12.5 C
Brasília
quarta-feira, 12 junho, 2024

Um desafio para Israel e seu lobby: onde estão suas  fronteiras? Austrália reconhece o estado da Palestina 

Estrada de Jerusalém a Belém e oliveiras centenárias Belém na Palestina – Fonte:  https://www.viagensinvisiveis.com.br/belem-na-palestina.html 

Por Heba Ayyyad  

Parece que não há limite para a insolência do lobby israelense e seus  insultos à inteligência do povo. Primeiro, afirmaram apoiar a divisão da Palestina  e a solução de dois Estados. Em seguida, limparam etnicamente mais de 70%  do povo palestino, negaram seu direito de retorno, roubaram suas propriedades,  ocuparam metade do que deveria ser o estado palestino de acordo com a  partição da ONU e, dezenove anos depois, ocuparam o que restava da Palestina  histórica.  

Bem como terras de estados árabes vizinhos, culpam suas vítimas por  suas agressões, ocupações, violações do direito internacional e construção de  colônias judaicas, e agora estão tentando impedir que o governo australiano  reconheça o estado da Palestina e seu direito de existir! 

Tampouco há um limite para seus enganos, começando com a sionização  da Bíblia que afirma que Deus lhes deu a Palestina e ordenou que matassem e  desalojassem seu povo e os privassem de sua terra natal, transformando um  Deus de compaixão, retidão, justiça e paz em um corretor de imóveis racista e  belicista, e continuando com o mito de que a Palestina era um deserto e eles  fizeram o deserto florescer, esquecendo que a Bíblia a descreve como ‘a terra  que mana leite e mel’ e que o poeta inglês George Sandys falou em 1615, mais  de 330 antes de roubá-la, como ‘uma terra que manava leite e mel; e nenhuma 

parte vazia de deleite ou lucro ‘, enquanto o único deserto na Palestina, o Negev,  ainda é um deserto. 

Então negaram nossa existência no século XVIII com um slogan  afirmando que a Palestina era ‘Uma terra sem povo, para um povo sem terra’ e  que ‘Não existiam palestinos’. Eles não existiam’, como afirmou a primeira ministra Golda Meir em 1967.  

Isso foi repetido recentemente pelo atual ministro das Finanças e líder do  Partido Religioso Sionista, Bezalel Smotrich, em um discurso em Paris, durante  o qual mostrou um mapa de Israel que inclui toda a Palestina histórica, bem como  a Jordânia e partes da Síria, Líbano e Arábia Saudita.  

Esses e dezenas de outros mitos, mentiras e meias-verdades mostram  até onde Israel e seu lobby estão preparados para ir. 

Embora o lobby israelense goste de repetir que os árabes rejeitaram a  partição da Palestina em 1947, nunca dizem por quê, nem o que os árabes  estavam propondo como alternativa ao projeto colonialista sionista. 

A rejeição árabe e palestina de dividir a Palestina era natural e  compreensível porque a divisão era injusta e contrária à carta da ONU, e a ONU  não tem poder para dividir qualquer país contra os desejos da maioria de seu  povo, então ou agora. Os palestinos eram dois terços da população e possuíam  mais de 94% da terra; o outro terço eram principalmente imigrantes judeus  recentes, a maioria dos quais eram ilegais, impostos pelos ocupantes britânicos  contra a vontade do povo palestino. A Resolução 181 da Partição da ONU pediu  aos palestinos que dessem ao terço recém-chegado aos judeus europeus, que  possuíam menos de 6 por cento da terra, 56 por cento das melhores terras  férteis, cidades e aldeias; roubou-lhes sua capital histórica, Jerusalém,  tornando-a um “corpus separatum” sob um regime internacional especial; e deu lhes apenas 42% de seu próprio país. 

Os palestinos naturalmente rejeitaram esta resolução absurda, injusta e  antidemocrática, como qualquer povo faria, especialmente quando também  estavam cientes dos objetivos coloniais sionistas de criar o ‘Grande Israel’ no  coração do mundo árabe, em toda a Palestina e partes dos países vizinhos. Em  vez disso, os palestinos defendiam uma solução civilizada, justa e duradoura  baseada na retirada britânica, na independência da Palestina e na democracia e  igualdade entre todos os cidadãos, independentemente de sua religião. 

Não foram apenas os árabes que rejeitaram a divisão, mas também quase  metade dos então membros da ONU e muitos judeus, incluindo o governador geral da Austrália, Sir Isaac Isaacs, o distinto rabino, erudito e autor, Dr. Julian  Morgenstern, e o presidente da Universidade Hebraica de Jerusalém, Dr. Judah  Magnes

Australia riconoscerà lo Stato di Palestina

 Menino segura a bandeira Palestina – até quando os moradores vão morar em suas terras como  forasteiros? Fonte: https://www.bluewin.ch/it/attualita/estero/australia-laburisti-riconosceremo-palestina 193167.html 

A intimidação americana e sionista e a enorme pressão sobre três países  – Libéria, Haiti e Filipinas – para mudar seus votos possibilitaram a aprovação da  resolução da partição. O presidente dos EUA, Harry Truman, reconheceu a  pressão “extremamente sionista” usada em suas memórias. 

