25.5 C
Brasília
terça-feira, 11 junho, 2024

Sem trégua para a França à medida que uma “Nova África” se ergue

Pepe Escobar [*]

Ao juntar dois novos Estados-membros africanos à sua lista, a cimeira do final de agosto em Joanesburgo anunciando a expansão do BRICS 11 mostrou mais uma vez que a integração euroasiática está inextricavelmente ligada à integração da Afro-Eurásia.

A Bielorrússia agora propõe a realização de uma cimeira conjunta entre o BRICS 11, a Organização de Cooperação de Xangai (OCX) e a União Económica da Eurásia (UEE). A visão do Presidente Aleksandr Lukashenko para a convergência destas organizações multilaterais poderá, em devido tempo, conduzir às cimeiras da multipolaridade mãe de todos.

Mas a Afro-Eurásia é uma proposta muito mais complicada. A África ainda está muito atrás dos seus primos euroasiáticos no caminho para romper as amarras do neocolonialismo.

O continente enfrenta hoje terríveis adversidades na sua luta contra as instituições financeiras e políticas profundamente arraigadas da colonização, especialmente quando se trata de esmagar a hegemonia monetária francesa na forma do Franco CFA – ou Communauté Financière Africaine (Comunidade Financeira Africana).

Ainda assim, um dominó está a cair atrás do outro – Chade, Guiné, Mali, Burkina Faso, Níger e agora Gabão. Esse processo já transformou o presidente do Burkina Faso, o capitão Ibrahim Traoré, num novo herói do mundo multipolar – com um Ocidente coletivo atordoado e confuso não consegue sequer começar a compreender o golpe representado pelos seus oito golpes na África Ocidental e Central em menos de três anos.

Adeus Bongo

Os militares decidiram tomar o poder no Gabão depois de o presidente hiper-pró-França, Ali Bongo, ter vencido uma eleição duvidosa que “carecia de credibilidade”.i As instituições foram dissolvidas. As fronteiras com os Camarões, Guiné Equatoral e República do Congo foram fechadas. Todos os acordos de segurança com a França foram anulados. Ninguém sabe o que vai acontecer com a base militar francesa. Tudo isso foi tão popular quanto parece: os soldados saíram às ruas da capital Libreville cantando alegremente, aplaudidos por espetadores.

Bongo e o seu pai, que o precedeu, governam o Gabão desde 1967. Ele foi educado numa escola particular francesa e formou-se na Sorbonne. O Gabão é uma pequena nação de 2,4 milhões de habitantes com um pequeno exército de 5.000 pessoas que poderia caber no terraço de Donald Trump. Mais de 30% da população vive com menos de US$ 1 por dia, e mais de 60% das regiões não tem acesso a saúde e água potável.

Os militares qualificaram os 14 anos de governo de Bongo como levando a uma “deterioração da coesão social” que estava a mergulhar o país “no caos”.

Na ocasião, a mineradora francesa Eramet suspendeu as suas operações após o golpe. Isto é um quase monopólio. O Gabão tem tudo a ver com a riqueza mineral abundante – em ouro, diamantes, manganês, urânio, nióbio, minério de ferro, para não mencionar petróleo, gás natural e energia hidroelétrica. No Gabão, membro da OPEP, praticamente toda a economia gira em torno da mineração.

O caso do Níger é ainda mais complexo. A França explora urânio e petróleo de alta pureza, bem como outros tipos de riquezas minerais. E os americanos estão no local, comandando três bases no Níger com perto de 4 000 militares. O principal nó estratégico no seu “Império de Bases” é a instalação de drones em Agadez, conhecida como Base Aérea 201 do Níger, a segunda maior da África depois do Djibouti.

Interesses franceses e americanos chocam-se, porém, quando se trata da saga sobre o gasoduto Transsahara. Depois de Washington ter rompido o cordão de aço umbilical entre a Rússia e a Europa ao bombardear o Nord Stream, a UE, e especialmente a Alemanha, precisavam muito de uma alternativa.

O abastecimento de gás argelino mal pode cobrir o sul da Europa. O gás americano é terrivelmente caro. A solução ideal para os europeus seria o gás nigeriano atravessar o Sahara e, em seguida, o Mediterrâneo profundo.

A Nigéria, com 5,7 mil milhões de metros cúbicos, tem ainda mais gás do que a Argélia e, possivelmente, a Venezuela. Em comparação, a Noruega tem 2 mil milhões de metros cúbicos. Mas o problema da Nigéria é como bombear o seu gás para clientes distantes – assim, o Níger torna-se um país de trânsito essencial.

