24.5 C
Brasília
sábado, 22 junho, 2024

Porque as coisas importam

Michael Roberts [*]

“Apesar de nos dizerem que vivemos num mundo cada vez mais desmaterializado, onde cada vez mais valor reside em elementos intangíveis – apps, redes e serviços online –, o mundo físico continua a suportar todo o resto”. Assim começa Ed Conway, editor de economia da Sky TV, no seu fascinante livro Material World.

O seu tema subjacente é que “quando olhamos para os balanços das nossas economias, vemos que, por exemplo, quatro em cada cinco dólares gerados nos Estados Unidos voltam para o setor dos serviços e uma fração cada vez menor é atribuída à energia”.” mineração e manufatura.

“Quase tudo, desde as redes sociais ao retalho e aos serviços financeiros, depende totalmente da infraestrutura física que o permite e da energia que o impulsiona. Mas, sem concreto, cobre e fibra ótica não haveria data centers, nem eletricidade, nem internet. O mundo, ouso dizer, não acabaria se o Twitter ou o Instagram deixassem de existir repentinamente. No entanto, se de repente ficássemos sem aço ou gás natural, a história seria muito diferente.”

A divisão de Conway entre material e imaterial não é correta. Como G. Carchedi e eu demonstrámos no nosso livro Capitalismo do século XXI, os produtos do trabalho mental são tão materiais como as coisas que estão objetivamente fora das nossas mentes. As ideias podem ser transformadas em uso material e mercantilizadas para o capital. Na verdade, como argumentou Marx, não é que estas ideias materiais fundamentais deixariam de existir, mas que continuarão a agir porque se nenhum trabalho humano for aplicado para as utilizar, isso provocaria o fim do mundo.

No entanto, quando lemos o livro de Conway, lembramo-nos de toda a conversa sobre “intangíveis” serem agora a forma mais importante de investimento para os capitalistas e de que podemos ter “capitalismo sem capital” é um absurdo total – ou pelo menos tem apenas realidade limitada no mundo financeirizado dos EUA e de outras economias do G7. A maior parte da economia mundial ainda se baseia na produção de coisas, “materiais” que podem ser transformados em mercadorias a partir do trabalho de milhares de milhões.

“É um lugar encantador, o mundo das ideias. Nesse mundo etéreo vendemos serviços, gestão e administração; criamos aplicativos e sites; transferimos dinheiro de uma conta para outra; negociamos com gorjetas e usamos celulares até para entrega de comida. Se do outro lado do planeta estão a ser derrubadas montanhas, isto não parece particularmente relevante no mundo etéreo do Ocidente.

E, no entanto, Conway salienta que, em 2019, o mundo minerou, escavou e dinamitou mais materiais da superfície da Terra do que a soma total de tudo o que extraímos desde os primórdios da humanidade até 1950:   “Num único ano extraímos mais recursos do que a humanidade na grande maioria da sua história, desde os primórdios da mineração até à revolução industrial, incluindo as guerras mundiais.”

Enquanto o consumo de materiais está a cair em países pós-industriais como os Estados Unidos e o Reino Unido, no outro lado do mundo – nos países de onde americanos e britânicos importam a maior parte dos seus produtos – o processamento de materiais está a aumentar a uma taxa vertiginosa.

E estes recursos não são apenas materiais energéticos. O petróleo e outros combustíveis fósseis representam apenas uma fração da massa total de recursos. Por cada tonelada de combustíveis fósseis, o mundo extrai seis toneladas de outros materiais, principalmente areia e pedra, mas também metais, sais e produtos químicos. Conway observa que “os materiais são importantes” para o capital e para os governos que o representam.

O mundo material, como lhe chama Conway, ainda está por trás da economia global: “misture areia e pedras com cimento, adicione um pouco de água e terá o concreto, o material fundamental das cidades modernas. Adicione cascalho e betume e você terá o asfalto, do qual é feita a maioria das estradas, ou seja, aquelas que não são de concreto. Sem o silício não poderíamos fabricar os chips de computador que alimentam o mundo moderno. Derreta a areia a uma temperatura suficientemente alta com os aditivos certos e você obterá vidro. Acontece que o vidro é um dos grandes mistérios da ciência dos materiais; líquido ou sólido tem uma estrutura atômica que ainda não compreendemos totalmente. E o vidro que você tem no para-brisa é só o começo, pois, entrelaçado com resina, o vidro vira fibra de vidro: a substância da qual as pás das turbinas eólicas são feitas. Refinado em fios, torna-se a fibra óptica com a qual a Internet é tecida. Adicione lítio à mistura e você terá um vidro resistente e forte; adicione boro e você obterá algo chamado vidro de borosilicato.”

