23.5 C
Brasília
quarta-feira, 22 maio, 2024

Sinais de insegurança alimentar

(Bloomberg/Alessia Pierdomenico)

Texto enviado por Romana Dovganyuk*

A guerra da Rússia contra a Ucrânia é uma ameaça real à segurança alimentar global?

  • A guerra da Rússia contra a Ucrânia é a principal causa de uma crise alimentar global que pode trazer sérias consequências políticas e econômicas.
  • A Ucrânia tornou-se um dos maiores fornecedores de alimentos como óleo de girassol, trigo e milho para os países de baixa renda em todo o mundo, bem como para as organizações internacionais de desenvolvimento.
  • A Ucrânia teve uma safra recorde de grãos no ano passado, coletando 107 milhões de toneladas (milhões de toneladas).
  • O setor agrícola e alimentar representa quase 10% do PIB da Ucrânia. No ano passado, exportamos produtos alimentícios totalizando quase US$ 28 bilhões para o mundo, incluindo 7 bilhões de euros (US$ 7,4 bilhões) para a UE.
  • As exportações da Ucrânia compreendem mais de 10% de todo o trigo, 14% de todo o milho e 47% de todo o óleo de girassol do mundo.
  • Em média, 50 milhões de toneladas de produtos agrícolas foram exportados da Ucrânia anualmente. Em anos recordes, esse número chegou a 65 mmt. Hoje não é possível encontrar fornecedores alternativos e substituir esses volumes de produtos agrícolas da Ucrânia. Especialistas afirmam que é literalmente impossível, mesmo nos próximos 3-5 anos.
  • Especialistas enfatizam que mais de 400 milhões de pessoas no mundo dependem do fornecimento de grãos da Ucrânia. A população da maioria desses países tradicionalmente sofre com a escassez de alimentos e até com a fome.

 

Dependência dos países em suprimentos ucranianos (a participação das principais commodities ucranianas nas importações totais do país, de acordo com ITC, 2020, 2021):

  • Trigo: Egito – 26%; Indonésia – 27%, Turquia – 18%, Paquistão – 46%, Marrocos – 15%, Bangladesh – 23%, Líbia – 44%, Tunísia – 42%, Etiópia – 26%, Líbano – 80%, Iêmen – 22%, Israel – 20%.
  • Milho: UE27 – 32%, China – 55%, Egito – 26%, Turquia – 32%.
  • Óleo de girassol: UE27 – 62%, China – 59%, Índia – 75%, Turquia – 5%, Iraque – 74%.
  • A guerra na Ucrânia representa uma ameaça à segurança alimentar global, que é particularmente aguda hoje em alguns dos países da região MENA (Egito, Iêmen, Líbano, Israel, Líbia, Líbano, Tunísia, Marrocos, Iraque, Arábia Saudita) e países asiáticos ( Indonésia, Bangladesh, Paquistão), que são os principais compradores de trigo e milho nos mercados mundiais).
  • O ataque da Rússia mudou as cadeias de abastecimento de alimentos do mundo. Os produtos que a Ucrânia não poderá entregar ao mercado mundial provocam uma reação em cadeia: os países desenvolvidos estão aumentando seus estoques, muitos países estão limitando o comércio em meio à incerteza. Como resultado, os preços estão subindo ainda mais e o risco de fome nos países mais pobres está aumentando.
  • A guerra afetou cerca de 25% do comércio mundial de cereais e causou um aumento nos preços mundiais, inflação de alimentos e redução do acesso a alimentos nos países que importam alimentos da Ucrânia. Em particular, esses são o óleo de trigo e de girassol.
  • O Índice de Preços de Cereais da FAO teve uma média de 173,4 pontos em maio, um aumento de 3,7 pontos (+2,2%) em relação a abril e até 39,7 pontos (+29,7%) acima do valor de maio de 2021. Os preços internacionais do trigo subiram pelo quarto mês consecutivo, alta de 5,6% em maio, para um aumento médio de +56,2% em relação ao valor do ano passado.
  • De acordo com as perspectivas dos mercados de commodities do Banco Mundial, muitos alimentos devem sofrer aumentos acentuados em seus custos. O índice de preços de alimentos da ONU já mostra que eles estão em seu nível mais alto desde que os registros começaram há 60 anos.
  • De acordo com os relatórios do Banco Mundial: mais e mais países estão introduzindo ou anunciando medidas para reduzir ou proibir as exportações de trigo (mais de 53 medidas restritivas foram introduzidas).
  • Devido à guerra, a Ucrânia perdeu cerca de 20% da área semeada este ano (território ocupado ou sob hostilidades). Cerca de 13,5 milhões de hectares foram usados ​​para a campanha de semeadura da primavera (em 2021 – 16,9 milhões de hectares). Para grãos de inverno, 7,6 milhões de hectares foram usados ​​no outono de 2021.
  • A invasão russa em larga escala da Ucrânia causou danos ao setor agrícola do país no valor total de US $ 4,29 bilhões.
  • De acordo com um relatório recente do USDA, os preços globais de fertilizantes estão em níveis quase recordes e podem permanecer elevados ao longo de 2022 e além. O fertilizante representa 36% dos custos operacionais de um agricultor para o milho e 35% para o trigo. Esses preços elevados podem ter implicações para a produção agrícola em 2022 e 2023. A invasão russa da Ucrânia exacerbou a já limitada situação de fornecimento de fertilizantes e desencadeou restrições de importação e exportação que agravarão as preocupações com a escassez.

