22.5 C
Brasília
terça-feira, 18 junho, 2024

Um passeio obrigatório pelo mundo dos charutos

Fotos: José «Tito» Merino

Havana, (Prensa Latina) O charuto Premium mais procurado do planeta tem uma viagem interessante que vale a pena conhecer, uma viagem obrigatória rumo à joia vegetal apreciada como algo irrepetível por milhões de pessoas no mundo, carregada de um aroma especial exclusivo dos sibaritas

Por: Roberto F. Campos

Economia Editorial Prensa Latina

O tabaco cubano oferece ao viajante a mais clara possibilidade de recreação e conhecimento através de uma determinada área, essencial para visitar.

Em Cuba existem cinco áreas importantes para o cultivo do tabaco: Vuelta Abajo, Semi Vuelta, Partido, Remedios ou Vuelta Arriba e Oriente, mas todos sabem que a mais proeminente é a primeira, localizada em Pinar del Río, a província mais ocidental da ilha. .

A viagem começa no campo. Lá os viveiros estão preparados para criar uma muda, à qual é preciso dar todos os cuidados do mundo para que ela prospere. Em Outubro a tarefa começa e estende-se por diferentes fases até ao início do próximo ano.

Os especialistas afirmam que os charutos são únicos pelo seu aroma, sabor e força, o que se consegue através de uma combinação indiscutível entre o clima, as características do solo e a experiência, primeiro dos produtores e depois dos artesãos torcedores.

Depois do campo, onde prevalecem a sementeira, a cobertura, a rega e a colheita (a fase mais delicada), passamos às casas de seleção e desengace, à preparação das roldanas e fardos para envio às fábricas.

O segredo está na combinação de cinco tipos de folhas: sopradas, secas e leves para o enchimento, e o encadernador e o invólucro, este último exigindo os cuidados mais minuciosos.

Em Pinar del Río se colhe 70 por cento de todo o tabaco do país, por isso ao visitar as plantações daquela região terá a ideia mais completa possível desse trabalho, por isso as agências de viagens preparam visitas especializadas no assunto. área, especialmente durante os festivais de charutos cubanos (Festival Habano, fevereiro).

A fase de fábrica é muito interessante. Em Cuba existem mais de 20 indústrias de torção manual, a maioria delas localizadas em Havana, as mais famosas, como Partagás, H.Upmann, Romeo y Julieta, la Corona e El Laguito.

A produção é sintetizada no departamento de liga, fumigação e vitrine, o primeiro a determinar a melhor combinação de folhas de acordo com a marca ou vitola. Há a tarefa de duas fermentações, desde a recolha da folha, até uma terceira, muito elitista, que é aplicada aos luxuosos charutos Cohiba.

Depois a cadeia passa pela Fumigação (inofensivo para a fruição do produto), pelo Rezagado (seleção e controle de qualidade), pelo amarrar e torcer o charuto, etapa essencial, em que centenas de fabricantes de charutos fazem os charutos saírem de suas mãos. com o golpe de uma Tábua e de uma Chaveta, instrumentos para marcar as dimensões do charuto e fazer os diferentes cortes.

Vale a pena acompanhar de perto o twister, observando a delicada ação das mãos nas folhas, a combinação entre velocidade e precisão, por isso os twisters mal atendem os visitantes quando estão na Galera.

Depois passam outras etapas como controle de qualidade, escolha, anilhagem, filetagem e acabamento, e colocação em lindas caixas que marcam as diferenças e predispõem a atenção dos compradores da Casa del Habano e de outros estabelecimentos muito particulares.

No mundo existem mais de 100 das famosas Casa del Habano, franquia da empresa de marketing Habanos SA, espaços íntimos que podem ser encontrados em vários lugares do mundo.

AQUELES HABANOS QUE BATERAM ALTO!

Foto: Roberto F. Campos

A indústria tabaqueira cubana mantém a cada ano um ritmo mais eficiente diante dos mercados internacionais de charutos Premium, ou artesanais.

