21.5 C
Brasília
quarta-feira, 12 junho, 2024

Paraguai dá ultimato à UE: ‘Ou acordo com Mercosul sai até dezembro ou vamos negociar com a Ásia’

© AP Photo / Jorge Saenz

Sputnik – Paraguai assumirá a presidência do Mercosul após o Brasil em dezembro, e segundo seu líder, “ou o acordo é fechado agora, ou não vai acontecer” durante sua gestão no bloco. Santiago Peña também destacou as parcerias do Mercosul com os Emirados Árabes Unidos e Cingapura.

Em entrevista ao The Financial Times, o presidente paraguaio, Santiago Peña, disse que o bloco europeu deve finalizar o tratado comercial até 6 de dezembro ou países-membros do Mercosul “vão embora e negociarão com os países asiáticos”.

“Ou fechamos até 6 de dezembro ou não fechamos. Quem vai assumir a presidência [do Mercosul] depois sou eu e falei para [o presidente do Brasil] Lula: ‘Basta’. Se tem alguém que pode fechar esse negócio é o Lula […] será este ano ou, se não, não vai acontecer”, disse Peña acrescentando que “estou super firme quanto a isso. Super firme. Ou fazemos isso agora ou não fazemos nada”.

O líder paraguaio enfatizou que o Mercosul tem outros acordos comerciais em preparação com os Emirados Árabes Unidos e Cingapura. “Com Cingapura fecharemos um acordo em dois meses […] posso garantir que será muito rápido”, afirmou.
Entretanto, as declarações convictas do chefe de Estado paraguaio não foram ensaiadas com outros paíse-membros do bloco, incluindo o Brasil, de acordo com a coluna de Assis Moreira no jornal Valor Econômico.

Segundo o colunista, em Brasília, a assessoria de imprensa da presidência da República disse que “não houve combinação” para Peña dar essa declaração. Mas observou que, em todo o caso, Lula tem dito publicamente que gostaria de fechar o tratado com a UE durante a presidência do Brasil no Mercosul, que vai até dezembro.

Ainda de acordo com a mídia, em círculos de negociações birregionais, a declaração de Peña foi considerada positiva para insistir que o momento é agora, ou seja, o ultimato paraguaio é visto como sendo mais uma expressão de uma vontade de finalmente concluir o acordo do que uma ameaça para valer.
Novo ministro das Relações Exteriores do Paraguai, Rubén Ramírez (à esquerda), recebe o presidente do Brasil, Luiz Inácio Lula da Silva, na posse de Santiago Peña, novo presidente do país vizinho. Assunção, 15 de agosto de 2023 - Sputnik Brasil, 1920, 05.09.2023

Panorama internacional

Brasil e Paraguai unem forças regionais contra protecionismo verde no acordo Mercosul-UE

Um porta-voz do comércio da Comissão Europeia, ouvido pelo colunista, deu a posição oficial da UE ao ultimato paraguaio, reiterando o objetivo de concluir as negociações ainda em 2023.

“A UE e o Mercosul continuam a manter um intercâmbio regular, tanto pessoal quanto virtualmente, seguindo o compromisso assumido em nível presidencial de concluir as negociações antes do final do ano. A mais recente reunião construtiva em nível de negociadores-chefes foi realizada em 14 de setembro. Também recebemos anteriormente um documento do Mercosul que estamos usando como base para um maior engajamento”, acrescentou o porta-voz em referência à contraproposta do Mercosul a exigências ambientais adicionais feitas por Bruxelas.

Apesar do forte desejo europeu de fechar o acordo, também ressaltado na visita da presidente da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen, a Brasília em junho deste ano, a posição de alguns países membros da UE, como França e Áustria, continua não ajudando ao avanço nas negociações.
Tanto especialistas quanto o governo brasileiro já classificaram a resistência e novas exigências de alguns membros como “protecionismo de seu mercado agrícola” e não por ser integralmente uma preocupação ambiental.
O Acordo de Associação Mercosul-União Europeia teve suas negociações concluídas em 28 de junho de 2019, mas ainda dependente do processo de revisão, assinatura e ratificação. Os dois blocos estão em diálogo há mais de 20 anos sobre o acordo.
Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva - Sputnik Brasil, 1920, 26.08.2023

Notícias do Brasil

Lula diz ser difícil negociar com franceses sobre UE-Mercosul: ‘Querem tudo e não abrem mão de nada’

Paraguai e Taiwan

Ainda em sua entrevista para o jornal britânico, falando agora especificamente sobre Assunção, Santiago Peña disse que “o futuro do Paraguai não é a comida. O futuro do Paraguai é a indústria” e que nessa dinâmica a parceria com Taiwan precisa ainda mais ser reforçada, e com a China, analisada de perto.
“[…] Temos que pensar como vamos nos desenvolver industrialmente. Quem vai nos ajudar a chegar mais perto de um futuro industrial: um gigante que só nos comprará alimentos […] ou Taiwan, que nos vai ajudar a melhorar, tal como eles próprios fizeram?”, indagou.
Entretanto, o líder vem enfrentando críticas dos agricultores paraguaios, os quais questionaram a aliança com Taipé, uma vez que ela impede as exportações para o vasto mercado chinês.
O presidente eleito do Paraguai, Santiago Pena, à esquerda, fala durante uma reunião com a presidente de Taiwan, Tsai Ing-wen, em Taipei, Taiwan, 12 de julho de 2023 - Sputnik Brasil, 1920, 01.08.2023

Panorama internacional

Paraguai diz que comércio com China ‘não é conveniente’ e pede investimentos a Taiwan

Ainda segundo a mídia, o Paraguai enviou cerca de 600 engenheiros a Taiwan para estudar eletrônica avançada e Taipé ajudou a estabelecer uma universidade técnica em Assunção.

Peña quer aproveitar a enorme oferta de eletricidade renovável barata proveniente da gigantesca barragem de Itaipú, na fronteira com o Brasil, para abastecer um crescente setor industrial para exportação.

ÚLTIMAS NOTÍCIAS