 

 

Os agricultores ucranianos e ucranianos estão prontos para cumprir suas obrigações de fornecer grãos e outros produtos agrícolas ao mercado mundial assim que nossos portos marítimos estiverem desbloqueados e livres para navegar.

  • A campanha de semeadura da primavera na Ucrânia foi concluída. Um total de 13,4 milhões de hectares, ou 95% da área projetada, foram semeados, também 20% menos do que em 2021:
  • No entanto, na ausência de entrada oportuna de fertilizantes, os rendimentos serão significativamente menores. Especialistas estimam rendimentos de 10-15% menos de um ano antes.
  • As previsões ucranianas de exportações agrícolas em 2022 serão muito mais modestas em comparação com o ano anterior devido à agressão russa. Em 2021, as exportações ucranianas de produtos agroalimentares somaram US$ 27,7 bilhões, enquanto a previsão para este ano é de apenas US$ 15,1 bilhões. Essa quebra temporária equivale à perda de 4% do trigo, 9% do milho e quase 30% das exportações de óleo de girassol em todo o mundo.
  • Analistas de mercado aumentaram sua previsão de maio em relação aos volumes de colheita em 2022 que os agrários ucranianos devem esperar este ano – cerca de 70 milhões de toneladas de grãos e oleaginosas da área semeada de cerca de 19,1 milhões de hectares (a previsão anterior era de 66,5 milhões de toneladas)
  • trigo – 20,8 mmt (em 2021 – 33 mmt);
  • milho – 27,3 mmt (em 2021 – 37,6 mmt);
  • cevada – 6,6 mmt (em 2021 – 9,4 mmt)
  • outros cereais – 1,4 mmt (em 2021 – 2,3 mmt).
  • girassol – 9 mmt (em 2021 – 16,9 mmt);
  • soja – 2,2 mmt (em 2021 – 3,5 mmt);
  • colza – 1,65 mmt (em 2021 – 2,9 mmt).

 

A colheita total de oleaginosas em 2022 deverá atingir quase 16,3 milhões de toneladas, enquanto em 2021 foi de 22,8 milhões de toneladas.

  • A previsão para a exportação de grãos e oleaginosas da Ucrânia na campanha 2022/23 é de cerca de 31 milhões de toneladas nas condições limitadas do bloqueio dos portos do Mar Negro, mas com o aumento das rotas e capacidades logísticas atuais (em 2021/2022 MY a exportação de grãos e oleaginosas da Ucrânia atingiu 61,5 mmt). A previsão de exportação em 2022/23 MY pelas principais commodities:
  • trigo – 10 mmt;
  • milho – 10 mm;
  • cevada – 2 mm;
  • óleo de girassol – 6 mmt;
  • O Ministério da Política Agrária e Alimentação da Ucrânia prevê preliminarmente a colheita total bruta de cereais, leguminosas e oleaginosas em cerca de 60-65 mmt em 2022 (que é cerca de 40% menos do que em 2021).

