, Evelio Guissepe, Gladys Pirela, Nelson Saravia e Petra Bolívar, e ao povo peruano, segundo seus organizadores.

Artistas da Argentina, Brasil, Cuba, Colômbia, Espanha, Egito, Estados Unidos, México, Peru, Iraque e Nepal participarão do evento cultural como convidados.

ÚLTIMAS NOTÍCIAS