26.5 C
Brasília
quinta-feira, 30 maio, 2024

Uma grande transferência de riqueza está em andamento: Como o Ocidente perdeu o controlo do mercado do ouro

 

Pepitas de ouro

Henry Johnston [*]

O poder de fixar preços num mercado desde há muito dominado pela moeda institucional ocidental está a deslocar-se para Leste e as implicações são profundas.

O preço do ouro tem subido ultimamente para uma série de novos máximos históricos, um desenvolvimento que tem recebido apenas uma atenção superficial nos media financeiros mainstream. Mas, tal como se verifica atualmente com muitas outras coisas, há muito mais a acontecer do que parece. De facto, a ascensão do preço do ouro em dólares é quase o aspeto menos interessante desta história.

Durante milhares de anos, o ouro foi a última reserva de valor e era sinónimo do conceito de “dinheiro”. O comércio era frequentemente liquidado em ouro ou em notas bancárias garantidas por ouro e diretamente trocáveis por ele. As moedas baseadas apenas em decretos governamentais – chamadas moedas “fiduciárias” (fiat) – tendem a fracassar.

No entanto, em 1971, o ouro viu-se expulso deste antigo papel quando os EUA suspenderam unilateralmente a convertibilidade do dólar em ouro, consagrada no acordo de Bretton Woods que estabelecera o quadro para a economia do pós-guerra. Pouco depois, num ato com que os alquimistas medievais apenas sonhavam, o ouro foi criado do nada sob a forma de contratos de futuros, o que significa que o ouro podia ser comprado e vendido sem que qualquer metal mudasse de mãos – ou sequer existisse.

Para além da ramificação óbvia de tudo isto – a remoção do suporte de ouro do dólar e, portanto, implicitamente, de quase todas as moedas – há duas características importantes da forma como o mercado do ouro tem funcionado subsequentemente: em primeiro lugar, o ouro foi essencialmente reduzido a ser negociado como qualquer outro ativo financeiro cíclico; em segundo lugar, o preço do ouro tem sido largamente determinado por investidores institucionais ocidentais.

Ambas as tendências de longa data estão agora a desaparecer. Como veremos, a importância desta evolução é difícil de exagerar. Mas comecemos por uma análise muito rápida de como o ouro deixou de ser a derradeira fonte de valor para passar a ser apenas mais um elemento a mover-se em padrões previsíveis na constelação de instrumentos financeiros.

Como o papel substituiu o metal

O colapso de Bretton Woods no final dos anos 60 e início dos anos 70 – que culminou com o fecho da janela do ouro em 1971 – foi um período confuso de transição, incerteza e instabilidade. O dólar desvalorizou-se e foi negociado um sistema de taxas fixas que, pouco depois, foi abandonado. Mas o que já era claro era que os Estados Unidos estavam a afastar o mundo do ouro e a orientá-lo para um padrão dólar.

Jelle Zijlstra, presidente do banco central holandês, presidente do Banco de Pagamentos Internacionais de 1967 a 1981, e uma figura proeminente na altura, recordou nas suas memórias como “o ouro desapareceu como âncora da estabilidade monetária” e que “o caminho… através de vicissitudes intermináveis para uma nova hegemonia do dólar foi pavimentado com muitas conferências, com histórias fiéis, astutas e por vezes enganadoras, com visões idealistas do futuro e discursos professorais impressionantes”.

Mas, concluiu, a realidade política final era que “os americanos apoiavam ou combatiam qualquer mudança, consoante vissem a posição do dólar reforçada ou ameaçada”.

No entanto, o ouro espreitava na sombra, como um monarca deposto mas ainda vivo, e representava assim uma proteção implícita contra o abuso que se havia tornado moeda fiduciária. Quanto mais não fosse, à medida que os dólares continuassem a ser impressos, o preço do ouro subiria e assinalaria uma desvalorização do dólar. E foi mais ou menos isso que aconteceu na década de 1970, depois de o guichet do ouro ter sido fechado. Depois de romper a paridade de 1971 de 35 dólares por onça, o ouro disparou até 850 dólares em 1980.

