21.5 C
Brasília
quinta-feira, 23 maio, 2024

Para onde caminha a economia chinesa?

– O pessimismo é uma doença senil, o otimismo é uma doença infantil

Yi Da [*]

Alguns leitores maliciosos chamaram a atenção para o facto de Le Grand Soir publicar frequentemente artigos escritos por americanos, mas raramente artigos escritos por chineses. Eis um que nos chega às mãos sem ter de ser traduzido.   O autor, Yi Da, é um especialista em relações internacionais que vive em Pequim. Responde assim aos ocidentais que continuam a dizer-nos que o crescimento chinês está a chegar ao fim.   LGS

Três pontos para descodificar as “Duas Sessões”

Para onde se dirige a economia chinesa? Esta questão volta a estar no centro das atenções com a realização simultânea, na China, das sessões plenárias do Congresso Nacional do Povo (CNP) e do Comité Nacional da Conferência Consultiva Política do Povo Chinês (CCPPC), conhecidas como as “Duas Sessões”. A reunião política mais importante do ano, constitui um dos pontos de referência mais decisivos para compreender as dinâmicas profundas que estão a ser desenvolvidas no país.

Mas é também importante compreender a linguagem utilizada, que pode parecer obscura à primeira vista. O que significa um crescimento de cerca de 5%? O que se entende por “forças produtivas de nova qualidade”? O que é o “novo trio” que faz furor nos meios de comunicação social? Vale a pena responder a estas perguntas para decifrar o estado real da economia chinesa, sobretudo numa altura em que é objeto de todo o tipo de especulações, desde o “teto de vidro” que supostamente atingiu até ao “fim do milagre econômico chinês”.

Cerca de 5%: um objetivo de crescimento ambicioso

Como é habitual, depois de ter afirmado, no relatório de atividade do Governo apresentado a 5 de março, que a economia chinesa havia crescido 5,2% em 2023, o primeiro-ministro chinês, Li Qiang, anunciou que o seu objetivo para este ano era um crescimento de cerca de 5%. Muitos economistas consideram que se trata de um objetivo ambicioso, sobretudo tendo em conta “a crescente complexidade e incerteza do ambiente externo”. Um objetivo que também poderia ser encarado com ceticismo, a acreditar na lentidão da retoma pós-Covid, no risco de uma “espiral deflacionista” e na quebra de confiança que os economistas não hesitam em mencionar.

Tudo aponta para o contrário. Hoje, na China, um crescimento de 5,2% é capaz de criar uma riqueza de mais de 6.000 bilhões de yuan RMB, quando há 10 anos teria sido necessário um crescimento de mais de 10% para o conseguir. É um progresso que não pode ser inventado.

Quanto à deflação que está a “minar o crescimento chinês”, foi desmentida pelo ING Group, que conclui num relatório que o debate sobre este assunto foi exagerado, tal como o primeiro vice-presidente do FMI, que não espera “uma tendência deflacionária global na China”.

Quanto ao potencial a médio e longo prazo da economia chinesa, que parece preocupar mais as empresas estrangeiras do que o crescimento a curto prazo, a confiança continua a ser elevada. Um inquérito da Câmara de Comércio Americana na China mostra que metade das empresas inquiridas manterá o seu nível de investimento na China em 2024 e que quase 40% delas planeiam aumentar o seu compromisso.

“Novas forças produtivas de qualidade”: a nova palavra de ordem

Este conceito estratégico, que ocupará um lugar importante na definição das políticas chinesas no futuro, não pode ser compreendido sem o contextualizar. De facto, segundo o Presidente Xi Jinping, o desenvolvimento destas forças produtivas em que “a inovação desempenhará um papel preponderante” é “uma exigência intrínseca do desenvolvimento de qualidade”. Por outras palavras, é um requisito ditado pelos desafios económicos que a China enfrenta, tanto do lado da oferta como da procura, a nível interno e externo, desafios consubstanciados no chamado “dilema do sanduíche” das economias de rendimento médio.

Nunca nada está escrito em pedra. Se as “novas forças produtivas de qualidade” conseguirem aumentar a produtividade total dos fatores através do aumento do valor acrescentado do capital e do trabalho, a China conseguirá resolver equações difíceis de cima para baixo, como a demografia, os riscos de endividamento imobiliário e local ou os desafios colocados pelas restrições ocidentais ao comércio, ao investimento e à tecnologia.

É de notar, no entanto, que não se trata de reconstruir um navio novo a partir do desmantelamento do original. Pelo contrário, sugere mais investimento e apoio à modernização de indústrias antigas, ao mesmo tempo que se constroem novas indústrias, daí o significado da estratégia “IA +”. Entre elas, a indústria transformadora avançada, o digital, a aviação comercial, a biotecnologia, as ciências da vida, a computação quântica… todos os sectores do futuro que estarão particularmente abertos ao investimento estrangeiro. E é natural que o Governo chinês envide esforços suplementares para continuar a melhorar o clima empresarial e a proteger melhor os direitos de propriedade intelectual.

“Desenvolvimento de qualidade”: fazer as pessoas felizes

O relatório de progresso do governo foi claro quanto ao objetivo do “desenvolvimento de qualidade”: fazer as pessoas felizes, que é o “principal critério de avaliação do desempenho do governo”. Durante as “Duas Sessões”, este objetivo traduziu-se em novas medidas a favor dos consumidores e das empresas, como forma de assegurar a saúde da economia e os fundamentos do emprego.

Na conferência ministerial conjunta consagrada à economia, a primeira do género, foram explicados em pormenor o “Ano do Consumo”, a campanha “Consumir sem preocupação” e o programa de incentivo à modernização dos automóveis, dos aparelhos eletrônicos e dos eletrodomésticos, à semelhança do “prémio de abate” dos países ocidentais para a conversão de automóveis poluentes. Foram igualmente apresentadas medidas de apoio às empresas privadas para as ajudar a ultrapassar as consequências da crise sanitária e a adaptarem-se às necessidades futuras da concorrência.

O “desenvolvimento de qualidade” da China não é apenas para seu próprio benefício. O “novo trio”, que se refere aos sectores dos automóveis eléctricos, das baterias e dos painéis solares, cujas exportações aumentaram 30% num ano, ilustra bem a determinação da China em avançar para uma economia eco-responsável. Pela primeira vez, a capacidade instalada de produção de energias renováveis ultrapassou a das centrais térmicas e representará mais de metade da capacidade renovável instalada a nível mundial até 2023. Um facto que não deve ser ignorado.

O pessimismo é uma doença senil, o otimismo é uma doença infantil. O que a China está a fazer é nada mais nada menos do que enfrentar de frente os desafios atuais, uma contrapartida dolorosa, mas necessária a curto prazo para ganhar uma economia mais segura e autossuficiente a longo prazo. Nunca perderá a confiança, porque a vitória adora corações ardentes.

[*] Investigador, chinês.

O original encontra-se em www.legrandsoir.info/ou-va-l-economie-chinoise.html

Este artigo encontra-se em resistir.info

ÚLTIMAS NOTÍCIAS