21.5 C
Brasília
domingo, 23 junho, 2024

Putin apela a Kim para cooperar “em todas as frentes”

O presidente russo, Vladimir Putin (à direita), encontra-se com o líder norte-coreano Kim Jong-un.

Putin defende o reforço da cooperação com a Coreia do Norte “em todas as frentes” e acredita que isso garantirá a segurança da Península Coreana e do Nordeste Asiático.

HispanTV- “Estou convencido de que graças aos nossos esforços conjuntos continuaremos a fortalecer […] os laços bilaterais em todas as frentes”, disse o presidente russo, Vladimir Putin, numa mensagem de felicitações ao líder norte-coreano Kim Jong-un, por ocasião da 75. aniversário do Dia da Fundação da República Popular Democrática da Coreia.

Segundo o presidente russo, o desenvolvimento dos laços entre Moscovo e Pyongyang beneficiará os interesses de ambas as nações e garantirá a segurança e a estabilidade na Península Coreana e no Nordeste Asiático.

Salientou que a antiga União Soviética foi a primeira a reconhecer a Coreia do Norte como um Estado soberano e sublinhou que, desde então, as relações entre os dois países “sempre se basearam nos princípios da amizade, da boa vizinhança e do respeito mútuo”.

A Rússia manifesta a sua intenção de reforçar os laços bilaterais com a Coreia do Norte, o que tem gerado especulações sobre o futuro destas relações.

Putin também destacou que os dois países ganharam experiência significativa de cooperação construtiva em vários domínios ao longo de todos estes anos.

Na sua mensagem, o líder russo desejou a Kim “saúde e sucesso, bem como paz e prosperidade para todos os cidadãos norte-coreanos”.

A Coreia do Norte realizou um desfile paramilitar na noite de sexta-feira para marcar o 75º aniversário da fundação do país, em 9 de setembro. Uma delegação liderada pelo vice-primeiro-ministro da China, Liu Guozhong, e uma delegação militar russa foram convidadas para o evento, aparentemente numa demonstração de unidade das três nações como uma força contrária aos Estados Unidos e aos seus aliados.

Ultimamente, a Rússia e a Coreia do Norte manifestaram a intenção de reforçar os laços bilaterais em todas as áreas, apesar da rejeição dos Estados Unidos, que alertam há vários meses sobre o possível fornecimento de armas por parte de Pyongyang a Moscovo. Isto enquanto Pyongyang rejeitou ter “acordos de armas” com a Rússia.

No entanto, o ministro da Defesa russo, Sergei Shoigu, propôs a Kim, durante uma reunião em julho passado, que Moscovo e Pyongyang, juntamente com a China, realizassem uma manobra naval conjunta no meio de tensões com os EUA na região.

A Coreia do Norte também tem apoiado a Rússia no conflito com a Ucrânia e culpou o Ocidente pela crise vivida no país eslavo.

ÚLTIMAS NOTÍCIAS