21.5 C
Brasília
sábado, 22 junho, 2024

Tribunais militares no Chile em tempos de paz

Santiago do Chile (Prensa Latina) No Chile, onde muitas violações dos direitos humanos durante a ditadura ficaram impunes, o projeto para restabelecer a justiça militar para membros do exército ou da polícia que cometem crimes contra civis é considerado um retrocesso democrático.

Por Carmem Esquivel/Correspondente-chefe no Chile

Uma proposta neste sentido foi recentemente apresentada por legisladores de partidos da oposição como a Renovação Nacional, a União Democrática Independente e o Movimento Amarelo, que a incorporaram no projeto de lei sobre Regras para o Uso da Força (RUF).

Embora a Câmara dos Deputados tenha rejeitado, a iniciativa permanece latente porque setores da direita esperam reintegrá-la no Senado.

“Dissemos que, em questões de jurisdição civil, os tribunais militares não serão restabelecidos durante o meu governo”, disse o presidente chileno, Gabriel Boric.

O presidente especificou que este tipo de justiça é para tempos de guerra e para casos muito específicos, e na sua administração não será implementada novamente a revisão de casos que deveriam ir aos tribunais ordinários.

Questionado sobre o assunto, o renomado advogado Nelson Caucoto, que aqui tratou de casos emblemáticos, foi contundente ao afirmar que um caso de direitos humanos nunca pode ser confiado à jurisdição militar.

Este sistema afetou profundamente as investigações de crimes ocorridos durante a ditadura (1973-1990) e não gerou sentenças contra agentes do Estado, disse o advogado à Rádio Universidade do Chile.

Caucoto citou dois casos específicos, primeiro o de Carmen Gloria Quintana e Rodrigo Rojas, que foram queimados vivos por uma patrulha do exército em 1986 e, no entanto, foram feitas tentativas de responsabilizar os jovens por terem se imolado.

Quase 40 anos depois desses acontecimentos, em janeiro passado o sistema de justiça chileno condenou 11 policiais uniformizados aposentados pelos crimes de homicídio qualificado ou como cúmplices.

Outro acontecimento mencionado foi o da Operação Albânia, onde a justiça militar ordenou a absolvição definitiva dos agentes do Estado que assassinaram 12 jovens em junho de 1987. Somente quando o caso foi transferido para a justiça ordinária é que os responsáveis ​​conseguiram ser condenados.

COMPETÊNCIA DOS TRIBUNAIS MILITARES

A legislação aqui vigente indica que a justiça militar está autorizada a julgar infrações cometidas por militares uniformizados no exercício de suas funções, quando ocorrerem em território ocupado militarmente ou quando envolverem atos contra a soberania.

Os crimes que julgam são principalmente crimes de guerra e violações das leis de recrutamento e mobilização.

Em 2010, foi aprovada uma lei que eliminou a sua jurisdição para processar civis e menores.

Os analistas consideram que a expansão da jurisdição militar representaria agora um revés e um erro em termos do devido processo e do Estado de direito.

É como voltar a um Chile que já ficou para trás, disse o deputado Vlado Mirosevic, do Partido Liberal.

O CASO DOS RECRUTAS DE PUTRE

No dia 27 de abril, Franco Vargas, um jovem de 19 anos que cumpria o serviço militar, morreu enquanto realizava uma marcha de instrução na comuna nortenha de Putre, a mais de quatro mil metros acima do nível do mar e sem roupas adequadas para o congelamento. temperaturas.

Durante o exercício, 45 de seus companheiros adoeceram, três deles gravemente, e um teve que amputar a mão. Este acontecimento causou profunda comoção no país e levou mais de 140 recrutas a pedir dispensa.

Informações contraditórias do Exército levantaram dúvidas sobre a transparência e imparcialidade da instituição, o que levou Romy Vargas, mãe do conscrito falecido, a exigir que o Ministério Público Militar não participasse da investigação do caso por não confiar nele.

Os responsáveis ​​pelo quartel onde prestava serviço garantiram que o jovem foi levado com vida para um centro de atendimento hospitalar, mas o hospital negou a versão e confirmou que já tinha morrido quando o receberam.

“As imprecisões são graves e as mentiras são indesculpáveis. Eles falharam”, escreveu o senador Iván Flores, do Partido Democrata Cristão, em seu relato no X, que disse esperar que não se insistisse na justiça militar.

Para a deputada Lorena Fries, da Convergência Social, em casos como estes, “a justiça militar é mais um privilégio para os eventuais culpados do que uma verdadeira possibilidade de justiça para as vítimas”.

No dia 14 de maio, o Tribunal de Garantia da região de Arica decidiu que o processo permanecerá na jurisdição civil, rejeitando assim o pedido da enviada especial da Corte Suprema, Jenny Book, que desejava que as investigações permanecessem na jurisdição militar. .

Segundo o juiz Juan Araya, nos infelizes acontecimentos ocorridos na comuna de Putre, não só os soldados foram afetados, mas também os civis, incluindo Romy Vargas, mãe do soldado falecido.

Há uma vítima que não é militar e essa jurisdição não tem a robustez da unidade de atendimento especializado do Ministério Público para tutelar as suas garantias, assegurou.

DEBATES NO CONGRESSO NACIONAL

Apesar da rejeição na Câmara dos Deputados da proposta de dar mais poderes aos tribunais militares, a oposição tentará levar o assunto ao Senado.

No essencial, os promotores desta ideia defendem que em determinadas circunstâncias, como estados de excepção constitucional e protecção de zonas fronteiriças, os crimes cometidos por oficiais fardados sejam julgados por tribunais militares, mesmo quando há vítimas civis.

Advogados de direitos humanos disseram esperar que o projeto não prospere, porque nos tempos da ditadura trouxe muitas injustiças, e defendem a manutenção da jurisdição das Forças Armadas apenas nas áreas de sua competência.

ÚLTIMAS NOTÍCIAS