20.5 C
Brasília
segunda-feira, 26 fevereiro, 2024

Sistema de Orquestra Nacional da Venezuela, uma obra social e cultural

O Sistema estrutura o ensino e a prática coletiva e individual da música através de orquestras sinfônicas e corais, como instrumentos de organização social e desenvolvimento humanístico.

El Sistema foi idealizado e fundado em 1975 pelo professor e músico venezuelano José Antonio Abreu.

O programa de responsabilidade social de maior impacto na história da Venezuela é este modelo pedagógico, artístico e social, reconhecido no mundo.

LEIA TAMBÉM:

Kuadernos Palestinos, uma obra imperdível

Na década de 70, José Antonio Abreu, professor venezuelano, reuniu um grupo de jovens músicos com o objetivo de criar uma orquestra juvenil que permitisse aos alunos praticarem juntos, revolucionar a educação musical no país e estabelecer um movimento identificado com a cultura venezuelana, que proporcionaria emprego decente e profissional.

Desde o seu início, o projeto teve um enfoque nacionalista. No primeiro ensaio massivo, realizado em 12 de fevereiro de 1975 na Escola de Música Juan José Landaeta, esteve presente um grande número de jovens de diferentes partes da Venezuela, especialmente dos estados de Aragua, Lara, Táchira, Trujillo, Zulia. e Carabobo, bem como a capital, Caracas.

Esses jovens músicos seriam a base da primeira Orquestra Sinfônica Juvenil Nacional Juan José Landaeta da Venezuela, que estreou oficialmente em 30 de abril de 1975 na sede do Itamaraty.

Foto: elsistema.org.ve

Este grupo originário do Sistema Nacional de Orquestras e Corais Juvenis e Infantis da Venezuela, formado por 80 músicos, foi legalmente constituído em 12 de fevereiro do mesmo ano. A partir daí começou uma incrível história de sucesso: em 1978, mudou seu nome para Orquestra Juvenil Venezuelana Simón Bolívar e atualmente é conhecida como Orquestra Sinfônica Simón Bolívar da Venezuela.

Esta orquestra realizou uma série de apresentações internacionais muito importantes e tornou-se a representação máxima do El Sistema, além de embaixadora da arte venezuelana.

Recebeu reconhecimentos como o Prêmio Internacional de Música da Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (UNESCO); a certificação oficial do Guinness Record com a maior orquestra do mundo e, recentemente, o Grammy Latino 2023 de Melhor Álbum de Música Clássica.

Foto: @LoAfirmativoVE

O prêmio foi originado graças ao álbum “Sinfonia Imersiva de Quatro Elementos para Orquestra e Coro”, composto pelo flautista venezuelano Huáscar Barradas, gravado pela Orquestra Sinfônica Simón Bolívar da Venezuela e pelo Coro Nacional Simón Bolívar, através da plataforma El Sistema, sob a batuta do maestro Ollantay Velásquez, regente assistente da Orquestra Sinfônica de Miami.

O álbum “Sinfonia Imersiva de Quatro Elementos para Orquestra e Coro” foi produzido em 2022 por Eugenio Carreño, diretor de gestão orquestral e coral do El Sistema, em conjunto com os violistas María Beatriz Cárdenas e Eduardo Martínez Planas. A gravação aconteceu na Sala Simón Bolívar do Centro Nacional de Ação Social pela Música e contou com a participação de mais de 200 pessoas.

Foto: elsistema.org.ve

Esta obra monumental explora os quatro elementos da natureza: terra, água, ar e fogo. Sob a direção musical de Eugenio Carreño, a música cria uma experiência sonora envolvente que envolve o ouvinte na obra. Cada movimento da sinfonia conta uma história que o ouvinte pode viver e vivenciar internamente.

A engenharia de gravação, mixagem e masterização ficou a cargo de Angemyr Lezama e Eduardo Martínez do estúdio DB Mix Estudios, que se encarregaram de trazer a obra para o formato Dolby Atmos, tecnologia de som surround.

Mais uma vez, este projeto destaca o talento e o trabalho do El Sistema, uma obra social e cultural do Estado venezuelano. A Fundação Musical Simón Bolívar, vinculada ao Ministério do Poder Popular para o Gabinete da Presidência e Acompanhamento da Gestão do Governo da Venezuela, é o órgão dirigente desta instituição.

ÚLTIMAS NOTÍCIAS