Assim, o governo dos EUA tinha um forte interesse em gerir a percepção do dólar através do ouro. Mais importante ainda, não queria que o ouro recriasse uma pseudo-moeda de reserva ao fortalecer-se substancialmente. O lendário presidente da Fed, Paul Volcker, disse uma vez que “o ouro é meu inimigo”. E, de fato, o ouro tem sido tradicionalmente o inimigo dos bancos centrais: obriga-os a apertar as taxas quando não querem e impõe-lhes uma certa disciplina.

Este quadro ajuda a compreender a ascensão do mercado de ouro não afetado – ou seja, “de papel” – na década de 1980 e os inúmeros derivados de ouro que surgiram. Na verdade, isto começou em 1974 com o lançamento do comércio de futuros de ouro, mas explodiu na década seguinte. O que aconteceu foi que os bancos de ouro começaram a vender créditos em papel sobre o ouro, para os quais não havia ouro efetivo. E os compradores não eram obrigados a pagar adiantado, mas podiam simplesmente deixar uma margem em dinheiro.

O esquema faz lembrar a velha piada comunista que dizia “nós fingimos que trabalhamos e vocês fingem que nos pagam”. Neste caso, o investidor finge que paga o ouro e o vendedor finge que o possui. Isto é o mais próximo que se pode chegar da pura especulação.

Assim nasceu o esquema do ouro-papel de reserva fracionária que persiste até hoje. E, de fato, existe agora muito mais ouro de papel do que físico, cerca de US$200-300 bilhões a comparar com US$11 milhões de milhões, segundo uma estimativa da revista Forbes. Outros estimam que a discrepância é ainda maior.

Ninguém sabe ao certo. O Comex, o principal mercado de futuros e opções de ouro, também se tornou mais orientado para o papel. Segundo o analista Luke Gromen, enquanto há 25 anos cerca de 20% do volume de ouro na Comex estava relacionado com uma onça física, esse número caiu hoje para cerca de 2%.

O ouro é apenas mais um ativo cíclico

O que é importante compreender aqui é que a criação de um mercado de derivados satisfaz a procura de ouro que, de outra forma, iria para o mercado físico. Apenas uma quantidade limitada de ouro existe e pode ser extraída, mas uma quantidade ilimitada de derivados de ouro pode ser subscrita.

Como explica Gromen, quando a expansão monetária impulsiona a procura de ouro (devido à inflação que daí advém), há duas formas de lidar com essa procura: deixar o preço do ouro subir à medida que mais dólares perseguem a mesma quantidade de ouro; ou permitir a criação de mais créditos em papel sobre a mesma quantidade de ouro, o que permite gerir o ritmo de subida do ouro.

Este fato tem várias implicações importantes. O aumento do mercado de papel desempenhou claramente um papel importante na desvalorização do ouro, na sua função de exercer um limite rígido à política expansionista, reforçando assim implicitamente a credibilidade do dólar. Mas também significou que o preço do ouro tem sido largamente determinado pelos fluxos de investimento e não pela procura física. E quando estamos a falar de fluxos de investimento, referimo-nos, antes de mais, aos investidores institucionais ocidentais.

Dado que o ouro é negociado essencialmente como um ativo cíclico, os investidores institucionais têm negociado o ouro principalmente com base nos movimentos das taxas de juro reais dos EUA – ou seja, taxas de juro ajustadas à inflação. O ouro é comprado quando as taxas reais descem e vice-versa. A lógica é que, quando as taxas de juro sobem, os gestores de dinheiro podem ganhar mais mudando para obrigações ou dinheiro, aumentando assim o custo de oportunidade de deter ativos que não rendem juros, como o ouro.

Da mesma forma, taxas mais baixas tornam o ouro – visto como uma proteção contra a inflação – mais atrativo. Esta correlação tem sido particularmente forte ao longo dos últimos 15 anos, aproximadamente, e muitos analistas remontam a um período anterior a esse.

Vamos então dar um passo em frente e colocar a seguinte questão: Se o dinheiro institucional ocidental tem estado a impulsionar o preço, quem tem estado do outro lado do negócio quando o ouro real muda de mãos?

Para simplificar um pouco, o modelo funcionou mais ou menos da seguinte forma, tal como explicado pelo analista de ouro Jan Nieuwenhuijs:   as instituições ocidentais controlavam essencialmente o preço do ouro e compravam ao Oriente nos mercados em alta e vendiam ao Oriente nos mercados em baixa. Isto faz sentido, porque o lado ocidental deste comércio consistia essencialmente em investidores que, em qualquer classe de ativos, tendem a perseguir o preço mais alto.