Conway destaca apenas seis materiais-chave que impulsionam a economia global no século XXI:   areia, sal, ferro, cobre, petróleo e lítio. São os mais utilizados e os mais difíceis de substituir. No livro, Conway nos leva numa viagem pela história e pela tecnologia em torno desses recursos fundamentais.

A partir da simples areia fazemos todo tipo de produtos, desde o vidro até a fibra ótica: “é fácil nos convencermos de que desmaterializamos o mundo com a era da informação. Porém, nada disso – videochamadas, pesquisas na internet, email, servidores em nuvem, streaming – seria possível sem algo muito físico.” E o cimento emerge da areia: “Existem atualmente mais de 80 toneladas de concreto neste planeta para cada pessoa viva, cerca de 650 gigatoneladas no total. Isso é mais do que o peso combinado de todos os seres vivos do planeta: cada vaca, cada árvore, cada ser humano, planta, animal, bactéria e organismo unicelular. Depois, há silício na areia. Ele tem propriedades únicas que permitem transformá-lo em vidro; não só é suficientemente forte para suportar edifícios em forma de concreto; e é o material chave para semicondutores.” E aqui revela-se a contradição entre a produção de matérias-primas e o capital. A propriedade e o controle de areia, vidro, cimento e silício estão concentrados em poucas empresas. Por exemplo, a TSMC, uma empresa taiwanesa, fabrica os processadores inventados pela Apple ou Tesla, ou companhias “sem fábricas” como a Nvidia ou Qualcomm. São hoje as empresas mais valiosas do mundo. E há apenas um punhado de empresas capaz de fazer bolachas (wafers) perfeitas de sílica e há unicamente um lugar no mundo capaz de fabricar a areia de quartzo para os cadinhos onde as bolachas são critalizadas

Tudo isto não só leva à concentração da riqueza em poucas mãos como também ao conflito político. À americana Spruce Pine Corporation tem posição hegemônica na produção de silício para microchips: “mas se sobrevoarmos as minas de Spruce Pine com um avião pulverizador carregado com um pó especial, poderemos acabar com a produção mundial de semicondutores e painéis solares em seis meses». E a TSMC está no centro da guerra de chips a fermentar entre os EUA e a China, o principal esforço do imperialismo norte-americano para estrangular a economia chinesa.

E depois há o aquecimento global, do qual Conway não hesita em nos lembrar. “A maldição do concreto é que ele é um dos maiores emissores de carbono do planeta. Apesar de toda a atenção dada a outras fontes de gases com efeito de estufa (como a aviação ou a desflorestação), a produção de cimento gera mais CO2 do que estes dois setores combinados. A produção de cimento é responsável por impressionantes 7 a 8 por cento de todas as emissões de carbono.” [NR]

Com o sal, Conway mostra que produzimos substâncias químicas essenciais: utilizamo-lo para produzir soda cáustica que nos permite fazer papel, alumínio e, o mais importante, o polo alcalino é usado para fazer sabão e detergentes. Sem soda cáustica não haveria papel e sem cloreto de hidrogênio não haveria painéis solares ou chips de silício. Depois, há o cloro que purifica a nossa água.

Passando para o ferro e o aço, Conway nos lembra que esses são os metais mais modernos que podem ser fundidos em todos os tipos de formas. E o mais essencial de tudo é que podem ser transformados em ferramentas. Nenhum outro metal é tão útil ou oferece a mesma combinação de resistência, durabilidade e disponibilidade.

Agora, se vivermos numa economia desenvolvida como os Estados Unidos, o Japão, o Reino Unido ou a maior parte da Europa, temos cerca de 15 toneladas de aço por pessoa em carros, casas, hospitais e escolas, nos clipes de papel do nosso escritório, e nos armamentos de sua nação.

