29.5 C
Brasília
sexta-feira, 1 março, 2024

Qual é o rumo político-social da Rússia?

Moscou (Prensa Latina) Esta é uma questão que está no palco público desde o colapso da União das Repúblicas Socialistas Soviéticas (URSS) em 1991 e a Federação Russa emergiu como herdeira da então superpotência.

Por: Germán Ferrás Álvarez

Correspondente-chefe da Rússia

Tanto é assim que a resposta às questões de se é um Estado socialista ou capitalista, ou se é de direita ou de esquerda, é difícil de responder, ou melhor, há respostas diferentes dependendo da lente com que a realidade russa é visualizado. .

Segundo alguns especialistas, o sistema político russo é um capitalismo de Estado governado por uma extensa burocracia, porque o volume económico produzido pelos bens públicos ou capital estatal excede 50 por cento do Produto Interno Bruto (PIB), e segundo outros chega a 60.

O Estado russo é atualmente o segundo maior empregador do mundo, depois da China. Cerca de 35 milhões de pessoas trabalham para ela, seja em empregos públicos ou em empresas estatais, constituindo cerca de metade da força de trabalho empregada no país.

Após a desintegração da URSS e o segundo colapso económico do Presidente Boris Yeltsin, o volume do PIB de propriedade pública estatal caiu de 83-88 por cento na era socialista para cerca de 35 por cento em 2004, mas nessa altura o primeiro governo de Vladimir Putin virou-se para a restauração do Estado e a tendência foi invertida.

A partir daí, o Estado voltou a gerir o aumento dos salários, dos preços dos arrendamentos de habitação e terrenos, da energia, dos transportes e das infra-estruturas, não por decisão planeada como na época soviética, mas pelo mercado, sem que o sector privado tivesse capacidade de manobra, voz ou votar a esse respeito, consideram os analistas aqui.

Ao mesmo tempo, o controlo directo de tantos recursos essenciais permite ao Estado russo cobrar impostos bastante baixos. Está classificado em 28º lugar entre os países em facilidade de fazer negócios, alcançando facilmente o primeiro lugar devido à baixa alíquota de impostos.

Oficialmente, a Rússia é um “Estado Socialista Democrático”, a mesma definição que os países nórdicos usam para si próprios, onde “democrático” significa na prática que existe uma economia de mercado. Já não é um Estado socialista, mas também não é um Estado liberal (como era no tempo de Yeltsin).

Um papel importante na máquina política da Rússia de hoje é desempenhado pela figura do Presidente e, mais do que o cargo em si, é a figura de Vladimir Putin, que desde 2000 detém as rédeas do gigante euro-asiático.

O presidente não pertence a nenhum partido político e possui amplos poderes sobre o Estado devido à sua autoridade pessoal e profissional.

Porém, para tomar decisões extraordinárias (como a participação de forças armadas fora do país), é necessário ter dois terços dos votos a favor dos membros da Assembleia Federal (bicameral).

Com a chegada de Putin ao poder, não podemos falar de um regresso à normalidade, depois do período de “anormalidade” de Yeltsin. Em essência, Putin implementou o que foi concebido pelo grupo de Yeltsin, mas que não pôde ser aplicado, estimam os analistas.

Além disso, durante o governo de Yeltsin a construção de uma identidade nacional russa não pôde ser plenamente alcançada, mas Putin reverteu esta situação criando uma identidade nacional baseada no patriotismo que tem como eixo três pilares: as tradições imperiais, o legado da URSS e a Igreja Ortodoxa. Igreja.

Tradições imperiais: Putin, no que diz respeito ao império russo, enfatiza a sua grandeza, a sua particularidade que o torna um “continente em si”, ao mesmo tempo que destaca a excepcionalidade do povo, que não é europeu nem asiático, mas sim algo diferente.

Além disso, destaca a importância da defesa do Estado sobre as individualidades e o quão vital é a proteção do território nacional.

Este último não se referia apenas ao interesse territorial, mas também a todos os russos que permaneciam fora das fronteiras nacionais.

A União Soviética: Putin evoca as grandes conquistas desta época, invocando feitos militares significativos e sucessos tecnológicos.

Isto pode ser refletido no resultado de uma pesquisa realizada pelo Centro Yuri Levada sobre “orgulho e identidade nacional” publicada em 2019.