O lado oriental, por sua vez, caracterizava-se mais pela procura dos consumidores. Uma vez que os consumidores são sensíveis ao preço, tendem a comprar quando o preço é baixo e não se importam de vender num mercado em alta.

Assim, o ouro fluía do Oriente para o Ocidente nos mercados em alta e do Ocidente para o Oriente nos mercados em baixa. Mas, como já referimos, eram os investidores institucionais ocidentais que estavam no lugar do condutor deste comércio.

Esta era a situação bem estabelecida até 2022, altura em que começou a guerra por procuração na Ucrânia e os EUA deram o passo ousado de congelar cerca de 300 mil milhões de dólares em ativos do banco central russo.

O fim de uma correlação de longa data

Coincidência ou não, o que aconteceu nesse ano foi que a correlação entre as taxas reais dos EUA e o ouro se desfez e ainda não foi restabelecida. O primeiro sinal de uma mudança iminente foi que, nos primeiros meses após a Fed ter iniciado um ciclo de subida acentuada das taxas em março de 2022, o ouro caiu, mas revelou-se muito mais resistente à subida das taxas do que os modelos de correlação teriam sugerido.

Mas a verdadeira quebra da correlação começou por volta de setembro desse ano, quando os preços do ouro começaram efetivamente a subir, mesmo com as taxas reais a permanecerem estáveis. De fato, entre finais de outubro de 2022 e junho de 2023, o preço do ouro subiu 17%.

Entretanto, ao longo de 2023, os rendimentos reais dos EUA subiram (apesar de alguma volatilidade), o que, de acordo com a antiga correlação, deveria ter significado uma descida dos preços do ouro, uma vez que rendimentos mais elevados noutros locais tornariam o ouro não rentável menos atrativo. No entanto, o ouro subiu 15% no ano.

Outro aspeto notável é que os investidores institucionais ocidentais têm sido vendedores líquidos de ouro, como evidenciado pelo declínio do stock detido por fundos negociados em bolsa ocidentais (ETFs) e pela queda dos juros abertos na Comex durante o período de outubro de 2022 a junho de 2023 mencionado acima (quando a correlação quebrou).

Em 2023, os ETF de ouro registaram saídas líquidas no ano, apesar da subida do preço do ouro. Enquanto isso, até agora neste ano até fevereiro, o valor de saída do ETF totalizou US$5,7 bilhões, US$4,7 bilhões dos quais vieram da América do Norte – tudo isso enquanto os preços do ouro subiram para máximos históricos.

Assim, o que se vê é uma imagem de investidores institucionais ocidentais a responderem como cães de Pavlov ao aumento das taxas de juro e a abandonarem o ouro em favor de ativos de maior rendimento, como obrigações, ações, fundos do mercado monetário – tudo. E normalmente, como um relógio, isto teria feito o preço descer.

Mas não foi o que aconteceu. As duas principais razões são o apetite voraz dos bancos centrais por ouro físico e a procura extremamente forte de ouro físico por parte do sector privado na China. É difícil saber exatamente que bancos centrais estão a comprar e quanto estão a comprar, porque estas compras têm lugar no opaco mercado de balcão.

Os bancos centrais comunicam as suas compras de ouro ao FMI, mas, como salientou o Financial Times, os fluxos globais do metal sugerem que o nível real de compras por parte das instituições financeiras oficiais – especialmente na China e na Rússia – excedeu em muito o que foi comunicado.

De acordo com o Conselho Mundial do Ouro, que tenta acompanhar estas compras secretas, os bancos centrais compraram um recorde histórico de 1082 toneladas em 2022 e quase igualaram esse valor no ano seguinte. O maior comprador foi, de longe, o Banco Popular da China, que, em fevereiro último, aumentou as suas reservas durante 16 meses consecutivos.

Nieuwenhuijs estima que o Banco Popular da China comprou um recorde de 735 toneladas de ouro em 2023, cerca de dois terços das quais foram compradas secretamente. Entretanto, de acordo com os seus números, as importações líquidas do sector privado chinês totalizaram 1411 toneladas em 2023 e umas impressionantes 228 toneladas apenas em janeiro de 2024.