 

 

Logística é a questão-chave para os comerciantes ucranianos exportarem grãos e oleaginosas

  • O objetivo da Ucrânia é continuar suas exportações de acordo com suas obrigações internacionais.
  • Antes da guerra, a Ucrânia exportava 5-6 milhões de toneladas de produtos agrícolas mensalmente; 90% desse volume foram exportados de portos marítimos no Mar Negro e no Mar de Azov.
  • Atualmente, as tradicionais cadeias logísticas foram rompidas. A Ucrânia já ajustou novas rotas logísticas para fornecer grãos ao mercado mundial por caminhões, ferrovia e transporte fluvial.
  • Em abril, usando os recursos de infraestrutura disponíveis, conseguimos exportar cerca de 1,2 mmt de grãos e oleaginosas com volumes crescentes até cerca de 1,8 mmt em maio e em junho a exportação atingiu 2,17 mmt de produtos agrícolas, o que é 20% a mais que em maio (de acordo com a UA Minagro).
  • No entanto, nesse ritmo, levaria anos para exportar o atual estoque de grãos, além de uma nova colheita, a menos que a situação militar no Mar Negro melhorasse rapidamente.
  • A invasão da Rússia também fez com que os custos de transporte disparassem. O preço para entregar a cevada colhida este ano ao porto romeno mais próximo, Constanta, é agora de US$ 160 a US$ 180 por tonelada, de US$ 40 a US$ 45. E, no entanto, um agricultor que vende cevada a um comerciante recebe menos de US$ 100 por tonelada.
  • A maioria dos agricultores está enfrentando riscos de falência. Eles não têm outra opção a não ser vender seus grãos mais baratos do que seu custo.
  • O problema das exportações bloqueadas será agravado pela chegada de uma nova safra, a campanha de colheita de grãos de inverno já começou – 1,1 milhão de toneladas de grãos da nova safra foram debulhados até o momento.
  • As exportações de grãos da Ucrânia foram suspensas devido ao bloqueio dos portos por navios de guerra russos. Atualmente, a Rússia está bloqueando cerca de 40 navios comerciais carregados com commodities agrícolas no Mar Negro (cerca de 1 milhão de toneladas de grãos, milho e oleaginosas).
  • A Ucrânia tem atualmente três terminais portuários de exportação do Danúbio em operação – Izmail (1,5 mmt por ano), Reni (4 mmt por ano) e Kiliya (0,4 mmt por ano). Sua capacidade é muito limitada, em comparação com os portos de Odesa e Mykolaiv.
  • Pelos portos fluviais do Danúbio, conseguimos exportar cerca de 30% dos atuais volumes de exportação.
  • O foco agora é possibilitar um grande aumento nos embarques ferroviários e rodoviários. A Ucrânia trabalha em estreita colaboração com a Comissão Europeia e os Estados-Membros da UE vizinhos para reorganizar as cadeias de abastecimento e estabelecer rotas alternativas para os produtos agrícolas (trigo, milho, soja, colza, cevada, girassol, óleo de girassol, sêmola, bagaço).

A capacidade máxima através dessas rotas pode ser:

  • por transporte rodoviário – 0,2 mmt por mês,
  • ferrovia – 1,5 mmt por mês,
  • transporte marítimo (rios Danúbio, Izmail e Kiliya) – 0,6 mmt por mês.
  • Em 29 de junho de 2022, a Ucrânia e a UE assinaram um acordo sobre transporte rodoviário de mercadorias. Elimina a necessidade de as transportadoras ucranianas obterem autorizações adequadas para tráfego bilateral e de trânsito para países da UE e permite evitar a cessação da exportação de produtos ucranianos através de postos de controlo de veículos motorizados.
  • Os países fronteiriços responderam ao problema das exportações de grãos da Ucrânia para países terceiros e simplificou significativamente os procedimentos de processamento de transporte de carga ou estão trabalhando ativamente para simplificar os procedimentos fitossanitários.
  • A UE apresentou o plano de ação “Solidariedade Lanes” destinado a facilitar as exportações terrestres dos estoques de produtos alimentícios da Ucrânia para abordar iniciativas técnicas e burocráticas para acelerar o transporte de óleos vegetais, milho e trigo. A CE está considerando rotas terrestres alternativas através de países vizinhos, além de remover algumas barreiras comerciais com Kyiv e aumentar o rendimento nos postos de fronteira da UE.
  • Em 13 de junho de 2022, a UE apresentou a plataforma Grain Ways “Grainlane” (App.grain-lane.com), que oferece os primeiros recursos de uma plataforma de comércio de grãos, acelerando o processo de alinhamento de oportunidades entre oferta e demanda. Se o Grainlane for bem-sucedido, mais recursos podem ser adicionados, como requisitos para travessias de fronteira ou um banco de dados de demanda para logística de curto prazo. Além disso, as empresas Transporeon e Railneteurope terminaram de criar uma plataforma/aplicativo eletrônico para refletir o transporte de produtos agrícolas de um local para outro para o pedido do EUC.
  • Devido à agressão armada da federação russa, à ocupação temporária de territórios e ao bloqueio de portos marítimos, até o final de outubro de 2022, a Ucrânia poderá sofrer uma escassez de capacidade de armazenamento de 10-15 mmt. É crucial envolver parceiros para a construção de elevadores de grãos temporários ao longo das fronteiras ocidentais da Ucrânia.
  • A libertação da ilha de Zmiinyi (Serpente) das tropas russas possibilitou a utilização do canal do estuário de Bystre e da via marítima Danúbio-Mar Negro para a entrada e saída de navios que transportam produtos agrícolas dos portos fluviais do Danúbio. Isso também permitiria que os pilotos marítimos ucranianos participassem da navegação pelo canal. Nos últimos quatro dias, 16 navios passaram por esta rota. De acordo com estimativas do Ministério da Infraestrutura, esta rota de navegação adicional pela foz do rio Bystre acabará com o congestionamento de navios perto do canal Sulina em uma semana e permitirá aumentar as exportações mensais de grãos em 500.000 toneladas.

