20.5 C
Brasília
terça-feira, 27 fevereiro, 2024

Rock in Manaus: Armas e Rosas, Squid N´Chayote

José Bessa Freire

 “Bem-vindo à selva / aqui temos tudo o que você quer”. (Welcome to the jungle.  Guns N`Roses. 1986)

É assim que a banda toca. No início, eles tocavam na mesma banda. Depois, brigaram e cada um foi pro seu lado. Passaram anos se bicando até se reconciliarem em nome do bem comum. Isso aconteceu com duas bandas diferentes que nesta semana deram shows em Manaus, no coração da selva amazônica. A brasileira Squid N´Chayote se apresentou na quarta-feira (31) no Espaço Via Torres. E a americana Guns N´Roses na quinta (1º) na Arena da Amazônia, cada uma com histórias próprias de rixas internas.

– Uma banda é como casamento, os Titãs já se divorciaram cinco vezes – revela Tony Belloto. A separação acontece em todas as bandas e se dá em três níveis: integrantes, gêneros musicais e opções políticas. Foi assim com a Guns N´Roses (Armas e Rosas) formada em 1985 com os nomes artísticos do vocalista Axl Rose e do guitarrista Tracii Guns, que se picou. Slash, seu substituto, também se pirulitou. Agora todos se uniram de novo, incluindo o baixista McKagan (por favor sem gracinhas com o aportuguesamento do nome).

Processo similar ocorreu com Squid N´Chayote, assim denominada a partir da combinação de dois nomes artísticos: Squid (vocal) – um tipo de molusco e Chayote (guitarra) – hortaliça rica em água, fibra e flavonoides (seja lá o que isso signifique), que dá um saboroso picolé. Pra quem gosta. Ambos subiram no mesmo palco e tocaram juntos na banda Direct Now (Diretas Já), em 1984. Dois anos depois, eleitos deputado federal constituinte por bandas diferentes, se separaram e foram fazer carreira solo.

Reuniram-se uma vez mais em 1989 contra a banda collorida Dinda´s house, quando o guitarrista Mário Pits subiu no palco e cantou junto com Squid.  Mesmo em lados opostos, Squid condecorou Chayote quatro anos depois com o grau de Grande-Oficial do Mérito Militar. Depois nova separação. Agora, voltam a cantar juntos.

Lulapaluza

Os dois shows de Manaus, com públicos diferentes, constituem uma prévia do Festival de música alternativa, criado em 1991 nos Estados Unidos, denominado Lollapalooza, pronunciado na mídia como Lulapaluza, que significa “algo extraordinário, incomum, excepcional”. Ou “uma coisa impressionante e atrativa”.

O domínio do heavy metal exibido por Squid, metaleiro de profissão, foi excepcional. Ele deu um show de rock pauleira para 40 mil pessoas, que cantavam em coro o jingle “sem medo de ser feliz”, anunciando o brilho no céu de uma estrela, com acenos para a defesa dos povos indígenas. Outro coro foi a toada “Vermelho”, do boi Garantido gravada por David Assayag, um parintinense filho de marroquino:

– Meu coração é vermelho (hey, hey hey!) / Tudo é garantido após a rosa avermelhar / Vermelhou o curral / O fogo de artifício da vitória avermelhou.

O show, como se diz em amazonês, foi “pra acabar com o açaí”. As duas bandas – a brasileira e a americana – fizeram as pazes com o passado, inspiradas no pedagogo Paulo Freire: “De vez em quando a gente precisa unir os divergentes, para vencer o antagonismo do fascismo”. Chayote, que não compareceu por estar em outro palco da mesma banda no interior de São Paulo, enviou mensagem.

A Universidade Federal do Amazonas (UFAM) estava lá em peso. A repórter Tambaqui entrevistou a professora Elenise Scherer, que definiu o público: “Mulheres grávidas, idosos e idosas, trabalhadores do Distrito Industrial, professores, estudantes, uma diversidade cultural”. A filha de uma idosa cadeirante girava, de forma ritmada, a cadeira da mãe, acompanhada por um pai que balançava um bebé de colo.

Bicho escroto

– Muita gente. Observei de perto, além dos fãs, cabos eleitorais e militância orgânica, uma quantidade de gente humilde, que estava lá, com seus filhos, olhos brilhando em direção ao vocalista, o que encheu meu peito de esperança. Muita, mas muita gente do povo mais humilde mesmo” – postou Sérgio Freire nas redes sociais.

