23.5 C
Brasília
sábado, 22 junho, 2024

Ucrânia usa prisioneiros de guerra russos como escudos para ‘desminagem humana’, diz voluntário

(Foto: eng.mil.ru)

Placa que diz Pare! Minas! é vista em Severodonetsk, República Popular de Lugansk (RPL), Rússia - Sputnik Brasil, 1920, 10.07.2023

Sputnik – As tropas de Kiev estão coagindo prisioneiros de guerra russos a marchar à frente das forças ucranianas como escudos humanos para detonar minas na direção de Zaporozhie, disse um voluntário russo a repórteres.

Um voluntário russo de codinome Topaz foi capturado pelas forças ucranianas na área da República Popular de Donetsk (RPD). Segundo ele, ele foi constantemente humilhado, espancado e forçado a cavar estruturas defensivas para as Forças de Segurança de Kiev. Ele então descreveu o que aconteceu, quando as forças ucranianas receberam uma ordem para se mover na direção de Zaporozhie.
“Eles me acordaram à noite, às três horas da manhã [horário local], e outro prisioneiro foi forçado a se levantar. Eles enviaram um grupo de militares ucranianos em uma missão e levaram dois de nós como desminadores. Desminagem como? Nós fomos obrigados a marchar à frente do destacamento, então, se de repente alguém [pisasse em uma mina e] explodisse, eu também o faria e o outro prisioneiro de guerra atrás de mim”, disse ele.
As posições russas em direção a Zaporozhie são bem fortificadas e os acessos a elas são densamente minados, então as Forças de Segurança de Kiev sofrem perdas significativas.
De acordo com Topaz, prisioneiros de guerra russos sem armas ou coletes à prova de balas foram forçados a caminhar pelo menos oito metros à frente da infantaria ucraniana. Conforme explicou, a missão da unidade ucraniana era chegar o mais próximo possível das posições russas e depois aguardar reforços. Mas a unidade de reconhecimento ucraniana e os prisioneiros de guerra foram descobertos. Vários homens da unidade ucraniana foram mortos em ação e os prisioneiros de guerra russos conseguiram escapar.

“Sou grato a Kuzbass [codinome para soldado russo]. Deus abençoe a todos eles, para que todos voltem para casa com seus pais vivos e saudáveis”, disse Topaz, agradecendo a seus libertadores.

Combatentes do Grupo Wagner perto de Artyomovsk, na República Popular de Donetsk (RPD) - Sputnik Brasil, 1920, 10.07.2023

Panorama internacional

Embaixada da Rússia: EUA confessam de fato cometer crimes de guerra na Ucrânia

ÚLTIMAS NOTÍCIAS