15.5 C
Brasília
terça-feira, 11 junho, 2024

Segurança Nacional Egípcia: Violações Graves.

Fonte da imagem: Reuters

Heba Ayyad*

No início, gostaria de salientar que criticar os governos árabes não significa criticar o povo, e aqueles que desejam confundir o governante com o povo e considerar a crítica ao governante como dirigida ao povo, é inaceitável e lembra um ditado que já terminou há muito tempo: ‘Eu sou o Estado e o Estado sou eu’.

O genocídio em Gaza revelou a fragilidade do sistema árabe em geral, e o papel do Estado funcional que lhe foi atribuído, do qual apenas se desvia em declarações e passos teatrais, com poucas exceções. Os regimes árabes não conseguiram trazer uma garrafa de água para a sitiada, faminta e devastadora Faixa de Gaza, embora continuassem as suas relações com a entidade. Não retiraram embaixadores, não fecharam representações e não interromperam a cooperação desses países com a entidade sionista em várias formas que não queremos enumerar agora.

Mas quero concentrar-me no Egito, o país mais importante com peso histórico, cultural, nacional e religioso, e nas principais violações a que a sua segurança nacional foi sujeita na última década, que levaram o Egito e o seu papel a serem empurrados para a base da escala em comparação com os países da região de grande e média dimensão, que desempenharam e continuam a desempenhar papéis cruciais e negativos, especificamente a Arábia Saudita, o Irã, a Turquia, Israel e a Etiópia. Gostaria de acrescentar que existe um país do Golfo que desempenha um papel perigoso e fundamental que é muito maior do que o seu tamanho e que tem uma relação direta com todas as divisões e penetrações sionistas na região árabe, especialmente as violações da sua segurança nacional que aconteceram com o Egito.

Na última década, foi exposto a uma série de revezes e violações que enfraqueceram sua posição, marginalizaram seu papel e diminuíram sua influência, especialmente na guerra de genocídio contra Gaza. Chegar a essa situação trágica não condiz com o Egito, sua história, sua civilização, seus criadores ou seus grandes líderes, que escreveram com seu sangue os capítulos mais maravilhosos e elevaram o nome do Egito e dos árabes. Aqui estão os mais importantes desses retrocessos:

Primeiro: As ilhas de Tiran e Sanafir, de águas territoriais a águas internacionais

Em 8 de abril de 2016, o rei saudita Salman fez uma visita oficial ao Egito, na qual foi acordado devolver as duas ilhas à propriedade saudita em troca de 15 bilhões de dólares. Pareceu a muitos que o processo era um acordo de compra e venda que não tinha nada a ver com a devolução das terras aos seus proprietários originais. Caso contrário, o usuário das terras é quem deve pagar ao proprietário original pelo uso a longo prazo. Manifestações ocorreram no Cairo e mais de um ativista e advogado entraram com uma ação judicial contra o Estado para anular este acordo. O advogado Khaled Ali ganhou a ação perante o Tribunal Administrativo, que decidiu pela invalidade do acordo de devolução das duas ilhas. Contudo, o governo voltou e decidiu invalidar a decisão do Tribunal Judicial Administrativo, através do Tribunal de Urgências, em outubro de 2016, por ter sido considerada uma interferência nos assuntos do poder executivo. Em 1º de julho de 2017, a propriedade das ilhas de Tiran e Sanafir, na entrada do Golfo de Aqaba, foi transferida do Egito para a Arábia Saudita, e assim as águas do Golfo de Aqaba tornaram-se águas internacionais divididas entre dois países. A entrada do estreito acabou sendo descrita como águas territoriais pertencentes ao Egito, que decide quem entra ou sai dele, concordando ou não. Ele concorda em permitir a passagem de quaisquer navios comerciais e navios enormes que desejar, e a hidrovia torna-se internacional, com um conjunto de novas leis que se aplicam a elas, sem controle nem da Arábia Saudita nem do Egito. O Estreito de Tiran, que causou a guerra de 1967, quando o Egito decidiu fechá-lo à navegação israelita, está mudando sua propriedade para a Arábia Saudita, como um prelúdio para facilitar a normalização que estava sendo organizada nos bastidores na época, e os detalhes ainda estão em pesquisa e divulgação. É apenas uma questão de tempo.

