13.5 C
Brasília
domingo, 26 maio, 2024

República Dominicana: A última palavra está nas urnas

Santo Domingo (Prensa Latina) Na política, como no beisebol, ninguém vence até que o último eliminado seja convocado. E embora todas as pesquisas concordem que o presidente dominicano, Luis Abinader, será reeleito, nesta semana que antecede as eleições do próximo domingo, 19 de maio, os candidatos não vacilam em suas campanhas.

Por Mariela Pérez Valenzuela*

Até o dia 16 de maio, os nove candidatos à primeira magistratura – deles apenas duas mulheres – e os que buscam uma vaga no Congresso Nacional mantêm suas campanhas eleitorais, algumas delas picantes com críticas ao governista Partido Revolucionário Moderno (PRM), e o dignitário.

De momento, e apesar da enxurrada de diatribes dos três principais partidos que se opõem ao seu governo, Abinader, um empresário de 54 anos, é o favorito para vencer na primeira volta.

Isto é confirmado pelas últimas pesquisas conhecidas sobre as inclinações do eleitorado dominicano de 8,1 milhões de eleitores registados, dos quais 868.785 residem no estrangeiro e têm direito de voto, o que não ocorre quando se trata de eleições municipais.

Embora a maioria viva nos Estados Unidos, a diáspora em Porto Rico poderia ter um peso importante nos resultados, já que esta ilha caribenha acolhe quase 10% dos emigrantes dominicanos. Contexto que favorece a Abinader, apesar dos ataques públicos contra ele, segundo analistas.

O vice-presidente do Partido da Libertação Dominicana (PLD), Temístocles Montás, levantou uma grave acusação contra o PRM no poder porque, embora não tenha apresentado provas, disse que o governo tinha “comprado” mais de 32 autarcas antes das eleições autárquicas, 15 deputados, 45 diretores municipais e um número significativo de vereadores.

Num artigo com a sua assinatura publicado nos jornais Hoy e Vanguardia del Pueblo, Montás acusou o Executivo de se apresentar como “anticorrupção” quando pratica, disse ele, a habilidade perniciosa de comprar líderes da oposição.

Acusações de vários tipos contra o chefe do governo e o seu partido aparentemente caíram em terreno árido, uma vez que – embora possam ter alguns pontos de divergência – as empresas de sondagens reconhecidas consideram a reeleição presidencial como certa, permitida pela primeira vez pela Constituição Nacional.

Na semana passada, várias empresas, incluindo a Gallup, nomearam a Abinader como vencedora na primeira rodada, mas os números, especialmente no final de uma campanha, podem mudar. No entanto, a empresa brasileira de pesquisas AtlasIntel confirmou em 11 de maio o que seus pares já anunciavam, incluindo vários dominicanos.

A AtlasIntel projetou o presidente com maiores chances de vitória no dia 19 de maio, enquanto o governista PRM ocuparia o maior número de cadeiras nas duas Câmaras do Congresso Nacional.

Diante do que parece inevitável, os partidos Força Popular (FP), Libertação Dominicana (PLD) e Revolucionário Dominicano (PRD) registraram suas alianças para buscar a maioria nas bancadas parlamentares, o que não significa que não perderão até o último momento espera uma segunda volta no dia 30 de Junho e mantêm as suas críticas ao PRM.

O corpo legislativo é composto por 190 deputados e 32 senadores e o objectivo dos três grandes partidos da oposição unidos na RD Rescue Alliance, caso consigam a maioria nesse espaço, é impedir até certo ponto a segunda governação da Abinader e impor a sua própria leis.

Na pesquisa da AtlasIntel, enquanto Abinader alcançou 68,1% dos votos, o ex-presidente Leonel Fernández obteve 17,9 e Abel Martínez, ex-deputado e ex-prefeito de Santiago de los Caballeros, obteve 12,1%.

Em relação aos candidatos de grupos minoritários, Roque Espaillat, do Esperanza por la Democracia, alcançou 1,2 por cento, mas os restantes tiveram menos de 1 por cento.

Em relação à pergunta, você tem uma imagem positiva ou negativa dos seguintes líderes Abinader teve a melhor avaliação com uma imagem positiva de 68 por cento, 28 por cento optaram por uma imagem negativa e quatro por cento disseram que não sabiam.

Martínez ficou em segundo lugar com 32% de imagem favorável, 41% negativa e 27% de não saber. O pior avaliado foi Fernández com 58% da imagem riscada, 28% favorável e 14% que não soube responder.

Respostas que – em todas as sondagens – refletem em grande parte os resultados do debate público entre os candidatos a chefe do Governo, organizado pela Associação Nacional de Jovens Empresários (ANJE) na última quarta-feira de abril.

Abinader é o primeiro governante que, buscando a reeleição, participa de uma briga desse tipo, segundo ele mesmo disse ao aceitar o convite para o encontro.

Por outro lado, Fernández descreveu o evento como um “debate da democracia contra a dinheirocracia”, numa das suas habituais análises da atual administração.

No entanto, com base nos números conhecidos, a Junta Central Eleitoral (JCE) alertou que se nenhum candidato presidencial obtiver mais de 50 por cento de apoio, haverá uma segunda volta no dia 30 de junho entre os dois mais votados.

Os senadores e deputados, observou, são eleitos por maioria unipessoal, ou seja, o eleitor escolhe um único candidato, entre todos os que se apresentam, e vence aquele que obtiver o maior número afirmativo.

É assim que passam os últimos dias da campanha eleitoral na República Dominicana, onde no próximo domingo, 19 de maio, será lançado o último baile da campanha eleitoral.

*Correspondente-chefe na República Dominicana

ÚLTIMAS NOTÍCIAS