19.5 C
Brasília
sábado, 24 fevereiro, 2024

Saiba mais sobre as empresas cúmplices do regime israelense no genocídio de Gaza

Por Ivan Kesic

Dirigindo-se às nações muçulmanas, o aiatolá Khamenei declarou que as exportações de petróleo e outras mercadorias para o regime sionista devem ser interrompidas imediatamente e ao mesmo tempo, apelou ao fim dos bombardeamentos em Gaza.

O Líder da Revolução Islâmica tem sido o defensor mais veemente do boicote contra o regime israelense, que pode abrir caminho para a aniquilação da entidade ilegítima e a libertação da Palestina.

Desde 7 de outubro, apelos para boicotar Israel, bem como empresas e produtos
e marcas que ajudaram direta ou indiretamente o regime de ocupação tornaram-se mais forte em todo o mundo.

Este apelo é replicado à medida que aumenta o número de mortos na campanha de bombardeio israelense na faixa de Gaza
a costa sitiada continua a aumentar, atingindo agora quase 9.000 após quatro semanas, a maioria deles crianças e mulheres, e até 16 de dezembro, mais de 19.000.

Em 31 de outubro, uma série de ataques a bomba contra um campo de refugiados no norte Gaza deixou centenas de mortos.

A campanha global que apela a sanções contra Israel e a um boicote às marcas que apoiam o regime genocida pelos seus crimes na Palestina continua fortemente e cada vez mais vozes estão a aderir. A imprensa analisa o andamento da campanha.

Vulnerabilidades econômicas

A economia do regime israelense não é autossuficiente e depende fortemente do comércio eletrônico importação, especialmente de energia, o que a torna vulnerável à boicotes estrangeiros.

A guerra em curso em Gaza já causou estragos na economia israelense, como a população se vê forçado a ficar em casa devido a ataques regulares de foguetes de retaliação, paralisando vida normal.

Três semanas antes, o principal campo de gás natural foi fechado, as companhias aéreas cancelaram a maior parte dos voos, as fazendas ficaram paralisadas por falta de trabalhadores,
Da mesma forma, a mobilização e evacuação de centenas de milhares de pessoas abalaram muitas empresas nos territórios ocupados.

A indústria tecnológica, que já foi a indústria emblemática do regime e que contribuiu devido ao seu crescimento económico, começou a vacilar mesmo antes do início da nova guerra em 7 de outubro, com o investimento estrangeiro em empresas de tecnologia despencando no metade do ano passado em comparação com um recorde de 27 bilhões de dólares por ano anterior.

A situação financeira também é terrível, já que a moeda do regime israelense, o shekel, atingiu seu nível mais baixo em 14 anos e o índice de ações de referência despencou cerca de 10% este ano.

No ano passado, 2,67 milhões de turistas estrangeiros visitaram os territórios ocupados e a receita foi de US$ 3,8 bilhões, acima dos cerca de US$ 6,6 bilhões em 2019.
Atualmente, os observadores alertam para o colapso do turismo no próximo ano.
Michel Strawczynski, economista e professor da Universidade Hebraica de Al-Quds ocupada (Jerusalém), mencionou que espera um duro golpe no último trimestre de 2023 com o probabilidade de a economia se contrair 15%.

Uma guerra longa e possivelmente em várias frentes com grupos da Resistência Palestina poderia piorar ainda mais a crise económica e exigiria muito mais tempo para que recuperação subsequente.

O ponto mais vulnerável da economia dependente do exterior do regime israelense, de acordo com maioria dos especialistas, é o boicote organizado aos seus produtos, que representam dezenas de bilhões de dólares todos os anos.

Principais áreas comerciais

De acordo com a base de dados COMTRADE das Nações Unidas sobre comércio internacional em 2022, de longe, o maior importador de produtos israelenses serão os Estados Unidos, com um valor de US$ 18,6 bilhões ou uma participação de 29%.

Outros importadores importantes são China, Índia, Reino Unido, Irlanda, Holanda, Turquia, França, Bélgica, Brasil, Alemanha, Suíça, Itália, Coreia do Sul e Espanha.

No total, os países europeus com 36% das importações ainda representam um mercado maior que os Estados Unidos, a maioria dos quais se refere a países da União Europeia (UE).
A Ásia também representa uma grande parcela, com 27% das importações.