As duas bandas estarão presentes nas 560 horas de música do Rock in Rio, que iniciou nesta sexta-feira (2). Guns N´Roses no palco. Squid N´Chayote no coração da plateia. Foi assim na primeira edição, em 1985, durante a eleição indireta de Tancredo Neves, quando Cazuza cantou sucesso do Barão Vermelho e proclamou: “Pro Brasil nascer feliz”. Depois, em 1989, os Titãs criticaram a Dinda´s house na letra “Bichos Escrotos” e pregaram a paz ao som de “Diversão”, mas isso não evitou o quebra-pau no meio do público.

Esse reencontro da plateia com seus ídolos tem sempre conotação política marcada pela utopia. No último Lollapalooza, em São Paulo, artistas e público se manifestaram. Pabllo Vittar exibiu toalha com a imagem de Lulapaluza e fez o sinal de “L” com as mãos. Sem falar no Emicida, que sempre entoa com o público um grito que manda o Coiso tomar no fiofó. Nos Estados Unidos, Axl Rose baixou o sarrafo em Trump. O fundador da banda Pink Floyd, Roger Waters chamou Trump de “pig-ignorant”. Bono, o vocalista de U2, arrematou:

– Donald Trump é potencialmente a pior ideia que já aconteceu com a América… A América é uma ideia ligada à justiça e igualdade para todos. Trump está tentando sequestar a América. Pessoas conscientes não devem permitir que esse homem transforme o país em um cassino.

A rua dos sonhos

O show do Guns N´Roses na Arena da Amazônia, que durou quase três horas, abriu a turnê atual do grupo no Brasil. Os solos do guitarrista Slash, que foi capa da Time da mesma forma que Lulapaluza, fizeram chorar a repórter Tambaqui no encerramento com Paradise City, especialmente quando a letra pede para ser levado à cidade paradisíaca, onde a grama é verde e as moças são bonitas:

– Take me down to the Paradise City / Where the grass is green and the girls are pretty.

A música If the world assegura que se o mundo acabasse hoje, todos os nossos sonhos desapareceriam:

– If the world would end today / And all the dreams we had / Would all just drift away.

Uma das músicas parecia até endereçada ao Coiso:

– Não tente / Não tente/ Você é apenas um caso perdido / E você não tem nome (Don’t try / Don’t try / You’re just a basket case. / And you got no name).

Outra música do show, Street of Dreams, podia ser dirigida aos enganados pelo Coiso:

– O que antes eu achava que era verdade / eram mentiras que eu não podia ver. (What I thought was true before/ Were lies I couldn’t see).

É assim que as bandas tocam: Welcome to the Jungle. Armas e Rosas, Lula e Chuchu: o mesmo combate.

P.S.1 – Há alguns anos, ministrei curso para professores de Paraty (RJ). Depois do jantar, o grupo passou em frente a uma boate. Decidimos entrar e dançar, eu lá no meio. TODOS cantavam as músicas em inglês, que eu nunca tinha ouvido. Intrigado, perguntei onde haviam aprendido.

– Professor, em que mundo o senhor vive? São hits de heavy metal tocados diariamente nas rádios – me disse a professora Luiza Helena.

Constrangido, desembarquei em outra praia e comecei a cantar Noel Rosa, Clementina de Jesus, Ataulfo Alves, Caetano, Gil, Chico, Violeta Parra, Simón Dias, Mercedes Sosa, Amparo Ochoa. Conto isso para dizer que não entendo bulhufas de heavy metal. As informações aqui foram colhidas com os sobrinhos: Amaro Jr, criador da composição da foto, Silvio Márcio Freire de Alencar Filho, autor da ideia que me mostrou a relação entre os dois eventos e Sérgio Freire. Quem tem sobrinho não morre pagão.

Mas a gente troca conhecimentos. Enquanto os sobrinhos me falam dos Titãs, conto pra eles que tal banda não existiria, se não fosse a fofíssima Heloísa Belloto, historiadora e maior referência em arquivística do Brasil. Ela, a mãe de Tony, nos orientou na organização do arquivo do Museu Amazônico da UFAM. Eterna gratidão.

ÚLTIMAS NOTÍCIAS