O objetivo dos sionistas e líderes israelenses, de Herzl, o pai do sionismo,  ao primeiro-ministro de Israel, Ben Gurion e Netanyahu, sempre foi a criação do  que eles chamam de ‘Eretz Israel’, a Terra de Israel, que inclui toda a Palestina  histórica e terras de estados árabes vizinhos. Sua “aceitação” da partição foi  uma estratégia tática enganosa para obter a legitimidade que procuravam e  estabelecer uma base colonial a partir da qual construir um forte exército para  expansão para realizar seu projeto de “Grande Israel”. Isso é exatamente o que  eles estavam dizendo e têm feito desde a aprovação da resolução da partição. 

Não satisfeitos com os 56 por cento que a resolução da partição da ONU  lhes deu, lançaram um ataque militar chamado Plano Dalet em 1º de abril de  1948, com o objetivo de ocupar o máximo possível da Palestina e limpar  etnicamente o maior número possível de palestinos, transformando os não 

judeus maioria em minoria e a minoria judaica em maioria. Através de mais de  70 massacres, limparam etnicamente mais de 70% dos palestinos e ocuparam  78% da Palestina, na qual declararam o estabelecimento de Israel em 14 de  maio de 1948. 

A ONU, sob a presidência do australiano Herbert Vere Evatt, pediu a Israel  que se retirasse para as fronteiras da partição e permitisse o retorno dos  refugiados, tornando-o condicional na Resolução 273 da ONU, aceitando sua  adesão à ONU, mas depois que sua adesão foi aceita Israel recusou-se a  cumprir. Em vez disso, destruiu 531 cidades e vilas palestinas para impedir que  os refugiados voltassem para suas casas.

Apesar dos massacres de Israel, limpeza étnica e violações das  resoluções da ONU e do direito internacional, incluindo a Resolução 181 da ONU  que lhe dá legitimidade, a Austrália reconheceu Israel unilateralmente e nunca  assumiu suas obrigações históricas, legais e morais para com o povo palestino,  nem reconheceu seu estado. 

Então, tendo consolidado sua ocupação e digerido 78% da Palestina,  Israel lançou a guerra de 1967 e ocupou toda a Palestina e partes dos estados  árabes vizinhos.  

A Resolução 242 da ONU exortou Israel a se retirar; recusou-se e, em vez  disso, anexou Jerusalém e as colinas sírias de Golã e iniciou uma frenética  construção de colônias judaicas nos recém-ocupados territórios palestinos. 

Enquanto os palestinos fizeram propostas de paz em 1968, apresentadas  oficialmente pelo falecido presidente da Organização para a Libertação da  Palestina, Yasser Arafat, na ONU em 1974, para o estabelecimento de um  estado democrático, secular e não sectário para todos os seus cidadãos – judeus,  cristãos e muçulmanos – e em 1988 ofereceu um acordo enorme e doloroso de  78 por cento do nosso país e aceitação de uma solução de dois estados, Israel  rejeitou ambos e nunca fez uma única proposta de paz, seus líderes declarando  abertamente sua rejeição de um estado palestino. Quanto mais concessões os  palestinos fazem, mais Israel exige. 

Henry Siegman, presidente do Projeto EUA–Oriente Médio, disse em um  artigo no Huffington Post (2.4.2013) que, na verdade, nem Netanyahu nem  qualquer primeiro-ministro israelense anterior jamais ofereceu quaisquer  concessões aos palestinos, dolorosas ou não, no lado israelense da fronteira de  1967. Sem exceção, sua posição em todas as questões de status permanente  – seja território, refugiados, Jerusalém, recursos hídricos ou segurança – é que  os palestinos devem fazer as concessões do seu lado dessa fronteira. 

Recentemente, em 28 de dezembro de 2022, o primeiro-ministro  Netanyahu tuitou em hebraico: “O povo judeu tem direito exclusivo e  inquestionável a todas as áreas da Terra de Israel. O governo promoverá e  desenvolverá assentamentos em todas as partes da Terra de Israel – na Galiléia,  Negev, Golã, Judéia e Samaria [a Cisjordânia]”. 

A Lei do Estado da Nação Judaica ratificada em 2018 pelo Knesset e pela  Suprema Corte de Israel, que afirma que ‘O Estado de Israel é o lar nacional do  povo judeu … O direito de exercer a autodeterminação nacional no Estado de  Israel é exclusivo do Judeu [somente] … ‘, além de outras 65 leis racistas,  institucionaliza o racismo e a discriminação racial contra muçulmanos e cristãos. 