Onde é que tudo isto nos leva?

Vamos agora fazer um pouco de zoom out e tentar colocar isto numa espécie de perspectiva. Aqui, o primeiro ponto óbvio é que o preço do ouro está a ser cada vez mais determinado pela procura de ouro físico e não pela mera especulação. Sejamos claros: o Banco Popular da China não está a carregar-se de contratos de futuros de ouro alavancados a 25:1 com liquidação em dinheiro. Nem a Rússia.

Estão a colocar camiões carregados com o ouro de verdade nos cofres. E, de facto, temos assistido a exportações líquidas dos mercados grossistas de Londres e da Suíça – ou seja, representando o ouro institucional ocidental. Esse ouro tem-se deslocado para Leste.

Nieuwenhuijs argumenta que as compras secretas de ouro representam uma espécie de “desdolarização oculta”. Isto está a ser feito não só porque a transformação do dólar em arma introduziu uma ameaça até agora inimaginável às reservas de dólares, mas também por causa da crescente crise da dívida dos EUA, que se parece cada vez mais com uma espiral.

O que começa a aparecer como o fim inevitável da saga da dívida dos EUA é uma descida das taxas de juro a fim de reduzir o custo do financiamento do governo, porque a atual despesa com juros é insustentável. Baixar as taxas de juro e deixar a inflação subir representa provavelmente a melhor de uma seleção de más opções que os decisores políticos dos EUA enfrentam.

Isto irá, naturalmente, desvalorizar ainda mais o dólar. Para aqueles que detêm quantidades significativas de ativos em dólares, como a China, esta é uma perspectiva sombria, e ajuda muito a compreender a atual onda de compra de ouro.

Outro aspeto é que, como os países dos BRICS negoceiam cada vez mais em moedas locais, é necessário um ativo de reserva neutro para resolver os desequilíbrios comerciais.

Em vez de uma moeda dos BRICS, que pode ou não surgir num futuro próximo, Luke Gromen acredita que este papel já está a começar a ser desempenhado pelo ouro físico. Se for esse o caso, isso marca o retorno do ouro a um lugar de destaque no sistema financeiro, tanto como reserva de valor quanto como meio de liquidação. Isto também representa um passo extremamente importante.

À medida que estas importantes mudanças tectónicas tomam forma, a venda de ouro pelos investidores ocidentais nos últimos dois anos dá a sensação de estar a jogar com os Habsburgos por volta de 1913. Os habitantes da Wall Street demoraram a perceber que a roda tinha virado. Os principais analistas ocidentais têm repetidamente manifestado surpresa pelo facto de o ritmo implacável das compras dos bancos centrais não ter diminuído.

Há momentos na história em que os acontecimentos ultrapassam aqueles que os vivem e em que a mudança é tão profunda que a maioria dos observadores não tem as categorias mentais para a perceber. Em 1936, Carl Jung disse:   “Um furacão desencadeou-se na Alemanha enquanto nós ainda acreditamos que está bom tempo.”

O furacão que está a abater-se sobre o mundo ocidental é o aviltamento do dólar devido à transformação do sistema financeiro em arma e à crise da dívida americana em espiral. Trata-se de desenvolvimentos marcam uma época e que se combinaram para romper o mundo financeiro familiar de forma irreparável.

O fluxo de ouro do Ocidente para o Oriente é uma transferência real de riqueza, mas é também um símbolo de como o Ocidente tem subestimado profundamente o significado do que está a acontecer.

21/Abril/2024

Ver também:

O assalto do Fed ao ouro – A “venda a descoberto” e a falsificação do mercado do ouro, Paul Craig Roberts, 27/Jun/2013

O assalto ao ouro, Paul Craig Roberts, 05/Abr/2013

[*] Editor da RT. Trabalhou durante mais de uma década em finanças e é titular de uma licença FINRA Série 7 e Série 24.

O original encontra-se em geopolitics.co/2024/04/08/a-great-wealth-transfer-is-underway-how-the-west-lost-control-of-the-gold-market/

Este artigo encontra-se em resistir.info

ÚLTIMAS NOTÍCIAS