Segundo – A Barragem da Renascença Etíope… Segurança hídrica

Quanto à Barragem da Renascença Etíope, o Egito causou um grande alvoroço devido à insistência da Etiópia em encher a barragem na sua primeira fase em julho de 2020, apesar da objeção do Egito e do Sudão, e apesar do juramento que Abiy Ahmed fez perante o Presidente Sisi em junho de 2018 de não prejudicar o Egito. O Egito apelou à União Africana, aos Estados Unidos e ao Conselho de Segurança das Nações Unidas para intervirem e interromperem o enchimento da barragem, considerando-a uma ameaça à segurança nacional egípcia, mas todos os esforços falharam. Concluíram-se todas as etapas do enchimento da barragem, sem alarde nem comemorações, e o regime manteve-se em silêncio sobre o assunto, que já não é um tema em cima da mesa, nem na União Africana, nem no Conselho de Segurança da ONU, nem entre os três países. O Grupo Árabe apresentou um projeto de resolução fraco, que poderia ganhar o apoio da maioria dos membros do Conselho de Segurança, “exortando a Etiópia a abster-se de continuar a encher unilateralmente o reservatório da Barragem da Renascença”. No entanto, o Conselho não aceitou a ideia de emitir uma resolução. Em vez disso, em setembro de 2021, adotou por unanimidade uma declaração presidencial apelando ao reinício das negociações sob a égide da União Africana e encerrou a cortina sobre a questão da barragem a nível internacional, em África e localmente, e a ameaça que representa para a segurança nacional egípcia.

Terceiro: A guerra civil no Sudão

O Egito poderia ter evitado a secessão do Sudão do Sul do Sudão, se tivesse agido com firmeza e determinação durante os dias do Presidente Mubarak. No entanto, a retirada egípcia facilitou o processo de separação, afetando a dimensão estratégica do Estado do Egito na sua profundidade africana, especialmente no Sudão, que fazia parte do Egito. Quando a revolução do povo sudanês começou em 19 de dezembro de 2018 contra o major-general Omar al-Bashir, procurado pelo Tribunal Penal Internacional, o Egito apoiou as forças armadas e suas posições, seja derrubando al-Bashir ou golpeando contra a população civil, parte da liderança de transição, representada por Abdullah Hamdok. Houve cooperação entre as Forças Armadas Egípcias e as Forças Armadas Sudanesas em todos os domínios, especialmente no treinamento, armamento e cooperação militar. No entanto, o Egito não foi capaz de influenciar os acontecimentos, e este papel foi preenchido pelos Emirados Árabes Unidos, que empurraram para a atual divisão, guerra civil, fome e deslocamento forçado. Em abril passado, a guerra civil no Sudão entrou no seu segundo ano entre as forças militares lideradas por Abdel Fattah al-Burhan e as Forças de Apoio Rápido lideradas por Muhammad Hamdan Dagalo, conhecido como “Hemedti”, sem que o Egito desempenhasse qualquer papel real. As forças egípcias no Sudão retiraram-se e a mediação passou para a Arábia Saudita, enquanto o apoio às partes em conflito é partilhado pela Rússia e pelos EAU, e o Egito permanece fora do jogo numa região vital para a sua segurança nacional, mesmo que exija uma conferência de diálogo da qual nada resulta.

Quarta: A guerra de aniquilação contra Gaza e a violação do acordo de paz

O que aconteceu e está acontecendo em Gaza, a porta de entrada do Egito para o Levante e a Ásia, provou a ausência do papel estratégico do Egito. A fragilidade desse papel ficou ainda mais exposta depois que a entidade sionista fechou a passagem de Rafah e assumiu o controle do eixo Filadélfia, o que constitui uma violação flagrante dos Acordos de Camp David. Até o soldado egípcio Abdullah Ramadan Ashry, que foi martirizado pelas balas israelitas, teve seu martírio encoberto; seu nome não foi mencionado e não lhe foi dado um funeral militar. Que humilhação é maior do que esta? Estranhamente, a Cúpula Árabe-Islâmica realizada em Riad em 11 de novembro de 2023 apelou em sua declaração final para quebrar o cerco. Antes que a tinta da declaração final secasse, o ministro das Relações Exteriores, Sameh Shukri, anunciou que a introdução da ajuda só poderia ser feita em coordenação com a entidade. É também estranho que algumas empresas egípcias, apoiadas pelas forças armadas, explorem as condições trágicas na passagem de Rafah (antes de ter sido fechada unilateralmente) para obter ganhos financeiros. Como pode o grande Egito e a “Mãe do Mundo” ser indulgente em questões de sua segurança estratégica e permitir que muitos países da região o ataquem e diminuam seu papel? Isto é o que não aceitamos com base em nossa consciência nacional, que se formou ao longo do tempo graças ao que aprendemos nas mãos dos líderes do pensamento, da política, da cultura e da arte em “Al-Mahrousa”.

*Heba Ayyad

Jornalista internacional

Escritora Palestina Brasileira

 

ÚLTIMAS NOTÍCIAS