Quando os russos foram questionados sobre o que consideravam o acontecimento no seu país que mais os orgulhava, a vitória do Exército Vermelho na Segunda Guerra Mundial veio primeiro, com 87 por cento, e depois a liderança na exploração espacial, com 50.

Devemos sublinhar que isto se faz evitando cair em invocações do passado, e isso reflecte-se numa frase do próprio Putin, que certa vez disse: “Quem não lamenta a desintegração da URSS não tem coração, e quem quer a sua reintegração em seu formato antigo, não tem cabeça.”

Igreja Ortodoxa: Com a queda da URSS, a Igreja Ortodoxa ressurgiu e tornou-se um dos faróis para os quais os cidadãos dirigiram a sua atenção com o objectivo de resolver a perda de identidade que enfrentavam.

Este ressurgimento dos Cristãos Ortodoxos não implica que eles se tenham tornado mais crentes, é mais uma questão de identidade étnica do que de fé; Os russos não são ortodoxos porque são crentes, mas são ortodoxos porque são russos, dizem os analistas.

O que a chegada de Putin gerou em relação à Igreja foi uma maior aproximação com o Estado, apesar de a Rússia não especificar a existência de uma religião oficial na sua constituição.

Sobre o sistema político atual, o académico e diretor do Centro Russo Fidel Castro, Leonid Savin, afirmou que era difícil determinar se se tratava de um regime de direita ou de esquerda, e disse que pode ser centrista.

Para tentar explicá-lo, o funcionário da administração presidencial Vladislav Surkov cunhou o termo “Democracia Soberana”, mas mesmo isto não oferece uma compreensão clara. Isso nos obriga a detalhar o assunto, ponto por ponto.

“Podemos afirmar em relação ao modelo capitalista, tendo em conta uma série de factores, que no seu sentido lato não está presente na Rússia. Embora exista um grande capital privado e alguns mecanismos semelhantes aos modelos ocidentais de capitalismo, a administração pública é muito diferente”, comentou Savin.

Em primeiro lugar: a formação do orçamento da Rússia é realizada segundo um método planeado, semelhante ao modelo socialista da URSS.

Em segundo lugar: na Rússia existem sectores sociais fundamentais que são financiados pelo Estado, como a saúde, a educação e a cultura.

Embora seja necessário levantar uma série de indicadores para o desenvolvimento do capital humano e a melhoria do padrão de vida (que depende do financiamento das indústrias), isso está presente. Ao contrário dos países da UE ou dos Estados Unidos, os serviços nestes setores são gratuitos, mas não são piores.

É claro que no ensino superior apenas uma parte das vagas é concedida gratuitamente e as propinas são cobertas pelo Orçamento do Estado, mas os candidatos que tenham notas elevadas na sua formação anterior também podem ingressar voluntariamente em universidades e institutos.

Terceiro: os programas sociais na Rússia visam satisfazer as necessidades dos diferentes sectores da população.

A assistência pecuniária é prestada no nascimento de um filho e é feita uma entrega mensal de alimentos até uma determinada idade; Há também apoio a famílias numerosas, militares, indexação constante de pensões e outros benefícios, desde transporte público gratuito até acesso em igualdade de condições aos sanatórios.

De certa forma, a condução de uma Operação Militar Especial na Ucrânia uniu todos os partidos políticos da Rússia, tanto em relação à política externa como nos assuntos internos do país, conclui Savin.

Começaram a agir mais ativamente no interesse dos cidadãos e de vários grupos sociais, com uma linguagem que é consistente com os interesses soberanos de toda a Rússia e não está associada a qualquer ideologia.

Do exposto, podemos concluir que a política interna na Rússia tem agora um enfoque mais social.

Embora as empresas públicas e privadas tenham grandes capitais, os ajustes nas leis nos últimos anos demonstram um rumo que satisfaz as demandas e aspirações dos cidadãos.

Ou seja, é um processo contínuo e pode melhorar continuamente. Em muitas áreas, já foram definidas metas e objectivos específicos para os próximos anos e a médio prazo.

A Rússia possui uma grande quantidade de recursos naturais, potencial científico e competências técnicas para implementar gradualmente todos os programas e alcançar mais conquistas em benefício do seu povo.

Colaboraram neste trabalho:

Amélia RoqueEditora Especial Prensa Latina

Laura EsquivelEditora Web Prensa Latina

ÚLTIMAS NOTÍCIAS