Quando se trata do papel do Níger, a energia é, na verdade, um jogo muito maior do que o urânio frequentemente apregoado – o que, na verdade, não é tão estratégico nem para a França nem para a UE, porque o Níger é apenas o 5º maior fornecedor mundial, muito atrás do Cazaquistão e do Canadá.

Ainda assim, o pesadelo final francês é perder os apetitosos acordos de urânio mais um remix do Mali: a Rússia, pós-Prighozin, chega ao Níger com força total e expulse simultaneamente os militares franceses.

Juntar o Gabão só torna as coisas mais complicadas. O aumento da influência russa pode levar ao aumento das linhas de abastecimento aos rebeldes nos Camarões e na Nigéria e ao acesso privilegiado à República Centro-Africana, onde a presença russa já é forte.

Não é à toa que o francófilo Paul Biya, no poder há 41 anos nos Camarões, tenha optado por um expurgo das suas Forças Armadas após o golpe no Gabão. Os Camarões podem ser o próximo dominó a cair.

Os americanos, no estado em que se encontram, estão a desempenhar o papel de esfinge. Não há evidências, até agora, de que os militares do Níger queiram que a base de Agadez seja fechada. O Pentágono investiu uma fortuna nas suas bases para espiar grande parte do Sahel e, acima de tudo, a Líbia.

A única coisa em que Paris e Washington concordam é que, a coberto da CEDEAO (Comunidade Económica dos Estados da África Ocidental), devem ser aplicadas as sanções mais duras possíveis a uma das nações mais pobres do mundo (onde apenas 21% da população tem acesso à eletricidade) – e devem ser muito piores do que as impostas à Costa do Marfim em 2010.

Depois, há a ameaça de guerra. Imagine-se o absurdo de a CEDEAO invadir um país que já trava duas guerras contra o terror em duas frentes distintas: contra o Boko Haram, no Sudeste, e contra o Estado Islâmico, na região da Tríplice Fronteira.

A CEDEAO, uma das 8 uniões políticas e econômicas africanas, é uma proverbial confusão. Reúne 15 países-membros – francófonos, anglófonos e um lusófono – na África Central e Ocidental, e está repleta de divisões internas.

Os franceses e os americanos queriam primeiro que a CEDEAO invadisse o Níger fazendo dela o seu fantoche de “manutenção da paz”. Mas isso não funcionou por causa da pressão popular contra ele. Então, eles mudaram para uma espécie de diplomacia. Ainda assim, as tropas permanecem de prontidão, e foi definido para a invasão um misterioso “Dia D”.

O papel da União Africana (UA) é ainda mais obscuro. Inicialmente, eles posicionaram-se contra o golpe e suspenderam a adesão do Níger. Depois, alteraram a sua posição e condenaram a possível invasão apoiada pelo Ocidente. Os vizinhos fecharam as suas fronteiras com o Níger.

A CEDEAO vai implodir sem o apoio dos EUA, da França e da NATO. Já é essencialmente um cãozinho desdentado – especialmente depois de a Rússia e a China terem demonstrado por meio da cimeira dos BRICS o seu soft power em toda a África.

A política ocidental no turbilhão do Sahel parece consistir em salvar tudo o que puder de um possível desastre absoluto – mesmo quando o estoico povo do Níger é impermeável a qualquer narrativa que o Ocidente esteja a tentar construir.

É importante ter em mente que o principal partido do Níger, o “Movimento Nacional para a Defesa da Pátria”, representado pelo general Abdourahamane Tchiani, foi apoiado pelo Pentágono – com treino militar – desde o início.

O Pentágono está profundamente implantado na África e ligado a 53 nações. O principal conceito dos EUA desde o início dos anos 2000 sempre foi militarizar a África e transformá-la em alimento de Guerra ao Terror, como o regime de Dick Cheney o transformou em 2002: “África é uma prioridade estratégica na luta contra o terrorismo”.

Essa é a base para o AFRICOM, o comando militar dos EUA e inúmeras “parcerias de cooperação” estabelecidas em acordos bilaterais. Para todos os efeitos práticos, o AFRICOM tem ocupado grandes áreas da África desde 2007.

Como é doce o meu franco colonial

É absolutamente impossível para qualquer pessoa no Sul Global, na Maioria Global ou no “Globo Global” (citação de Lukashenko) entender a atual turbulência da África sem entender os fatos básicos do neocolonialismo francês.

Franco CFA.

A chave, é claro, é o franco CFA, o “franco colonial” introduzido em 1945 na África francesa, que ainda sobrevive mesmo depois de o CFA – com uma reviravolta terminológica simpática – ter começado a significar “Comunidade Financeira Africana”.

Franco CFA.

