26.5 C
Brasília
segunda-feira, 20 maio, 2024

Parlamento da Catalunha declara independência

Multidão separatista durante ato em frente ao parlamento catalão, nesta sexta-feira 27 (Pau Barrena / AFP)

por Redação Carta Capital, com AFP

Em resposta, o Senado da Espanha autoriza intervenção na autonomia

Em sessão realizada nesta sexta-feira 27, o parlamento da Catalunha declarou sua independência da Espanha. O projeto foi aprovado com 70 votos a favor, dez contrários e dois votos em branco. A oposição boicotou a sessão.

“Declaramos que a Catalunha se converte em um Estado independente na forma de República”, assegura a resolução. Depois da votação, os deputados começaram a cantar o hino catalão, “Els Segadors”, concluindo com um sonoro “Visca Catalunya” (Viva a Catalunha).

Do lado de fora da casa legislativa, teve início uma celebração por parte de milhares de separatistas que estavam nas ruas de Barcelona, a capital regional. Os manifestantes aplaudiram aos gritos de “independência” e também cantaram o hino catalão com o punho para o alto.

Leia também:
Em Barcelona, um novo jeito de fazer política
Catalunha: Adeus, Espanha?

A decisão se dá seis dias depois de o governo do primeiro-ministro da Espanha, Mariano Rajoy, anunciar a aplicação, pela primeira vez na história da democracia espanhola, do artigo 155 da Constituição, medida que prevê uma intervenção na autonomia política da Catalunha.

Após o anúncio por parte do parlamento catalão, Rajoy afirmou que “o Estado de direito vai restaurar a legalidade na Catalunha”. Como resposta ao movimento catalão, o Senado espanhol autorizou também nesta sexta-feira o governo de Rajoy a aplicar as medidas para intervir na autonomia da Catalunha, que incluem a destituição de seus líderes separatistas.

A proposta apresentada pelo governo, baseada no artigo 155, foi aprovada por 214 votos a favor, 47 contra e uma abstenção, e será transmitida ao governo central e ao executivo catalão, segundo o presidente do Senado, Pio Garcia-Escudero.

União Europeia

A independência de uma região dentro da atual União Europeia é um ato inédito, que foi duramente criticado pelas instituições em Bruxelas e pelos sócios do governo espanhol.

For EU nothing changes. Spain remains our only interlocutor. I hope the Spanish government favours force of argument, not argument of force.

Após o voto desta sexta, o polonês Donald Tusk, presidente do Conselho da UE, que representa os 28 Estados membros do bloco, afirmou que a Espanha continua a ser “a única interlocutora” da União Europeia. “Para a UE, nada muda. A Espanha continua a ser nossa única interlocutora”, escreveu Tusk em sua conta no Twitter, apelando o governo espanhol a escolher “a força do argumento ao invés do argumento da força”.

*Com informações da AFP

ÚLTIMAS NOTÍCIAS