A maior parte do valor desses produtos está relacionada aos diamantes (9,06 bilhões dólares), circuitos integrados (US$ 5,09 bilhões), petróleo refinado (US$ 2,73 bilhões).
dólares), instrumentos médicos (US$ 2,36 bilhões) e outros instrumentos de medição (US$ 2,32 bilhões).

Geralmente, os produtos são exportados para empresas privadas cuja equipe ativista pode reportar crimes de guerra israelenses ou organizar campanhas de pressão para cancelar o
comércio.

Uma exceção mais importante é a exportação de tecnologia militar, avaliada em 831 bilhão no ano passado para US$ 1,46 bilhão no ano recorde de 2016, o que
novamente ela está propensa ao ativismo.

Em agosto, o site Press TV publicou uma investigação sobre como as autoridades israelenses manipular dados sobre a eficácia de seus sistemas militares Iron Dome para exportá-los e obter benefícios multimilionários.

A última escalada do regime em Gaza confirmou a análise e demonstrou que
as ineficiências são muito maiores do que anteriormente reconhecidas. A situação é semelhante com tanques Merkava e outras armas cuja reputação Israel manipulou da mesma forma
caminho.

Da mesma forma, as pressões sobre as importações estrangeiras de armas do regime, que já incluiu várias campanhas bem-sucedidas, bem como para impedir a importação de petróleo bruto parte de Israel, que recebe principalmente do Azerbaijão, através da Turquia.

A campanha com a hashtag #NoOilForIsrael tem sido tendência nas redes sociais nos últimos tempos semanas com dezenas de milhares de utilizadores da Internet a pedirem o fim das exportações de petróleo para regime.

Grandes empresas para boicotar

Nas últimas semanas, campanhas têm clamado por um boicote às empresas e
Marcas israelenses e internacionais que são direta e indiretamente cúmplices de violações dos direitos palestinos.

Entre as empresas que deveriam ser boicotadas para começar está a Siemens, que foram considerados cúmplices do projecto de colonialismo de colonos do regime israelita através de do seu planejado interconector EuroAsia.

A fabricante americana de tecnologia Hewlett-Packard (HP) é outra empresa intimamente relacionada ligado ao regime de Tel Aviv e ajuda a administrar o sistema biométrico que, segundo Israel supostamente o utiliza para monitorar e restringir o movimento dos palestinos.
A empresa sediada na Califórnia, segundo relatos confirmados, fornece hardware
computador para o exército israelense e mantém servidores de dados pertencentes à força policial do regime.

A seguradora francesa AXA Divest é um dos maiores investidores em bancos
administrados pelo regime israelense, que são usados ​​para financiar a construção de assentamentos ilegais e o roubo de recursos palestinos. 

Puma, multinacional alemã que fabrica calçados, roupas e acessórios, é patrocinadora da federação israelense de futebol, que inclui jogadores e times dos territórios ocupados.
Starbucks, McDonald’s e outras marcas similares também enfrentaram maior escrutínio em
As últimas semanas. A Starbucks supostamente processou seu sindicato de trabalhadores depois de postarem uma mensagem de solidariedade aos palestinos, o que irritou milhões dos consumidores em todo o mundo.

As franquias do McDonald’s nos territórios ocupados anunciaram refeições gratuitas para Militares israelenses após a campanha de bombardeios indiscriminados do regime na Faixa de Gaza desde 7 de outubro.

As franquias do Burger King nos territórios ocupados também enfrentaram demandas por uma boicote depois que ele ofereceu comida grátis aos militares israelenses. A empresa até postou fotos no Instagram.

Dominos, Pizza Hut, Subway, Nestlé e PapaJohns também fizeram ofertas semelhantes para soldados israelitas, ignorando deliberadamente a sua participação na campanha genocida do regime na Faixa de Gaza sitiada.

Também foi descoberto que o Google é tendencioso a favor do regime israelense após que o seu CEP, Sundar Pichai, emitiu recentemente uma carta expressando o seu apoio ao regime e gerou apelos para boicotar a empresa.

Entre as empresas que foram incluídas na lista de boicote por diversas campanhas contra ele apartheid é Ahava Cosmetics, uma marca israelense popular que possui sites produção em assentamentos israelenses ilegais.