O mundo inteiro lembra-se de que, após a crise financeira global de 2008, o líder da Líbia, Muammar Kadafi, pediu o estabelecimento de uma moeda pan-africana indexada ao ouro.

Na época, a Líbia tinha cerca de 150 toneladas de ouro, mantidas em casa, e não em bancos de Londres, Paris ou Nova York. Com um pouco mais de ouro, essa moeda pan-africana teria o seu próprio centro financeiro independente em Trípoli – e tudo baseado numa reserva soberana de ouro.

Para dezenas de nações africanas, esse era o plano B definitivo para contornar o sistema financeiro ocidental.

O mundo inteiro também se lembra do que aconteceu em 2011. O primeiro ataque aéreo à Líbia veio de um caça francês Mirage. A campanha de bombardeios da França começou antes mesmo do fim das negociações de emergência em Paris entre líderes ocidentais.

Em março de 2011, a França tornou-se o primeiro país do mundo a reconhecer o Conselho Nacional de Transição rebelde como o governo legítimo da Líbia. Em 2015, os e-mails notoriamente pirateados da ex-secretária de Estado dos EUA, Hillary Clinton, revelaram o que a França estava a fazer na Líbia: “O desejo de alcançar uma maior participação na produção de petróleo Líbia”, aumentar a influência francesa no norte da África e bloquear os planos de Kadafi de criar uma moeda pan-africana que substituiria o franco CFA impresso na França.

Não é à toa que o Ocidente coletivo está apavorado com a Rússia na África – e não apenas por causa da troca da guarda no Chade, Mali, Burkina Faso, Níger e agora no Gabão: Moscovo nunca procurou roubar ou escravizar a África.

A Rússia trata os africanos como povos soberanos, não se envolve em Guerras para Sempre e não drena recursos da África pagando uma ninharia por eles. Enquanto isso, a inteligência francesa e a “política externa” da CIA traduzem-se em corromper os líderes africanos até o âmago e eliminar aqueles que são incorruptíveis.

Vocês não têm direito a nenhuma política monetária

As extorsões da CFA fazem a máfia parecer punks de rua. Significa essencialmente que a política monetária de várias nações soberanas africanas é controlada pelo Tesouro francês em Paris. O Banco Central de cada nação africana foi inicialmente obrigado a manter pelo menos 65% das suas reservas cambiais anuais numa “conta de operação” mantida no Tesouro francês, além de outros 20% para cobrir “passivos” financeiros.

Mesmo depois de algumas “reformas” leves terem sido promulgadas desde setembro de 2005, essas nações ainda eram obrigadas a transferir 50% das suas divisas para Paris, mais 20% de Taxa de Valor Acrescentado.

E ainda há pior. Os Bancos Centrais da CFA impõem um limite ao crédito a cada país membro. O Tesouro francês investe essas reservas internacionais africanas em seu próprio nome na bolsa de Paris e obtém lucros maciços com os centavos da África.

O fato é que mais de 80% das reservas internacionais das nações africanas estão em “contas de operação” controladas pelo Tesouro francês desde 1961. Em poucas palavras, nenhum desses Estados tem soberania sobre a sua política monetária.

Mas o roubo não para por aí: o Tesouro francês usa reservas africanas como se fossem capital francês, como garantia na penhora de ativos para pagamentos franceses à UE e ao BCE.

Em todo o espectro “FranceAfrique”, a França ainda hoje controla a moeda, as reservas internacionais, as elites especuladoras e os negócios comerciais.

Os exemplos são abundantes: o controle do conglomerado francês Bolloré sobre o transporte portuário e marítimo em toda a África Ocidental; Bouygues/Vinci dominam a construção e obras públicas, água e distribuição de eletricidade; a Total tem grandes participações em petróleo e gás. E depois há a France Telecom e a grande banca – Société Générale, Crédit Lyonnais, BNP-Paribas, AXA (seguros), e assim por diante.

A França controla de facto a esmagadora maioria das infraestruturas na África francófona. É um monopólio virtual.

“FranceAfrique” tem tudo a ver com o neocolonialismo mais refinado. As políticas são emitidas pelo Presidente da República de França e pela sua “célula africana”. Não têm nada a ver com o parlamento, ou qualquer processo democrático, desde os tempos de Charles De Gaulle.

A “célula africana” é uma espécie de Comando Geral. Eles usam o aparelho militar francês para instalar líderes “amigáveis” e livrar-se daqueles que ameaçam o sistema. Não há diplomacia envolvida. Atualmente, a célula presta contas exclusivamente a Le Petit Roi [o Reizinho], Emmanuel Macron.

