13.5 C
Brasília
domingo, 26 maio, 2024

Presidente de Honduras: não apoiamos mais golpes

Presidente de Honduras promete evitar qualquer interferência dos EUA | HISPANTV

HispanTV  – A presidente de Honduras, Xiomara Castro, ataca em seu discurso na AGNU contra as potências golpistas, a economia neoliberal e o colonialismo mundial.

“As nações pobres não apoiam mais golpes […], nem revoluções coloridas, geralmente organizadas para estimular nossos vastos recursos naturais”, disse Castro na terça-feira em um discurso na 77ª sessão da Assembleia Geral da ONU.

A presidente de esquerda denunciou a cumplicidade dos Estados Unidos no golpe de 2009 contra seu marido, o então presidente Manuel Zelaya, e a manutenção de mais de uma década de ditadura das drogas em Honduras.

Em Honduras eles decidem eliminar leis aprovadas em uma ditadura de 12 anos

“Treze anos de ditadura protegida pela comunidade internacional levaram o país a multiplicar por seis sua dívida pública e atingir uma taxa de pobreza de 74%, a mais alta da história de Honduras […] Queremos viver em paz”, exigiu o líder do Partido da Liberdade e Refundação (Libre).

Ele classificou como inaceitável a ordem mundial arbitrária e a ditadura monetária global, que medidas draconianas de disciplina fiscal sejam impostas aos mais pobres, o que aumenta o sofrimento das maiorias negligenciadas, e o capital especulativo não tem limites. Por isso, o presidente considerou que “é hora de discutir seriamente a multipolaridade”.

Em Honduras, o governo de Xiomara Castro deixou claro que não permitirá nenhum tipo de interferência dos Estados Unidos por meio de sua embaixada no país.

Para Castro, os hondurenhos terão futuro se a ditadura econômica neoliberal acabar. “Para que nosso país sobreviva, devemos rejeitar essa suposta austeridade que recompensa quem concentra a riqueza em poucas mãos e aumenta exponencialmente a desigualdade”, destacou.

Nosso programa Roots lançado em Honduras

Castro assumiu o poder em janeiro, após doze anos de governo do conservador Partido Nacional, os oito últimos à frente de Juan Orlando Hernández, que está sendo julgado nos Estados Unidos por tráfico de drogas desde abril.

ÚLTIMAS NOTÍCIAS