Acredita-se que a Nestlé, uma popular multinacional suíça de alimentos e bebidas, detém 53,8% por cento das ações do principal fabricante israelense de alimentos, Osem Keter, um fabricante israelense de galpões, canteiros elevados e caixas de terraço, é outro grande nome.

Cada vez mais vozes estão a juntar-se à campanha global em apoio à detenção de Israel com sanções a marcas globais que alimentam a máquina assassina que matou mais de 8.000 palestinianos em quase três semanas.

Boicote ao BDS

Dados sobre o movimento Boicote, Desinvestimento e Sanções (BDS) podem ser encontrados no site do movimento Boicote, Desinvestimento e Sanções (BDS)
principais produtos de exportação e empresas israelenses ativas em diferentes países que deveriam ser boicotados.

O BDS é um movimento de paz pró-Palestina que há 18 anos promove boicotes, desinvestimentos e sanções econômicas contra Israel.
A organização, com filiais em vários países, monitora regularmente, coleta dados e organiza ativistas para ações que acabem com o apoio internacional à opressão de os palestinos pelo regime.

Entre as empresas que o movimento BDS incluiu com destaque para o boicote estão encontre a Hewlett-Packard (HP), uma empresa americana que vale mais de 25 bilhõebs de dólares e cúmplice na perseguição aos palestinos.

No passado, empresas como a Ben & Jerry’s (EUA) e Orange (França) estavam na lista BDS.

As Nações Unidas (ONU), o Banco Mundial e outros especialistas afirmam que
O BDS está a ter um impacto económico significativo em Israel e poderá muito bem crescer à medida que
deixe o movimento se desenvolver.

Em meio à nova escalada em Gaza, o BDS emitiu um alerta de ação urgente no qual apela ao desenvolvimento de novas campanhas eficazes e à expansão da cooperação com novos partes interessadas.

Em um tweet de 1º de novembro, o movimento pediu “uma mobilização global urgente para parar o genocídio em Gaza.”

“Se não for agora, quando? Participe ou organize manifestações de solidariedade em sua cidade.
Vamos continuar pressionando os governos, vamos intensificar todas as campanhas #BDS e fazer pressão para o @IntlCrimCourt”, escreveu ele.

Curiosamente, uma pesquisa da Pew no ano passado descobriu que cerca de 84% dos americanos sabiam pouco sobre esta campanha. Hoje, milhões de pessoas nomeiam marcas com laços com Israel e pedem um boicote.

O movimento BDC é inspirado na luta sul-africana contra o apartheid e no movimento direitos civis americanos, que recorreram ao boicote para fazer valer as suas exigências.
Potencial de boicote.

O potencial de expansão do ativismo de boicote é enorme, como demonstram acontecimentos recentes protestos em grande escala em países considerados principais parceiros comerciais de Israel, bem como
opinião pública desses países.

Isso mostra que as pessoas estão dispostas a participar da campanha de boicote contra Israel, especialmente em meio à crescente conscientização sobre o genocídio e a limpeza étnica do
regime em Gaza e na Cisjordânia ocupada.

A importância do boicote também é evidenciada pela opinião pública nos territórios ocupada, onde pesquisas locais da Mitvim mostram que os cidadãos consideram a boicote global anti-Israel como segunda questão de política externa mais importante, justo após a conquista de uma paz estável em favor do regime.

Em comparação, de acordo com as mesmas pesquisas, o programa nuclear iraniano ocupa apenas o quinto lugar lugar entre as prioridades internacionais, conforme considerado por menos de um quinto dos entrevistados.

O fato de grupos de pressão pró-Israel, como a Liga Antidifamação (ADL),
sigla em inglês), o Comitê Judaico Americano (AJC), o Comitê de
Assuntos Públicos Israelenses Americanos (AIPAC), Organização
Os Sionistas da América (ZOA), colocaram o boicote em seus
As listas de prioridades atestam a sua importância.

Os principais métodos antiboicote desses lobistas israelenses são as campanhas difamatórias contra ativistas do BDS e tentativas de impor leis anti-BDS em muitos países ocidentais, incluindo Estados Unidos, Canadá, Reino Unido, França e Alemanha.

Por essas razões, os especialistas acreditam que é necessário alertar os ativistas sobre isso fenômeno lobista e instruí-los a informar políticos e partidos pró-Palestina em seus países sobre essas ameaças.


Texto retirado do artigo em inglês, publicado na Press TV

ÚLTIMAS NOTÍCIAS