Caravanas de drogas, diamantes e ouro

Paris supervisionou completamente o assassinato do líder anticolonial de Burkina Faso, Thomas Sankara, em 1987. Sankara tinha subido ao poder por meio de um golpe popular em 1983, mas foi derrubado e assassinado quatro anos depois.

Quanto à verdadeira “guerra ao terror” no Sahel africano, nada tem a ver com as ficções infantis vendidas no Ocidente. Não há “terroristas” árabes no Sahel, como vi quando fui de mochila às costas pela África Ocidental alguns meses antes do 9/11. São locais que se converteram ao salafismo online, com a intenção de criar um Estado Islâmico para controlar melhor as rotas de contrabando através do Sahel.

Essas lendárias antigas caravanas de sal que atravessam o Sahel do Mali ao sul da Europa e Ásia Ocidental são agora caravanas de drogas, diamantes e ouro. Foi isso que financiou a Al-Qaeda no Magrebe Islâmico (AQMI), por exemplo, então apoiada por lunáticos wahabitas na Arábia Saudita e no Golfo.

Depois de a Líbia ter sido destruída pela NATO no início de 2011, já não havia “proteção”. Então os jihadistas salafistas apoiados pelo Ocidente que lutaram contra Kadafi ofereceram aos contrabandistas do Sahel a mesma proteção de antes – além de muitas armas.

Tribos malianas variadas continuam o contrabando alegre de qualquer coisa que eles possam imaginar. A AQIM [Al-Qaeda no Magreb] ainda extrai impostos ilegais. O EI [Estado Islâmico] na Líbia está mergulhado no tráfico de pessoas e narcóticos. E o Boko Haram chafurda no mercado de cocaína e heroína.

Há um certo grau de cooperação africana para combater esses grupos. Havia algo chamado G5 Sahel, focado na segurança e desenvolvimento. Mas depois do Burkina Faso, Níger, Mali e Chade terem seguido a via militar, resta apenas a Mauritânia. O novo Cinturão da Junta Militar da África Ocidental, é claro, quer destruir grupos terroristas, mas, acima de tudo, quer lutar contra a França, e o facto de os seus interesses nacionais serem sempre decididos em Paris.

A França há, décadas, garante que há muito pouco comércio intra-africano. Nações sem litoral precisam muito de vizinhos para o trânsito comercial. Eles produzem principalmente matérias-primas para exportação. Praticamente não há instalações de armazenamento decentes, o fornecimento de energia é fraco e as infraestruturas de transporte intra-africana são terríveis: é isso que os projetos da Iniciativa Cinturão e Rota da China (BRI) estão empenhados em abordar na África.

Em março de 2018, 44 chefes de Estado criaram a Zona de Livre Comércio Continental Africana (ACFTA) – a maior do mundo em termos de população (1,3 mil milhões de pessoas) e em geografia. Em janeiro de 2022, eles estabeleceram o Sistema Pan-Africano de Pagamento e Liquidação (PAPSS) – focado em pagamentos a empresas na África em moedas locais.

Assim, inevitavelmente, irão para uma moeda comum mais à frente. Adivinhem o que lhes está a cortar o caminho: o CFA imposto por Paris.

Algumas medidas cosméticas ainda garantem o controle direto do Tesouro francês sobre qualquer possível nova moeda africana criada, preferência por empresas francesas em processos de leilões, monopólios e o estacionamento de tropas francesas. O golpe no Níger representa uma espécie de “não vamos aguentar mais isto”.

Tudo isto ilustra o que o indispensável economista Michael Hudson vem detalhando em todas as suas obras: o poder do modelo extrativista. Hudson mostrou como o objetivo final é o controle dos recursos do mundo, é isso que define uma potência global e, no caso da França, uma potência global de nível médio.

A França mostrou como é fácil controlar os recursos através do controle da política monetária e da criação de monopólios nessas nações ricas em recursos para extrair e exportar, usando trabalho potencialmente escravo com zero regulamentações ambientais ou sanitárias.

Também é essencial para o neocolonialismo explorador impedir que essas nações ricas em recursos usem os seus próprios recursos para fazer crescer as suas próprias economias. Mas agora os dominós africanos estão finalmente a dizer: “O jogo acabou”. A verdadeira descolonização estará finalmente no horizonte?

Setembro/2023

Ver também:

Resistindo ao AFRICOM e para além disso

[*] Analista geopolítico.

O original encontra-se em new.thecradle.co/articles/no-respite-for-france-as-a-new-africa-rises e a tradução em pelosocialismo.blogs.sapo.pt/sem-tregua-para-a-franca-a-medida-que-269315

Este artigo encontra-se em resistir.info

ÚLTIMAS NOTÍCIAS