16.5 C
Brasília
sábado, 15 junho, 2024

OTAN conscientemente enviou tropas ucranianas para a morte

Scott Ritter [*]

A Ucrânia enviou uma de suas principais brigadas para o combate no início deste mês como parte da sua tão esperada contraofensiva destinada a retomar áreas controladas por forças russas. A 47ª Brigada Mecanizada liderou a ofensiva perto da cidade de Orekhov, na região de Zaporozhye, equipada com material da OTAN e, acima de tudo, usando as teses e táticas de armas combinadas do bloco liderado pelos EUA. Antes da operação, essa brigada passou meses numa base na Alemanha aprendendo “know-how ocidental” em guerra combinada.

O KORA, sistema de simulação computacional da OTAN, concebido para permitir que oficiais e suboficiais reproduzam fielmente as condições do campo de batalha, desenvolvendo planos de ação ideais contra um inimigo designado – neste caso, a Rússia – ajudando-os a prepararem-se para as próximas batalhas.

Se havia um exemplo de como uma força ucraniana da OTAN poderia comportar-se diante de um inimigo russo, a 47ª Brigada era o estudo de caso ideal. No entanto, poucos dias após seu ataque, o grupo foi quase literalmente dizimado: mais de 10% da centena de veículos de combate de infantaria M-2 Bradley fabricados nos EUA foram destruídos ou abandonados no campo de batalha, e várias centenas dos 2 000 homens que formavam a brigada foram mortos ou feridos. Tanques Leopard 47 e veículos de artilharia de fabricação alemã juntaram-se aos Bradley em destroços nos campos a oeste de Orekhov, falhando em romper a primeira linha de defesa russa.

As razões para esta derrota resumem-se ao papel desempenhado pelo KORA na criação de uma falsa sensação de confiança entre os oficiais e soldados da 47ª Brigada. Infelizmente, como os ucranianos e os seus mestres da NATO acabaram de descobrir, o que funciona numa simulação informática não equivale automaticamente ao êxito no campo de batalha.

KORA é um sistema computacional avançado de simulação de guerra desenvolvido pelo Exército Alemão para apoiar a análise de desenvolvimento de ações e experiências baseado em cenários para oficiais de Estado-Maior até ao nível de brigada. Foi incorporado às simulações computorizadas de jogos de guerra da OTAN em apoio ao treino no Centro de Treino do Exército dos EUA em Grafenwoehr, que recebeu a 47ª Brigada de janeiro a maio de 2023. Embora seja capaz de gerar mapas de terreno genéricos para combate simulado contra um inimigo fictício, o KORA pode ser personalizado usando modelos de terreno reais e ordens de batalha reais para apoiar os preparativos de cenários de combate do mundo real.

Foi, sem dúvida, nesta modalidade que o KORA operou durante o treino da 47ª Brigada, utilizando mapas digitalizados da região de Orekhov sobrepostos às posições defensivas russas ocupadas por unidades da 42ª Divisão de Infantaria Motorizada, ou seja, os 291º e 70º Regimentos de Infantaria Motorizada. Com a ajuda dos instrutores da OTAN, os oficiais da 47ª Brigada ucraniana provavelmente consideraram vários cenários reais antecipando o desempenho russo, permitindo que os ucranianos previssem os resultados no campo de batalha e determinassem o eixo ideal de avanço para romper as defesas russas.

De todas as operações militares que o KORA é capaz de ensaiar, romper uma linha defensiva fortificada é a mais difícil. A doutrina do Exército dos EUA usa o sistema mnemónico SOSRA (supressão, ocultação, segurança, redução e assalto) para ensinar os fundamentos de um ataque pontual. Cada um desses elementos exige um submodelo KORA separado, projetado especificamente para simular os requisitos exclusivos da missão associada a eles. Mas o fato é que os princípios básicos da SOSRA não puderam ser devidamente exercidos pelos ucranianos pela simples razão de que eles não dispunham dos recursos necessários para realizar as tarefas.

