12.5 C
Brasília
domingo, 23 junho, 2024

Presentes, negócios e comissões: escândalos na Suprema Corte dos EUA

Por Ivete Fernandez/Redação da América do Norte

Havana (Prensa Latina) Uma crise de credibilidade atravessa a Suprema Corte dos Estados Unidos, com três de seus nove juízes, incluindo o presidente dessa instância, sob escrutínio público por conduta antiética e suspeitas de corrupção.

Quem pensou que a denúncia feita no início de abril contra o juiz Clarence Thomas, o membro mais antigo da Corte com 31 anos de antiguidade, logo se enganou.

À deste republicano seguiram-se imediatamente outras denúncias que apontam para algumas práticas questionáveis do também conservador Neil Gorsuch e, mais recentemente, foram reveladas as origens obscuras dos rendimentos milionários auferidos pela mulher de John Roberts, presidente do Tribunal.

Algumas semanas atrás, um relatório da ProPublica revelou como Clarence Thomas aceitou presentes onerosos e luxuosas acomodações de resort pagas pelo bilionário republicano Harlan Crow.

De acordo com o artigo, alguns dos detalhes do doador eram férias de $ 500.000 na Indonésia completas com superiate e jato; fica na casa de verão de Crow em Adirondacks, Nova York; e um convite para o Retiro Masculino Bohemian Grove, na Califórnia.

Além disso, o magnata comprou a casa da mãe de Thomas, pagou as reformas e mantém a mãe do juiz como inquilina sem pagar aluguel.

Em sua defesa, o magistrado proclamou que não fez nada de errado ao argumentar, entre outras coisas, que Crow “não tinha nada a fazer perante o Tribunal”.

No entanto, alertam os especialistas, isso não significa que algum problema que afetou o bilionário como proprietário de imóveis, locador e incorporador comercial, residencial e industrial não tenha sido resolvido naquele caso, ao longo das décadas de mandato de Thomas.

Os interesses de Crow foram diretamente para o tribunal em 2005, quando os juízes se recusaram a ouvir uma apelação em uma ação judicial alegando que sua empresa fez uso indevido de projetos de construção feitos por um escritório de arquitetura, de acordo com a Bloomberg.

Os autos arquivados pelo Conselho Nacional de Habitação Multifamiliar mostram como o desejo do empresário de reduzir a regulamentação governamental do setor imobiliário chegou ao Supremo Tribunal Federal, disse a fonte.

À luz dessas revelações, de acordo com uma análise do The Huffington Post, a vasta generosidade financeira que Crow concedeu a Thomas lança uma longa sombra sobre todos os casos em que o bilionário pode ter tido uma mão, mesmo que indiretamente.

Dúvidas semelhantes sobre a imparcialidade também pesam sobre Neil Gorsuch, que, de acordo com o Politico, tem laços comerciais com Brian Duffy, chefe de um poderoso escritório de advocacia chamado Greenberg Traurig, que repetidamente leva casos ao Tribunal.

Segundo o jornal, depois que o referido executivo se envolveu na compra de um imóvel do qual a juíza era coproprietária, o escritório se envolveu em pelo menos 22 processos na Justiça.

Nos 12 processos nos quais a opinião de Gorsuch está registrada, acrescentou o relatório, o magistrado ficou do lado dos clientes de Greenberg Traurig em oito ocasiões e decidiu contra isso em outras quatro.

Da mesma forma, um advogado dessa firma com sede em Denver representou Dakota do Norte no que se tornou uma das decisões mais divulgadas nos últimos anos, uma ação judicial multiestadual que anulou o plano do ex-presidente Barack Obama (2009-2017) de combater a mudança climática por meio do Clean Lei do Ar.

Gorsuch juntou-se aos outros cinco juízes conservadores da Corte ao concordar com os demandantes, incluindo o cliente de Greenberg, que a Agência de Proteção Ambiental excedeu sua autoridade na regulamentação das emissões de carbono das usinas de energia.

Embora os casos anteriores sejam em si bastante explícitos, as acusações contra o chefe do STF chegam a ser uma espécie de cereja no topo do bolo.

EXEMPLO REVELADOR

Adicionando insulto à injúria, um ex-membro da empresa de recrutamento legal Major, Lindsey & Africa revelou que o casamento de Jane Sullivan Roberts com o chefe de justiça da América, o republicano John Roberts, ajudou a aumentar a riqueza de sua família. Ele ainda alegou na denúncia que a esposa do magistrado ganhou mais de US$ 10 milhões em comissões ao longo de sete anos de seu trabalho como headhunter na empresa, onde colocou advogados em escritórios de advocacia, incluindo pelo menos um que defendeu um caso perante o Supremo Tribunal Federal depois que a colocação foi feita.

Sullivan Roberts ganhou o dinheiro entre 2007 e 2014, depois de assumir um emprego na empresa dois anos depois que seu sócio foi confirmado em seu cargo, de acordo com um relatório publicado pela Business Insider.

O reclamante, Kendal Price, trabalhou com Sullivan Roberts de 2011 a 2013 na Major, Lindsey & Africa. Ele disse em uma declaração que acreditava que “pelo menos parte do notável sucesso do recrutador se devia à posição de seu cônjuge”.

“Quando descobri que a esposa do presidente do tribunal estava solicitando negócios com escritórios de advocacia, soube imediatamente que estava errado”, disse ele.

“No tempo que estive lá não levantei o problema. Percebi que mesmo os escritórios de advocacia clientes de Jane não tinham para onde ir. A esposa do presidente do tribunal estava pedindo a eles negócios no valor de centenas de milhares de dólares. A maioria dessas empresas compareceu ou procurou comparecer perante o Supremo Tribunal Federal. É natural que tenham feito tudo o que consideraram necessário”, declarou.

CRISE ÉTICA SISTÊMICA

Levando em consideração os relatórios recentes sobre Gorsuch e Thomas, os observadores do Tribunal avaliaram que as últimas notícias fornecem mais evidências de que o Tribunal “sofre uma enorme crise ética sistêmica”.

“Qual é a confiança do público em um sistema quando as empresas que aparecem no tribunal tomam decisões que beneficiam financeiramente o presidente do tribunal?” perguntou Joshua Dratel, advogado de Price.

Segundo reportagem do site Truthout, a análise das divulgações financeiras mostrou que a maioria dos nove juízes daquele tribunal são milionários, em grande parte devido à sua capacidade de alavancar seu poder e conexões para obter riqueza, gerando dúvidas constantes sobre a imparcialidade.

A Suprema Corte dos Estados Unidos não está sujeita a um código de ética, mas as últimas notícias sobre seus membros geram um debate entre os cidadãos sobre a relevância de elaborá-lo e aplicá-lo.

Segundo o grupo Data for Progress, as revelações renovaram a pressão sobre o Tribunal para seguir regras de conduta explícitas.

“Embora os nove juízes tenham resistido à ideia até agora, os eleitores claramente apoiam que eles cumprem um padrão ético e que haverá consequências para aqueles que não o fizerem”, disse a associação em um comunicado.

ÚLTIMAS NOTÍCIAS