Na verdade, Conway salienta que o aço é uma boa medida para explicar os padrões de vida e as diferenças tecnológicas entre as nações. Em contraste com os níveis do mundo rico de 15 toneladas por pessoa, a pessoa média na China hoje tem 7 toneladas de aço.

“A pessoa média que vive na África Subsaariana tem menos de uma tonelada de aço per capita: “falamos frequentemente sobre disparidades de rendimento entre nações, mas e quanto à desigualdade no consumo de silício, fertilizantes, cobre e eletricidade? de aço?

Depois, há o cobre. “Sem isso, ficamos literalmente no escuro. Se o aço fornece o esqueleto do nosso mundo e concreta a sua carne, então o cobre é o sistema nervoso da civilização, sem esses circuitos e fios, que nunca vemos, o mundo não poderia funcionar.” Não podemos produzir ou distribuir eletricidade sem cobre. Até os painéis solares contêm grandes quantidades de cobre. Resumindo, se tem corrente elétrica é graças ao cobre.

O cobre é extraído em alguns dos países mais pobres do mundo e a sua utilização e produção são controladas por empresas sediadas nos países mais ricos do mundo.

A cadeia de valor agregado, desde a mineração de cobre até os produtos de consumo modernos, está em suas mãos: “Os iPhones de hoje são muito mais poderosos do que os computadores dos sistemas Apollo que colocaram o homem na Lua, ou daqueles encontrados em um laptop. Sim, o cobre ainda é fundamental”.

Conway aponta duas coisas que a teoria do valor de Marx previa: “à medida que aumenta a quantidade de coisas que extraímos do solo e transformamos em produtos, a proporção de pessoas necessárias para que isso aconteça diminui inexoravelmente”.

Portanto, há um aumento contínuo daquilo que Marx chamou de composição orgânica do capital. E o outro fator determinante é que a produção capitalista não tem em conta o que os economistas neoclássicos chamam de “externalidades”, um fenômeno também chamado no seu jargão de “danos colaterais” para o ambiente e para os seres humanos.

“Não existem contas ambientais ou análises de fluxo de materiais que deem conta do uso desses recursos naturais. Mesmo quando as Nações Unidas falam sobre o quanto as alterações climáticas estão a afeitar os seres humanos e o planeta, uma única rocha aparentemente estéril não conta.”

Na verdade, Conway analisa a contradição entre a procura de mais recursos materiais e o seu impacto no ambiente. “Reduzir a nossa pegada de carbono [NR] significará aumentar a nossa pegada de consumo de cobre. A boa notícia é que parte disso pode vir da reciclagem. A má notícia é que, mesmo que reciclássemos praticamente tudo o que pudermos de canos e cabos antigos, ainda ficaríamos desesperadamente aquém do que precisamos.”

A mesma questão se aplica aos combustíveis fósseis. Conway observa que, pouco antes da pandemia, pouco mais de 80% da energia primária mundial provinha de combustíveis fósseis: carvão, petróleo e gás.

“Em 2019, os combustíveis a mobilizar forneceram apenas 1,5 por cento da nossa energia, o que significa que um quilograma de tomate com efeito de estufa gera até 3 quilogramas de emissões de carbono. Ou seja, nos últimos 13 anos produzimos mais plástico do que toda a produção das indústrias petroquímicas desde que entraram em funcionamento.

“Exceto por algumas quedas, como a pandemia da COVID-19 em 2020 e a crise do petróleo no início da década de 1970, a produção de plástico tende a continuar a aumentar exponencialmente.”

Conway propõe investir na inovação tecnológica para superar esta contradição. Mas admite que “não faz sentido fingir que isto será fácil ou que será conseguido sem alguns compromissos estranhos”. Ou talvez devesse considerar algo mais dramático através de uma mudança estrutural nas relações sociais e na propriedade dos recursos mundiais?

Finalmente, existe o lítio, a base material da produção do século XXI. O lítio é essencial para o armazenamento de baterias em transportes elétricos e para uma série de aparelhos modernos que podem funcionar sem eletricidade.