Tomemos o exemplo da “supressão”. De acordo o exército dos EUA, “a supressão é uma tarefa tática usada para utilizar fogo direto ou indireto ou ataque eletrônico contra pessoal, armas ou equipamentos inimigos, a fim de impedir ou degradar o fogo inimigo e a observação de forças amigas”. Para criar um modelo de supressão adequado, o KORA deve usar pelo menos quatro submodelos para apoiar a simulação principal, ou seja, interdição aérea, defesa aérea, guerra eletrônica e fogo de artilharia. No entanto, a Ucrânia não tem capacidade aérea ofensiva viável e, devido às operações sistemáticas de supressão da defesa aérea inimiga (SEAD) pela Rússia, as áreas avançadas de operações da Ucrânia, onde unidades como a 47ª Brigada se reuniriam e operariam, ficaram praticamente indefesas diante do poder aéreo russo.

A superioridade de Moscou na artilharia e na guerra eletrônica também anulou as vantagens táticas que a Ucrânia poderia prever usando esses recursos. O objetivo da supressão durante as operações de avanço é proteger as forças encarregadas de anular um obstáculo e manobrar através dele. A “supressão”, observam os militares dos EUA em suas declarações doutrinárias, “é uma tarefa essencial à missão executada durante uma operação penetração. A supressão geralmente desencadeia o resto das ações no obstáculo”. Em suma, sem uma supressão adequada, todo o ataque falhará.

A lógica ditaria que qualquer uso responsável do sistema de simulação KORA iria prever o fracasso do ataque da 47ª Brigada. De acordo com o Washington Post, os oficiais da 47ª Brigada “planearam os ataques e depois deixaram que o programa [KORA] lhes mostrasse os resultados – como os seus inimigos russos poderiam reagir, onde eles poderiam fazer um avanço ou onde sofreriam baixas”. A simulação do KORA permitiu que os oficiais ucranianos coordenassem as suas ações “para testar como trabalhariam juntos no campo de batalha”. Uma vez que a estrutura das forças ucranianas era insuficiente para realizar a tarefa essencial de supressão, as forças ucranianas não tinham hipótese de cumprir os requisitos reais de assalto de uma operação de penetração – a destruição das forças inimigas do outro lado da barreira de obstáculos ao avanço. No entanto, os ucranianos saíram da sua experiência KORA com a certeza de terem desenvolvido um plano vencedor capaz de derrotar as defesas russas ao redor e dentro de Orekhov.

Ao olhar para a estrutura de uma simulação KORA, fica claro que o sistema é completamente dependente dos diferentes dados que definem a simulação como um todo. Cada aspeto da simulação deriva dos parâmetros programados pelos responsáveis pela supervisão do treino. Embora se esperasse que os instrutores da OTAN conduzissem a simulação com um mínimo de integridade profissional, a menos que eles e seus alunos ucranianos fossem dotados de qualidades suicidas semelhantes às dos Lemming, os dados de pontos críticos tiveram que ser significativamente alterados para gerar um resultado capaz de motivar as forças ucranianas a aceitar o ataque.

Poderia esperar-se que as características de desempenho da força de ataque, embora pudessem ser exageradas, reproduzissem a realidade das capacidades reais das forças envolvidas numa medida relativa – acreditar o contrário seria sugerir que os ucranianos estavam completamente delirantes, o que a sua própria descrição da “curva de aprendizagem” durante o treino não permite afirmar. Um dos fatores críticos usados na programação do KORA, no entanto, é o que os que o conceberam chamam de “agentes comportamentais” usados para estabelecer regras “para o comportamento das respetivas unidades”. Foi neste ponto que os instrutores da OTAN provavelmente falharam com seus estagiários ucranianos.

