13.5 C
Brasília
sábado, 15 junho, 2024

Segurança é destaque em planos de candidatos à presidência do Equador

Quito, 21 de junho (Prensa Latina) Vários planos de governo dos candidatos à presidência do Equador têm em comum a questão da segurança, que é hoje a principal preocupação dos cidadãos diante da onda de violência.

Os representantes da Revolução Cidadã, Luisa González e Andrés Arauz, propõem um plano de trabalho centrado na segurança, igualdade, ecologia e combate à corrupção.

Queremos recuperar a paz cidadã e o papel do Estado -expurgado- na segurança, aponta o documento apresentado ao Conselho Nacional Eleitoral (CNE), que validou esta terça-feira a candidatura do casal do movimento correísta.

O ex-deputado Fernando Villavicencio e a ativista ambiental Andrea González pretendem chegar ao Executivo com o apoio da organização Construye e destacam que trabalharão pela segurança por seu impacto na economia, meio ambiente, saúde, democracia e justiça.

Por seu lado, o empresário Xavier Hervas, cuja candidatura foi contestada pela RC e ainda está suspensa, apresentou um projecto denominado Plano SOS Gestão, que vai incidir sobre três vertentes: segurança, obras e saúde.

Um dos que mais tem dado ênfase à questão da segurança é Jan Topic, um empresário que se declara admirador do líder salvadorenho Nayib Bukele e pretende vencer a guerra contra o crime com sua aliança chamada ‘Por um país sem medo’ .

Da mesma forma, o ex-legislador Daniel Noboa tem a segurança cidadã como tema central de suas aspirações presidenciais, embora afirme que também atuará no campo da saúde, economia, turismo, agricultura e pesca e empreendedorismo.

O projeto de governo do advogado Bolívar Armijos, que pretende ocupar a presidência com o apoio do movimento Amigo, chama-se Equador Seguro e tem como prioridades: segurança, saúde pública, educação, agricultura, economia popular e solidária e financiamento.

Com propostas semelhantes, apresenta-se o ex-vice-presidente Otto Sonnenholzner, que quer chegar ao poder com um plano de governo voltado para democracia e instituições, proteção de minorias e grupos vulneráveis, combate à corrupção, entre outros princípios gerais.

Por fim, Yaku Pérez, que se candidatou à presidência em 2021 e ficou em terceiro lugar nessa liderança eleitoral, propõe agora um “Minka (trabalho comunitário) pela água, pela vida e pelo povo”.

De uma forma ou de outra, os que concorreram à chefia do Executivo equatoriano focam suas propostas na segurança porque sabem que é uma preocupação da população em meio à crise existente no país, com assassinatos, roubos, sequestros, extorsões , e outros crimes.

Esses planos estão em sintonia com o que, segundo o pesquisador Comunicaliza, são prioridades para os cidadãos: resolver a insegurança, a corrupção política e gerar empregos.

O Equador vai às urnas em 20 de agosto para eleger presidente, vice-presidente e 137 legisladores depois que o atual presidente Guillermo Lasso decretou a cruz da morte e dissolveu a Assembleia Nacional (Parlamento).

ÚLTIMAS NOTÍCIAS