18.5 C
Brasília
sexta-feira, 14 junho, 2024

Otimismo na Bolívia para teste bem-sucedido em fábrica de lítio

La Paz, 14 de agosto (Presa Latina) Os bolivianos recebem hoje com otimismo a notícia de que a primeira Planta Industrial de Carbonato de Lítio do país passou com sucesso nos testes de abastecimento de água e está pronta para iniciar a produção.

De acordo com um relatório do Ministério de Hidrocarbonetos e Energia, a instalação de Yacimientos de Litio Boliviano (YLB) entrou em sua fase final de construção com o cálculo dos volumes de água necessários para o início de sua produção de carbonato de lítio.

Faz parte do terreno desse complexo a Estação de Tratamento de Água para Uso Industrial, que possui tecnologia modular, sendo que um desses módulos já iniciou seu trabalho de alimentação do líquido.

Esta estação de tratamento terá capacidade para cerca de 350 metros cúbicos por dia e, segundo a YLB, é uma das maiores da América Latina.

Segundo a empresa, atualmente fornece cerca de 150 metros cúbicos para testes operacionais.

Os projetistas informaram que suas funções são: fornecer água ultratratada e especial para obtenção de lítio grau bateria, bem como que esse líquido possa ser reaproveitado.

Em julho de 2022, YLB e a empresa nacional Carlos Caballero assinaram um contrato para construir a instalação na cidade de Llipi, departamento de Potosí, com um investimento de 344 milhões de bolivianos (cerca de 49 milhões de dólares).

O presidente executivo da YLB, Carlos Ramos, confirmou há uma semana que a Planta Industrial de Carbonato de Lítio, localizada no Salar de Uyuni, será inaugurada neste mês.

Assegurou que é um marco porque, “no nosso país é talvez uma das atividades mais importantes, porque vamos dar aquele passo que há tantos anos se espera, que o estamos a consolidar na nossa gestão”.

O novo complexo tem uma capacidade de produção anual de 15.000 toneladas de carbonato de lítio, no entanto, prevê-se que do corrente mês até Dezembro coloque no mercado uma produção inicial superior a 2.000 toneladas.

Ele afirmou que nesta primeira fase eles pretendem produzir essa tonelagem, e atualmente o preço por tonelada é de aproximadamente US$ 35.000.

Ramos acrescentou que a venda desse composto trará mais receita porque a produção da planta também será comercializada em escala piloto.

O investimento na fábrica industrial exigiu um desembolso de cerca de 130 milhões de dólares e terá uma capacidade de produção anual de pelo menos 15.000 toneladas.

Em 2020, durante o governo de fato de Jeanine Áñez (2019-2020), a construção deste complexo foi paralisada.

No entanto, após a recuperação da ordem constitucional com a eleição do presidente Luis Arce nesse mesmo ano, as obras foram retomadas em 2021.

ÚLTIMAS NOTÍCIAS