A Rússia está cometendo terrorismo alimentar, destruindo propositalmente nossa infraestrutura agrícola e roubando grãos e máquinas agrícolas ucranianas.

  • Os ataques de mísseis das tropas russas danificaram e destruíram muitas fazendas, estoques de alimentos e sementes, silos, armazéns, depósitos de petróleo, máquinas e equipamentos agrícolas.
  • Há relatos confiáveis ​​de saques de grãos ucranianos por militares russos dos territórios temporariamente ocupados nas regiões de Luhansk, Donetsk, Kherson e Zaporizhzhia. Muitos outros testemunhos e evidências confirmam que os ocupantes russos já apreenderam cerca de 500.000 toneladas de grãos, o que é quase um terço dos estoques deixados para semeadura e necessidades de consumo doméstico.
  • De acordo com imagens de satélite, navios de bandeira russa estão transportando grãos colhidos na Ucrânia e transportando-os do porto da Crimeia de Sebastopol, controlado pela Rússia, e do porto de Berdyansk (região de Zaporizhzhya), principalmente para a Síria, Turquia ou Líbano.
  • Até agora, 41 graneleiros sob bandeiras russa e síria foram identificados para transportar os grãos ucranianos saqueados. Na maioria dos casos, esses navios desligam seus transponders de Sistemas de Identificação Automática (AIS) para ocultar o fato de carregar nos portos ocupados da Crimeia.
  • O Ministério das Relações Exteriores da Ucrânia já havia alertado os países consumidores que as remessas de grãos vendidas pela Rússia podem conter grãos roubados parcial ou totalmente apreendidos como resultado de saques por tropas russas. Numerosos testemunhos de agricultores ucranianos e evidências documentadas servem como prova da pilhagem de grãos ucranianos pela Rússia.
  • O Kremlin está usando a fome como tática para obliterar a identidade ucraniana quase 90 anos após o Holodomor. Exigimos que a Rússia acabe com o roubo de grãos, abra os portos ucranianos, restaure a liberdade de navegação e permita que navios comerciais naveguem para evitar uma calamidade humanitária e uma crise alimentar global.
  • A exportação ilegal de grãos ucranianos é outro exemplo dos atos destrutivos da Rússia, que, em particular, contrariam os princípios fundamentais da Organização das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação (FAO) – alcançar a segurança alimentar para todos e superar a fome. A política do Estado agressor coloca em dúvida a relevância de sua participação na FAO e em outras organizações internacionais.
  • a rússia pode tentar tornar a situação ainda mais vantajosa quando se trata de alimentos. Não apenas Moscou poderia roubar a participação da Ucrânia no mercado global de commodities como milho e trigo, mas também tentará branquear sua imagem de fornecedor de caridade para os países pobres, assim como bloqueia os suprimentos da própria Ucrânia.
  • O ministro das Relações Exteriores da Ucrânia, Dmytro Kuleba, exortou a comunidade internacional a rejeitar a “chantagem alimentar” do Kremlin, ou seja, o apelo russo para suspender ou reduzir a pressão de redução de sanções contra a Rússia em troca da abertura de rotas comerciais através do Mar Negro.
  • O Ministério das Relações Exteriores da Rússia manipulou a publicação da Organização das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação (FAO) para negar a contribuição da Rússia para a crise alimentar mundial. O porta-voz do Ministério das Relações Exteriores da Ucrânia Oleg Nikolenko comenta – https://bit.ly/3QKBPEr. Publicação da FAO em inglês – https://bit.ly/3ykj43l e árabe – https://bit.ly/3bhc7aa.
  • Além dos danos diretos às terras – a ocupação, as ações militares e a poluição da mineração limitam o acesso dos agricultores aos campos e as oportunidades de coletar a colheita. Isso resultará em colheitas de inverno não colhidas em muitas das áreas afetadas pela guerra. Aproximadamente 2,4 milhões de hectares de culturas de inverno podem não ser colhidos, resultando em danos de US$ 1,435 bilhão.
  • De acordo com uma previsão conjunta da OCDE e da organização agrícola e alimentar da ONU, a produção agrícola global aumentará 1,1% ao ano e o consumo de alimentos aumentará 1,4% nos próximos dez anos. Portanto, os especialistas acreditam que não será possível acabar com a fome até 2030 (essa meta agora é definida pela ONU). Para isso, o desempenho do complexo agroindustrial mundial deve crescer 28% em dez anos, três vezes mais do que o indicador 2010-2020.