Mais uma vez, o lítio está no centro de outra batalha pelo poder econômico: “as reservas deste metal estão concentradas num punhado de nações, por isso, enquanto o resto do mundo entra em pânico com o domínio da China na cadeia de abastecimento de baterias, muitos em Pequim estão em pânico com A dependência da China do resto do mundo para as suas matérias-primas.

Isto lembra-nos outro aspecto da teoria do valor de Marx em relação às matérias-primas. Existe uma tendência para o valor incorporado nas mercadorias diminuir à medida que a produtividade do trabalho aumenta (ou seja, o tempo médio de trabalho necessário para produzir as mercadorias diminui).

Conway está se referindo à Lei de Wright: sempre que a produção de um item dobra, seu custo cai cerca de 15%. E a Lei de Wright: “tem sido perturbadoramente bem-sucedida na explicação das quedas de preços, desde navios porta-contêineres até plásticos especiais”.

Mas existe sempre o risco de os preços das matérias-primas subirem antecipadamente e perturbarem a rentabilidade do capital, causando crises de produção e afetando o nível de vida de milhares de milhões de pessoas. Marx viu isto como um fator decisivo na tendência de queda da taxa de lucro na produção capitalista.

“Quanto mais se desenvolve a produção capitalista, com maiores meios para um aumento repentino e ininterrupto da proporção de capital constante, maior é a superprodução relativa de capital fixo e mais frequente é a subprodução de fábricas e matérias-primas, e maior é a o aumento da sua produção.” preço e a reação correspondente” (Marx, Capital, Vol. 3). A taxa de lucro é, portanto, inversamente proporcional ao valor das matérias-primas.

Como salientou José Tapia, as grandes transições tecnológicas na utilização de novos recursos materiais aceleraram historicamente a acumulação de capital e abrandaram a queda da taxa de lucro. Mas, inversamente, qualquer aumento nos preços dos principais produtos de base pode desencadear crises graves, como vimos na crise do petróleo da década de 1970.

No nosso livro Capitalismo do século XXI, mostramos a elevada correlação inversa entre os preços dos combustíveis fósseis e das matérias-primas em geral e a taxa de lucro. (pág. 17).

Como nos lembra Conway: “Se a oferta destes materiais não consegue acompanhar o crescimento da nossa procura, sabemos onde isso nos leva. Em 2022, pela primeira vez, o preço das baterias de iões de lítio (preços que, graças à Lei de Wright, caíram desde a década de 1990) parou de cair e subiu.

A explicação: as preocupações com o fornecimento de matéria-prima, o lítio, fizeram subir o preço dos restantes ingredientes. Esta é uma das causas profundas do aumento da inflação desde o fim da pandemia.

Conway termina o seu livro com a grande contradição do século XXI: o aquecimento global e as alterações climáticas [NR]. Como pode o mundo chegar ao “net zero” quando precisa de tantos recursos de matérias-primas? É claro que Conway não acrescenta que são controladas por algumas empresas gigantes e que este é o principal obstáculo para atingir as emissões líquidas zero.

Em vez disso, Conway teme que a mudança para energias renováveis ​​signifique ainda mais extração de materiais básicos: “para substituir uma pequena turbina a gás natural, que produz 100 megawatts de electricidade, o suficiente para abastecer até 100.000 casas, pela energia eólica de que necessitariam cerca de 20 enormes turbinas eólicas. Para construir estas turbinas serão necessárias quase 30 mil toneladas de ferro e quase 50 mil toneladas de concreto, além de 900 toneladas de plástico e fibra de vidro e 540 toneladas de cobre (ou três vezes mais se se tratar de construir um parque eólico offshore).

Uma turbina a gás, pelo contrário, necessita de cerca de 300 toneladas de ferro, 2.000 toneladas de concreto e talvez 50 toneladas de cobre para enrolamentos e transformadores. Em suma, de acordo com os seus cálculos, precisaremos extrair mais cobre nos próximos 22 anos do que nos últimos 5.000 anos da história humana”.

03/setembro/2023

[NR] Trata-se de um falso problema, como resistir.info e muitos cientistas têm reiteradamente denunciado. Ver por exemplo Nobel da Física rejeita «Emergência Climática»

[*] Economista

O original encontra-se em .

Este artigo encontra-se em resistir.info

ÚLTIMAS NOTÍCIAS