Esta afirmação foi mais do que corroborada pelo desempenho durante o ano, quando o foco das atenções esteve nas especialidades, nas apresentações de charutos numerados ou nas propostas para especialistas e colecionadores.

Considera-se que os charutos cubanos têm a seu favor o clima, o solo e a experiência dos produtores, elementos básicos para expressar que são os melhores do mundo.

Os charutos em Cuba têm um modo de produção composto por fatores totalmente naturais, já que a folha do tabaco passa por um complexo processo de cura, que muitos comparam ao percurso da uva antes de se transformar em vinho.

Um outro lado do tema aponta para a cultura e história cubana, já que os nascidos nesta ilha, sejam fumantes ou não, têm muita relação com o tabaco, sua forma de cultivo, história, surgimento das principais marcas e desenvolvimento.

A década de 90 do século passado deu um impulso aos charutos, com a criação de revistas de luxo na Europa e nos Estados Unidos, como Cigar Aficionado (EUA), Le Amateur de Cigare (França), Epicur (Espanha), European Cigar Cult Journal (Áustria) ou Smoke (EUA).

Essas publicações deram um impulso definitivo à moda de fumar charutos, a tal ponto que modelos da classe alta apareceram em revistas e cinejornais carregando um charuto na boca.

Tal impacto trouxe de volta a questão da qualidade dos charutos, e todos, fumantes experientes e iniciantes, entenderam que o tabaco cubano ainda era o melhor.

Em 1994, uma iniciativa de grande impacto começou em Havana, com os festivais do tabaco, que decolaram até se tornarem o Festival Internacional do Habano com um leilão de charutos e umidificadores colecionáveis, incluindo o prêmio Habano Man of the Year (mais tarde Habano of the Year Award). ).

Destacando a alta qualidade dos charutos cubanos, por exemplo, dados da indústria do tabaco consideram que os Habanos permanecem nos primeiros passos dos charutos do tipo Premium.

Estas fontes recordaram na altura que são vendidos 14,8 mil milhões de charutos em todo o mundo, dos quais 140 milhões são do tipo Premium ou artesanais, de elevada qualidade. Portanto, mais de 90% do tabaco vendido no mundo é mecanizado e isso se deve aos preços de cada peça.

Cinco bilhões de cigarros são fumados no mundo, o equivalente a 15 bilhões diariamente. Cuba consome 12 mil milhões de cigarros por ano, o que o torna um país muito fumador, apesar das insistentes campanhas antitabagismo e dos alertas médicos à população, isto antes da Covid-19.

Dos 440 milhões de charutos Premium produzidos anualmente no mundo, 250 milhões vão para os Estados Unidos, tornando aquela nação a principal fumante deste tipo de charuto.

A maior das Antilhas detém 77 por cento da quota de mercado, sem considerar os americanos, devido ao bloqueio económico, comercial e financeiro imposto por Washington contra Havana há mais de seis décadas.

O restabelecimento das relações entre os dois países flexibilizou até certo ponto, muito pouco, a compra de charutos aos norte-americanos, e isso impõe um novo ponto de impulso, muito apreciado de 2016 para 2017.

Apropriadamente, porta-vozes da empresa internacional Habanos SA disseram que Cuba vende cerca de 34 marcas de tabaco premium em mais de 100 países em todos os continentes.

Para o efeito, a ilha conta com 45 empresas (16 agrícolas, oito agroindustriais, 10 tabacos torcidos, quatro cigarros e sete serviços e marketing).

Possui também cerca de 50 fábricas de laminação para exportação e igual número para consumo nacional, embora outras indústrias produzam tabaco para máquinas, cigarros e caixas de madeira para embalagens.

Cerca de 200 mil pessoas trabalham no sistema tabaqueiro deste país, entre familiares dos produtores que ajudam na colheita e trabalhadores de outros setores produtivos (todos esses dados oficiais anteriores à pandemia, mas que dão uma ideia da magnitude industrial).

ÚLTIMAS NOTÍCIAS