27.5 C
Brasília
sexta-feira, 24 maio, 2024

‘Turquia não pode dizer sim à adesão da Finlândia e da Suécia à OTAN, é impossível’, diz Erdogan

© AFP 2022 / Adem Altan

Sputnik – Segundo o líder turco, as nações escandinavas têm como histórico não extraditar militantes curdos, e as chamou de países que servem de “hospedagem para organizações terroristas”.
Nesta segunda-feira (16), o presidente, Recep Tayyip Erdogan, disse que a Turquia não pode dizer “sim” à adesão da Finlândia e da Suécia à OTAN, acrescentando que é “impossível”.

“Não podemos dizer sim. Caso contrário, a OTAN não será uma organização de segurança, mas se tornará um lugar onde haverá muitos representantes de terroristas. Não podemos dizer sim, sem ofensa“, disse o líder turco durante um briefing hoje (16).

Segundo erdogan, Ancara não pode acreditar nas garantias dos dois países de que não apoiarão “terroristas”.

Por “terroristas”, a Turquia identifica curdos residentes na Suécia e na Finlândia que são suspeitos de serem afiliados aos grupos militantes curdos PKK e YPG, e seguidores do clérigo islâmico Fethullah Gulen, que vive nos EUA.

Continuando, o mandatário também disse que Ancara não diria “sim” àqueles que impõem sanções à Turquia. Entretanto, ao mesmo tempo Erdogan anunciou que delegações da Finlândia e da Suécia visitarão a Turquia na segunda-feira (23).
Bandeira da OTAN ao lado de estátua no Parque do Cinquentenário, Bruxelas, Bélgica, 13 de junho de 2021 - Sputnik Brasil, 1920, 15.05.2022

Panorama internacional

Legislador da UE ameaça Turquia de isolamento na OTAN se bloquear adesão da Suécia e Finlândia

De acordo com Ancara, a Suécia e a Finlândia até agora rejeitaram os pedidos da Turquia para extraditar um total de 33 suspeitos supostamente ligados ao PKK e ao movimento Gulen, que, acredita o governo de Erdogan, estava por trás da tentativa fracassada de golpe em 2016.
Tanto Estocolmo quanto Helsinque anunciaram oficialmente sua intenção de se candidatar à OTAN. No entanto, o goveno russo já se pronunciou sobre o assunto e disse que a adesão dos países à Aliança Atlântica pode provocar “medidas técnico-militares” por parte de Moscou.
No dia 30 de janeiro de 2019, o vice-ministro das Relações Exteriores russo, Sergei Ryabkov, participa de uma conferência sobre o Tratado de Não Proliferação de Armas Nucleares (TNP), em Pequim - Sputnik Brasil, 1920, 16.05.2022

Panorama internacional

MRE russo: situação no mundo após decisão da Suécia de ingressar na OTAN mudará radicalmente

ÚLTIMAS NOTÍCIAS