23.5 C
Brasília
quarta-feira, 22 maio, 2024

Sanções de energia contra Rússia foram uma bênção para a China e a Índia

Getty  Images

Quando o Reino Unido e os EUA proibiram as importações de petróleo russo e a União Europeia aprovou

sanções que dificultaram muito o comércio de petróleo russo, reportagens da mídia destacaram o argumento de que a Rússia não poderia substituir a Europa pela Ásia como seu maior cliente de petróleo.

O que não foi tão amplamente divulgado foi a dependência da China e da Índia em relação ao petróleo importado, qualquer petróleo importado compatível com suas configurações de refino e a importância dos preços para ambos, devido ao tamanho e à dependência das importações. E ambos os países certamente tiraram vantagem das sanções ocidentais.

O petróleo russo está sendo negociado com desconto em relação aos benchmarks globais desde março. Este desconto foi uma benção para os compradores na China e na Índia. O Wall Street Journal informou recentemente, por exemplo, que a chinesa Sinopec divulgou fortes números financeiros em seu primeiro trimestre, pelo menos em parte graças ao petróleo russo barato.

Enquanto isso, a Rússia se tornou o maior fornecedor de petróleo da China no início deste ano, de acordo com dados da alfândega chinesa de maio, superando seu parceiro da Opep +, a Arábia Saudita. Também ultrapassou a Arábia Saudita na Índia por causa do desconto pelo qual o petróleo russo agora é vendido.

Falando desse desconto, ele vem encolhendo nas últimas semanas, sugerindo que a demanda da China e da Índia tem sido forte o suficiente para manter o petróleo russo fluindo para o exterior em volumes grandes o suficiente para manter a receita do petróleo para a Rússia.

A Bloomberg informou na semana passada que houve uma queda nesses fluxos de petróleo na semana até 12 de agosto, com a quantidade total de petróleo russo enviada aos compradores asiáticos caindo para o menor patamar desde março, após atingir cerca de 2 milhões de bpd entre abril e junho.

Mesmo assim, o desconto do petróleo ESPO vendido para a Ásia, que chegou a US $ 20 por barril em março, desapareceu, com pelo menos duas cargas programadas para carregar no próximo mês e em setembro sendo vendidas em paridade com o benchmark de Dubai, segundo a Reuters.

A redução do desconto do petróleo russo pode ser uma das razões para o declínio nos volumes destinados à Ásia. Outra pode ser que o estoque de petróleo barato da Rússia esteja em bons níveis na Índia e na China.

Clyde Russell, da Reuters, sugeriu em uma coluna recente que esse redirecionamento dos fluxos de petróleo torna a Rússia “cada vez mais dependente de apenas dois países quando se trata de vender seu petróleo bruto”. A Índia e a China agora respondem por mais de 40% das exportações russas, observou ele, em comparação com a metade há um ano.

O fato é que essa confiança é mútua. As grandes potências asiáticas precisam de energia barata para permanecerem grandes potências. A China é o maior comprador de petróleo da Rússia há anos. E a Rússia precisa de novos mercados para seu petróleo, especialmente depois que o embargo da UE entrar em vigor no final deste ano.

Uma vez que este embargo entre em vigor, os preços globais do petróleo, exceto por um acordo nuclear com o Irã, saltarão acentuadamente. E China e Índia, juntamente com compradores menores como Turquia, Egito e até mesmo o problemático Sri Lanka, serão os vencedores, mantendo seu acesso ao petróleo russo a preços preferenciais.

O relatório do WSJ observou que, se um cartel de compradores de petróleo vier a existir, também beneficiará os compradores de petróleo chineses e indianos, pois nenhum país se juntou à iniciativa do G7 para esse cartel. Pode ser que as chances de tal cartel se materializar sejam bastante pequenas.

Não é à toa que a Agência Internacional de Energia disse no início deste mês que as sanções ocidentais tiveram um efeito limitado sobre a produção de petróleo russa, observando que em julho, a produção russa de petróleo estava apenas 310.000 bpd abaixo de seus níveis antes da invasão da Ucrânia. Também revisou para cima sua previsão para a produção no próximo ano.

Original: https://oilprice.com/Energy/Crude-Oil/Energy-Sanctions-On-Russia-Have-Been-A-Boon-For-China-And-India.html

ÚLTIMAS NOTÍCIAS