18.5 C
Brasília
quinta-feira, 30 maio, 2024

Parlamento supervisiona ações contra crise energética no Equador

Quito, 9 de maio (Prensa Latina) A Comissão de Supervisão da Assembleia Nacional (parlamento) do Equador iniciou hoje um processo de controle das ações do governo de Daniel Noboa devido à crise energética que afeta o país.

Entre os convocados pela mesa legislativa nesta quinta-feira estava o ministro responsável por Energia e Minas, Roberto Luque, que informou sobre a situação atual do setor, quais planos foram executados antes de sua posse e quais são os projetos futuros.

Luque esclareceu aos parlamentares que não tomou posse para investigar o assunto, mas para resolver a crise energética que o país atravessava naquela época, e que continua até hoje, apesar de os apagões estarem suspensos, disse.

No entanto, o proprietário destacou que “a soma de ações irresponsáveis ​​e negligentes, somada à falta de celeridade, num problema que conhecemos desde dezembro, é impressionante e levanta suspeitas”. A denúncia foi apresentada”, afirmou.

Luque também foi questionado pelos legisladores sobre os testes de estimulação de nuvens que, segundo o Ministério de Energia e Minas, foram realizados nas últimas semanas.

Neste sentido, o responsável garantiu que “não há impacto ambiental” desta actividade e acrescentou que não houve efeitos.

Quanto à operação da hidrelétrica Coca Coda Sinclair, uma das mais importantes deste país sul-americano, o ministro Luque expressou que a situação ainda está em análise, pois há manutenções pendentes necessárias ao seu correto funcionamento.

“Preocupa-me que a manutenção que tinha de ser feita tenha sido adiada, mas se tirarmos agora de operação poderá causar outros problemas”, alertou.

Para a sessão desta quinta-feira também foi convocado o ex-ministro da Energia Andrea Arrobo, acusado pelo governo perante o Ministério Público de ter sabotado o sistema, juntamente com outros responsáveis.

Arrobo não compareceu à audiência e a presidente da comissão, Pamela Aguirre, lamentou a ausência da ex-funcionária que “quando esteve aqui mentiu, porque disse que não haveria mais apagões”, disse.

A Comissão de Fiscalização irá tramitar o pedido de impeachment contra Arrobo, por descumprimento de suas funções, depois que o Conselho de Administração Legislativa (CAL) classificou como pendente o pedido de acusação do ex-funcionário, apresentado em 24 de abril pelo movimento. apoiado por 40 membros da assembleia.

Segundo Ana Galarza, membro desse movimento político, o processo judicial contra Arrobo procura esclarecer as causas da crise energética no país andino que tem causado múltiplas perdas económicas em todo o território nacional, observou.

Em 16 de Abril, a Presidência emitiu um comunicado em que acusava altos funcionários, incluindo o antigo Presidente Arrobo, de esconderem intencionalmente informações cruciais sobre o funcionamento do sistema energético.

Como apontam, os apagões “não responderam apenas a circunstâncias ambientais, mas também a actos de corrupção e negligência sem precedentes” e o défice energético no mês de Abril ficará entre 22 e 27 gigawatts por dia.

Entretanto, o Parlamento censurou Fernando Santos, ex-ministro de Energia e Minas durante a gestão do ex-presidente Guillermo Lasso (2021-2023), por “incumprimento de deveres no exercício do seu cargo”.

Os legisladores consideraram que o ex-funcionário da Lasso é um dos principais responsáveis ​​pela atual crise energética.

ÚLTIMAS NOTÍCIAS