23.5 C
Brasília
sábado, 20 abril, 2024

Raisi: Gaza, uma página negra na história criminal de Israel e dos EUA

O Presidente do Irã, Ebrahim Raisi, durante cerimônia de homenagem aos servos do Alcorão Sagrado, Teerã, 30 de março de 2024. (Foto: President.ir)

HkispanTV – O Irã assegura que os acontecimentos em Gaza marcam uma página brilhante na história da Resistência Palestiniana e uma página sombria na história criminal de Israel e dos Estados Unidos.

O presidente do Irã, Seyed Ebrahim Raisi, destacou que a chave para a unidade da comunidade muçulmana é a prática dos versículos do livro sagrado dos muçulmanos, o Alcorão.

“Hoje, o segredo da perseverança e da resistência face aos inimigos é prestar atenção ao Alcorão, e esta cimeira que hoje foi levantada em nome da Resistência em Gaza baseia-se no Alcorão e agarra-se à corda [ a religião] de Alá, da qual o povo oprimido e firme de Gaza se apoderou.”

Raisi afirmou que, hoje, Gaza é como uma imagem de repressão e autoridade, de amor a Deus e de atenção ao Alcorão, aos olhos da humanidade.

O presidente iraniano sublinhou que os recentes acontecimentos em Gaza, juntamente com a página brilhante da resistência, são uma página escura na história dos crimes do regime sionista, dos Estados Unidos e de outros países que acenam com os direitos humanos.

O presidente iraniano levanta mais uma vez a voz contra o apoio inequívoco dos EUA a Israel e apela à acusação de todos os responsáveis ​​pelo massacre de palestinianos em Gaza.

“Os acontecimentos em Gaza demonstraram que o que garante os direitos humanos é o Alcorão Sagrado, e não os autoproclamados defensores dos direitos humanos, que são os maiores violadores dos direitos humanos”, afirmou na 29ª cerimónia de homenagem aos servos do Alcorão Sagrado. No Irã.

Além disso, ele destacou que os esforços dos países ocidentais contra o Alcorão e a espiritualidade nas sociedades humanas “definitivamente não levarão a lugar nenhum, porque a atenção ao Alcorão e à espiritualidade em todo o mundo, especialmente nos países ocidentais e entre as gerações jovens, está aumentando e não pode ser controlado.”

O regime israelita lançou uma guerra genocida, com apoio directo dos EUA, na Faixa de Gaza e matou mais de 32.705 palestinianos desde 7 de Outubro.

ÚLTIMAS NOTÍCIAS