Israel e seu lobby falam sobre suas “ofertas de Estado” aos palestinos,  mas nunca contam quais foram as “ofertas” de Ehud Barak ou Ehud Olmert.  Primeiro, essas chamadas ofertas eram verbais e eles se recusavam a colocá las por escrito; nem cumpriram os requisitos mínimos para uma paz justa. 

O estado que ofereciam era um Bantustão controlado por Israel com três  cantões separados em menos de 15% da Palestina, e as ligações entre esses  cantões estariam sempre à mercê do exército e das colônias israelenses, sem  controle de suas fronteiras ou mesmo seu espaço aéreo. Israel se recusou a  reconhecer os direitos inalienáveis dos refugiados etnicamente limpos de  retornar – o cerne da questão palestina – e se recusou a se retirar da capital  histórica da Palestina, Jerusalém. Então é surpreendente que os palestinos  tenham rejeitado tais ofertas verbais ridículas? 

Como o governo israelense nunca definiu suas fronteiras, o governo  australiano precisa dizer ao público como reconhece um país sem saber quais  são suas fronteiras – e se souber, precisa informar ao público quais fronteiras  israelenses reconhece. São as fronteiras da partição da ONU dos dois estados,  que a Austrália defendeu, fez lobby e votou, ou as fronteiras além da partição na  qual Israel foi declarado em 1948, ou as fronteiras atuais que incorporam toda a Palestina histórica e terras dos estados árabes vizinhos? 

Em sua declaração à Assembleia Geral da ONU em 11 de maio de 1949,  Evatt disse que ‘as fronteiras territoriais de Israel foram fixadas pelas decisões  de 1947, e essas fronteiras devem permanecer até que sejam alteradas pela  Assembleia Geral ou pelo acordo de Israel, com os outros Estados e povos  diretamente interessados’. No entanto, Israel alterou suas fronteiras  unilateralmente, desafiando a ONU e a comunidade internacional. 

A história mostra que o obstáculo para o avanço da causa da paz e do  progresso em direção a uma solução justa e duradoura de dois Estados é o  vergonhoso apaziguamento de Israel por alguns países ocidentais e o não  reconhecimento do Estado da Palestina, dando a Israel a impressão de que pode  continuar com seu rejeicionismo, opressão, violações e expansão e sem os  quais não ousaria desafiar a comunidade internacional com tais violações  grosseiras. 

Como pode o governo israelense dizer honestamente que está buscando  a paz quando está violando as resoluções da ONU e o direito internacional,  construindo colônias judaicas, continuando a discriminação racial, rejeitando  propostas de paz, recusando-se a reconhecer os direitos legítimos do povo  palestino e continuando com sua condenação internacional políticas de  assassinatos arbitrários, prisão, punições coletivas, bombardeio de áreas  residenciais, estrangulamento da economia palestina, exploração de  trabalhadores, demolição de casas e confisco de terras para uso exclusivo dos  judeus? As ações de Israel são definidas na lei internacional como crimes de  guerra.  

São atos de terrorismo de estado e graves violações da Quarta  Convenção de Genebra, dos direitos humanos básicos dos palestinos, das  resoluções da ONU e do acordo de Oslo.  

São ações de uma potência colonialista racista, não de um Estado que  quer viver em paz com seus vizinhos e está desestabilizando toda a região.

Uma vez que o governo australiano apoiou a partição da Palestina contra  a vontade do povo palestino, a fim de facilitar o estabelecimento de um estado  judeu em seu país, reconhece a solução de dois estados e o direito dos  palestinos à autodeterminação e considera as colônias judaicas como um  obstáculo à paz, e uma vez que a opinião pública mostra que a maioria dos  australianos (e membros do ALP) exige o reconhecimento do estado da  Palestina, como pode então ignorar tudo isso e ver o conflito do ponto de vista  do ocupante e do opressor para justificar seu não reconhecimento do estado da  Palestina? 

O reconhecimento do estado da Palestina por 138 países, a Liga Árabe,  o movimento não-aliado, a Organização de Cooperação Islâmica e outros  organismos internacionais é a melhor prova de sua legalidade no direito  internacional e de que é uma decisão política. É hora de a Austrália estar do  lado certo da história e conceder pleno reconhecimento ao estado da Palestina.  

Isso é o mínimo que a Austrália pode fazer para pressionar Israel a  reconhecer os direitos legítimos do povo palestino e promover a causa da paz  no Oriente Médio. 

Não é do interesse nacional da Austrália ser isolada internacionalmente  para apaziguar o Israel colonial e seu lobby extremista. 

*Heba Ayyad é Jornalista palestina/brasileira, escritora, analista política internacional e poeta 

ÚLTIMAS NOTÍCIAS