26.5 C
Brasília
segunda-feira, 27 maio, 2024

Presidente do Peru foi interrogado durante cinco horas pelo Ministério Público

Lima, 5 abr (Prensa Latina) A presidente peruana, Dina Boluarte, foi submetida hoje pelo Ministério Público a um interrogatório de cinco horas por seu suposto enriquecimento ilícito através da posse de relógios de luxo, joias e fundos injustificados.

A declaração foi feita à porta fechada e devido a uma investigação preliminar sobre essa acusação e a de não apresentação de documentos (a declaração dos referidos bens), sendo possível que outras possam ser acrescentadas, referindo-se à sua anterior relutância em testemunhar .

Apesar das expectativas de dezenas de jornalistas, geradas pela sua oferta de testemunhar aos cidadãos depois de o fazer perante a Procuradoria-Geral da República, Boluarte saiu rapidamente sem fazer comentários aos jornalistas que a esperavam nas imediações.

A aparição ocorreu após resistência da presidente que não cumpriu convocação anterior, diante da qual promotores anticorrupção invadiram sua casa e o gabinete presidencial, sem que ela entregasse ou mostrasse os relógios Rolex que usava em eventos públicos.

Hoje, antes do interrogatório, o jornal Hildebrandt en sus Trece citou uma fonte não identificada do Palácio do Governo, segundo a qual Boluarte declararia ter uma amizade muito próxima com o governador da região sul andina de Ayacucho, Wilfredo Oscorima, que emprestou para ele os relógios Rolex, que ele devolveu.

“Nada do que ela tente construir como a história de uma pessoa mentalmente fraca libertará Boluarte do atoleiro em que está presa”, disse o referido semanário da oposição, garantindo que o Ministério Público considera ter provas claras dos crimes cometidos por ela. e que Ele tentou impedir que a verdade fosse conhecida.

O advogado criminal Andy Carrión considerou possível que os advogados de Boluarte estejam em contacto para arranjar um álibi sobre os Rolexes e alertou que a credibilidade do presidente está prejudicada por declarações anteriores negadas.

Por sua vez, o analista político José Luis Ramos disse que estas primeiras explicações e o longo silêncio mantido até hoje pela presidente equivalem a uma confissão de que cometeu actos irregulares e disse que os cidadãos não acreditam a priori no que ela poderia dizer ao promotores.

ÚLTIMAS NOTÍCIAS