23.5 C
Brasília
sábado, 20 abril, 2024

Províncias argentinas ameaçam corte no fornecimento de petróleo após medidas do governo Milei

Sputnik – Neste sábado (24), Ignacio Torres, governador de Chubut – uma das principais províncias produtoras de petróleo e gás da Argentina –, disse que “nem uma gota de petróleo” sairá dos campos se o governo de Javier Milei “não tirar o pé das províncias”.

Torres faz coro junto a diversos outros governadores que ameaçam cortar o fornecimento para o resto do país em poucos dias devido a uma disputa de recursos federais com o governo Milei, cujos severos ajustes fiscais provocam impactos nos gastos básicos dos governos locais.

“Na próxima quarta-feira [28], não sairá nem uma gota de petróleo se não respeitarem, de uma vez por todas, as províncias e não retirarem o pé de cima”, declarou Torres ao canal argentino C5N.

Chubut, a segunda maior província produtora de petróleo e gás depois de Neuquén, também recebeu o apoio de nove províncias administradas por aliados de centro-direita, entre elas Tierra del Fuego, Santa Cruz, Río Negro, La Pampa e Neuquén.

Juntos, anunciaram na sexta-feira (23) que, “se o Ministério da Economia não entregar os recursos de Chubut, então Chubut não entregará seu petróleo e gás”, referindo-se à cobrança unilateral de uma dívida que Milei ordenou a essa província, segundo a Folha de S.Paulo.

Em uma série de mensagens na rede social X (antigo Twitter), Milei, que está a caminho dos Estados Unidos, chamou os governadores que apoiaram a reivindicação de Chubut de “degenerados fiscais“.

Gás lacrimogênio e cassetetes: manifestantes contrários ao megadecreto de Milei são represados - Sputnik Brasil, 1920, 01.02.2024

Panorama internacional

Polícia usa gás lacrimogêneo e balas de borracha em manifestação contra políticas de Milei (VÍDEO)

Os governadores criticam um corte de 13,5 bilhões de pesos (R$ 80,2 milhões) nas transferências mensais de fundos federais para o distrito.
“Nacho e seus cúmplices”, escreveu o presidente argentino, referindo-se a Torres e aos outros governadores, ao lembrá-los de um artigo do Código Penal que prevê até dois anos de prisão para quem impeça, atrapalhe ou dificulte o fornecimento de energia.
De acordo com a Folha, o ministro da Economia, Luis Caputo, argumentou que o corte de fundos foi motivado pela cobrança pelo governo de uma dívida não paga de Chubut no valor de 119 bilhões de pesos (R$ 667 milhões), uma situação que pode se repetir com outras dez províncias que também devem dinheiro ao governo federal.

Passageiros esperam na fila do aeroporto internacional de Ezeiza, Buenos Aires, Argentina (foto de arquivo) - Sputnik Brasil, 1920, 21.02.2024

Panorama internacional

Argentina usa argumento da ditadura para acusar brasileiros e os expulsa de aeroportos, diz mídia

ÚLTIMAS NOTÍCIAS