23.5 C
Brasília
quarta-feira, 22 maio, 2024

Na cara dos EUA: Exercícios militares na Venezuela com Irã, Rússia e China

Uma base subterrânea de drones de combate do Exército iraniano localizada em um local desconhecido.

Hispantv – Irã, Rússia e China, juntamente com a Venezuela, desafiarão os EUA realizando uma manobra militar conjunta a apenas 2.000 quilômetros do território dos EUA.

Os exercícios militares com drones e comandos de atiradores, liderados pela Rússia, acontecerão de 13 a 27 de agosto na cidade de Barquisimiento, no estado de Lara, no noroeste da Venezuela.

Um total de 37 países participarão dessas práticas militares, entre os quais, além dos mencionados, estão Argélia, Bielorrússia, Vietnã, Índia, Cazaquistão, Uzbequistão ou Mianmar. Todos têm em comum o ódio aos Estados Unidos e o fato de terem sofrido sanções impostas por Washington.

O jornal espanhol ABC descreve essas manobras como uma demonstração de força contra os Estados Unidos no Caribe, que Washington vê como seu “quintal”. Da mesma forma, o jornal acredita que esses exercícios também são um tapa na cara das políticas dos EUA na América do Sul, da qual a Venezuela faz parte.

‘Irán, Rusia y China realizan maniobras militares en Latinoamérica’ | HISPANTV‘Irã, Rússia e China realizam manobras militares na América Latina’ | HISPANTV

Irã, Rússia e China estão se preparando para realizar uma série de exercícios militares trilaterais na América Latina, em uma demonstração de força contra os EUA.

Os exercícios serão realizados apenas um dia após o término das operações militares anuais organizadas pelo Comando Sul dos EUA, batizadas como “Panamax 2022”, nas quais participam as forças armadas de vinte países da região.

Esses jogos de guerra serão realizados no âmbito das competições militares anuais organizadas pela Rússia, conhecidas como Jogos do Exército. A Venezuela é o primeiro país latino-americano a sediar essas práticas militares.

Rússia, Irã e China enviam uma mensagem clara aos EUA na Venezuela
Estrategistas militares e especialistas consideram esses exercícios militares como uma mensagem de apoio à Venezuela, alvo das políticas hostis de Washington.

Anteriormente, um alto funcionário venezuelano – que falou sob condição de anonimato – disse ao jornal online Infobae que os jogos militares têm uma mensagem-chave, mas assegurou que não representam uma ameaça a terceiros países, nem procuram transferir “equipamentos militares desses países para a Venezuela”.

Rússia, China e Irã consolidaram sua aliança realizando pelo menos três exercícios militares conjuntos na Ásia desde 2019. Agora, eles estão transferindo os exercícios para a América Latina, próximo aos portões dos EUA. O fato demonstra a crescente influência dos rivais norte-americanos nos EUA. continente, conforme indicado por Javier Ansorena na ABC.

ÚLTIMAS NOTÍCIAS