O que pode ser feito?

  • Qualquer tentativa de desviar nossa atenção para as questões que são implicações das violações contínuas da Rússia, qualquer tentativa de igualá-las à causa raiz só ajudaria Moscou a usar ainda mais as exportações de alimentos como arma. A Ucrânia, por sua vez, faz o possível para garantir o máximo possível o potencial exportador do país para garantir que aqueles que dependem de nossa exportação não passem fome.
  • Exortamos a comunidade internacional a condenar as acções da Rússia, a exigir a retirada das suas tropas da Ucrânia e o fim dos bloqueios aos portos ucranianos, a reforçar as sanções económicas a fim de pôr termo à agressão armada contra a Ucrânia e evitar novas catástrofes humanitárias e o agravamento da fome mundial.
  • Discutimos com nossos parceiros as formas de estabelecer uma missão internacional – corredor humanitário – sob os auspícios das Nações Unidas, que assumirá o funcionamento das rotas marítimas de exportação de produtos agrícolas ucranianos.
  • Em 13 de julho de 2022, ocorreu em Istambul a primeira rodada de negociações entre a Ucrânia, a Turquia, a federação russa e a ONU sobre o funcionamento dos corredores marítimos para a exportação de grãos ucranianos.
  • A delegação ucraniana observou alguns progressos nessas negociações. Agradecemos uma contribuição significativa da ONU e da Turquia para essas negociações. Nos próximos dias, o presidente da Ucrânia discutirá os detalhes com o secretário-geral da ONU.
  • Assumimos que o desbloqueio dos portos ucranianos é um dos principais componentes da segurança alimentar global. A Ucrânia está fazendo esforços significativos para restabelecer o fornecimento de alimentos ao mercado mundial. Deve ser feito o mais rápido possível.
  • No entanto, a segurança continua a ser a questão-chave para a Ucrânia. Não podemos descartar os planos da Rússia de usar esse corredor humanitário para atacar Odesa e o sul da Ucrânia.
  • É por isso que são necessárias garantias de segurança eficazes para restaurar a navegação. Essas garantias devem ser fornecidas fornecendo à Ucrânia armas apropriadas para proteger o litoral das ameaças do mar. A forte posição das nossas forças armadas na região do Mar Negro permitirá restabelecer a segurança da navegação e garantir a segurança nacional e regional. Esta é uma prioridade para a Ucrânia.
  • Em relação à questão atual do saque de grãos na Ucrânia, enfatizamos que o lado ucraniano levanta essa questão constantemente nas instituições internacionais e durante as discussões bilaterais e multilaterais com parceiros estrangeiros em todos os níveis.
  • Alertamos os países consumidores para não comprarem grãos ucranianos roubados. As remessas exportadas pela Rússia podem conter grãos roubados obtidos como resultado da pilhagem das autoridades de ocupação russas. Monitoraremos todos os embarques ilegais de grãos exportados da Ucrânia. Qualquer país que compre conscientemente grãos roubados é considerado cúmplice do crime.
  • Os aumentos dos preços dos alimentos estão tendo efeitos devastadores sobre os mais pobres e vulneráveis. Para informar e estabilizar os mercados, é fundamental que os países façam declarações claras agora sobre futuros aumentos de produção em resposta à invasão da Ucrânia pela Rússia. Os países devem fazer esforços conjuntos para aumentar a oferta de energia e fertilizantes, ajudar os agricultores a aumentar as plantações e o rendimento das colheitas e remover políticas que bloqueiam exportações e importações, desviam alimentos para biocombustíveis ou incentivam o armazenamento desnecessário.

*Romana Dovganyuk é empresária ucraniana e presidente da Câmara de Comercio Brasil/Irã

ÚLTIMAS NOTÍCIAS