22.5 C
Brasília
terça-feira, 18 junho, 2024

Resposta do Greenpeace Brasil ao Pátria Latina

O Greenpeace Brasil compreende que qualquer tentativa de invalidar dados cientificamente comprovados podem ludibriar a opinião pública e, sobretudo, gerar desserviços irreparáveis para o país e seu desenvolvimento. Desta forma, a organização está avaliando medidas legais contra difamações dessa natureza.

A existência do Grande Sistema de Recifes do Amazonas é reconhecida e registrada por vasta literatura científica. O estudo que descreve a descoberta é assinado por uma equipe de 38 pesquisadores, técnicos e alunos de pós-graduação de 12 instituições, incluindo a Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ). A descoberta foi confirmada em 2014 e divulgada na revista Science Advances em abril de 2016. Desde então, diversas pesquisas sobre o tema[1]têm sido publicadas por instituições acadêmicas sérias e respeitadas (mais informações na nota de rodapé).

O Greenpeace Brasil, juntamente com pesquisadores de diversas universidades brasileiras, realizou duas expedições científicas na região com o objetivo de estudar o sistema de recifes. Nestas expedições, além de terem sido reveladas ao mundo as primeiras imagens submarinas dos recifes, foi estimado que o tamanho da área do sistema recifal era maior que o indicado anteriormente, chegando a 56.000 km². Todo esse estudo foi destaque no portal do Ministério da Educação (MEC). Na mesma época, o Greenpeace Brasil realizou uma grande mobilização contra a petrolífera francesa Total, que desejava explorar petróleo na região da Foz do Amazonas e teve o licenciamento indeferido pelo Ibama.

As descobertas reveladas pelos cientistas a partir das expedições do Greenpeace Brasil já indicavam a inviabilidade técnica para exploração de petróleo na Foz do Amazonas devido à extrema sensibilidade da biodiversidade local. Comemoramos a decisão técnica recente do Ibama sobre a exploração da região pela Petrobras e seguiremos acompanhando para que todos os requisitos técnicos e normas ambientais sejam atendidos.

O Greenpeace Brasil acredita que é possível investir em um modelo de desenvolvimento sustentável que leve crescimento para a região da Foz do Amazonas ao mesmo tempo em que respeita o meio ambiente.

Sobre o Greenpeace Brasil

O Greenpeace Brasil é uma organização ativista ambiental sem fins lucrativos, que atua desde 1992 na defesa do meio ambiente. Ao lado de todas as pessoas que buscam um mundo mais verde, justo e pacífico, a organização atua há mais de 30 anos pela defesa do meio ambiente denunciando e confrontando governos, empresas e projetos que incentivam a destruição das florestas.

[1] Science – An extensive reef system at the Amazon River mouth; Frontiers in Marine Science -Perspectives on the Great Amazon Reef: Extension, Biodiversity, and Threats; Frontier in Marine Science – The Great Amazon Reef System: A fact; Nature – Insights on the evolution of the living Great Amazon Reef System, equatorial West Atlantictt

Tales Rocha/Assessoria de Imprensa do Greenpeace

NR

A Redação do Pátria Latina atende ao Greenpeace.

Certa vez, numa aula de Direito Romano, o professor atendeu ao aluno que questionava ter sua resposta anulada, na primeira prova do ano letivo.

“Você deveria ficar satisfeito por não anular toda prova. Pois inicia sua resposta com pronome oblíquo e com arrogância de um bacharel formado: “Me parece que os romanos eram juristas” (sic)”.

O Greenpeace poderia ter seu pedido negado pela primeira frase. E mais, como o calouro estudante de direito, tem a arrogância de questionar uma publicação, na verdade, a reprodução de uma publicação sem consultar o Greenpeace.

Será que o Greenpeace é o mais novo censor da imprensa brasileira?

E pretende que seus textos não sofram nem mesmo a necessária adequação ao vernáculo? Haja soberba e arrogância de quem pretende colonizar, dar ordens em Estado independente, a República do Brasil. 

Diante de tanta soberba cabe ter dúvida da seriedade e competência de quem erra na língua que redige e se arvora em censor sem a designação formal.

Inviabilidade técnica deve ter quem confunde a Bacia Foz do Amazonas, que se estende do Estado do Amapá, fronteira com a Guiana Francesa, até a Bacia Pará-Maranhão, após a foz do rio Amazonas, em território do Estado do Pará, com o acidente geográfico da foz daquele caudaloso rio.

Também o sistema estudantil de formação profissional, sob a direção neoliberal, tem sofrido muito, como se observa no desempenho de profissionais com as maiores graduações acadêmicas.

Preferimos nos louvar em quem faz do que em quem ensina, como recomenda o adágio.

De resto, o Greenpeace tem a seu dispor a maior máquina de propaganda e desinformação, para que precise de nossos poucos e modestos recursos.

A Redação do Pátria Latina continuará analisando todos os erros cometidos contra o desenvolvimento do Brasil, jamais delegando a instituições não produtoras de conteúdo científico a responsabilidade de analisar a viabilidade ou não de exploração de nossos recursos. Reafirmamos todos os dados publicados, com lastro no consistente trabalho de  pesquisadores brasileiros, cujos resultados embasam o mapa geológico oficial do Brasil.

ÚLTIMAS NOTÍCIAS