O eixo de progressão de Orekhov foi projetado para explorar uma fenda entre o 291º e o 70º Regimentos de Infantaria Motorizada da 42ª Divisão de Infantaria Motorizada da Rússia. Os “agentes comportamentais” programados pelos treinadores da OTAN pareciam tratar os russos – especialmente os do 70º Regimento – como tropas mal treinadas, mal lideradas, mal equipadas e desmotivadas. Em suma, os instrutores da OTAN compensaram a incapacidade da Ucrânia para reunir forças capazes de realizar as tarefas de supressão mais básicas, assumindo um inevitável colapso da vontade dos soldados russos de resistir. O “agente comportamental” proposto pela NATO parece derivar do famoso encontro entre os Cavaleiros da Távola Redonda e o “coelho assassino” na Busca do Santo Graal dos Monty Python – “Fuja! Fuja!” No entanto, na realidade, os defensores russos reagiram exatamente ao contrário. De acordo com o Institute for the Study of War, os russos “responderam ao ataque ucraniano com um grau incomum de consistência”, enquanto aplicavam “a sua doutrina tática defensiva formal” para repelir ataques ucranianos a sudoeste de Orekhov.

Na realidade, os ucranianos nunca foram capazes de alcançar as defesas russas em torno de Orekhov, muito menos rompê-las. As razões para esse fracasso são inúmeras: falta de conhecimento do equipamento ocidental usado pela 47ª Brigada, mau planeamento tático e, acima de tudo, a incapacidade dos ucranianos de suprimir o fogo de artilharia russo, capacidades de guerra eletrônicas e poder aéreo, o que impossibilitou a penetração tática das cinturas de obstáculos russos, especialmente campos minados muito densos. Todos estes fracassos eram previsíveis, o que significa que, para as ultrapassar durante a fase de treino, os instrutores da OTAN tiveram deliberadamente de “brincar” com o sistema KORA a fim de alcançar o resultado desejado.

Posso falar com pleno conhecimento do papel desempenhado pelas simulações computacionais na preparação de um assalto a uma posição fortificada. Em outubro de 1990, fui contratado pelo Quartel-General do Corpo de Marines para conduzir uma simulação computacional usando o recém-adquirido sistema de simulação de conflito e construção tática JANUS para ajudar os planeadores operacionais da Marinha destacados para a Arábia Saudita na sua missão de romper as posições defensivas iraquianas preparadas na fronteira Kuwait-Iraque. O general do Exército Norman Schwartzkopf ordenou que os marines realizassem um ataque frontal com duas divisões às defesas iraquianas. O ataque fazia parte de uma “ação de fixação” destinada a impedir Bagdade de desviar forças em resposta ao ataque principal, que seria realizado pelos militares americanos, no flanco ocidental do Iraque.

O comandante das Forças de Marines no Golfo Pérsico, general Walt Boomer, pediu ao major-general Matthew Caulfield, diretor do Centro de Combate de Guerra do Corpo de Marines, em Quantico, Virgínia, que o ajudasse a selecionar as áreas mais vantajosas das defesas do Iraque para operações de ataque de marines usando uma interface gráfica de usuário. Em setembro de 1990, fui arrancado da escola de guerra anfíbia para fornecer apoio de planeamento a uma equipa montada pelo comandante do Corpo de Marines, general Al Gray, para elaborar opções alternativas ao ataque frontal defendido pelo general Schwartzkopf. O resultado desse esforço foi um ataque anfíbio na península de Al Faw – aprovado pelo general Gray, mas rejeitado pelo general Schwarzkopf. Isso trouxe os Marines de volta à estaca zero: onde melhor conduzir o que muitos viam como um ataque suicida às densas fortificações defensivas iraquianas.

Como um dos principais autores da proposta do Al Faw, meu perfil era bastante alto em Quantico, especialmente para um capitão júnior. O General-de-Brigada Caulfield encarregou-me de usar o sistema JANUS para simular várias opções que poderiam ser usadas pelos Marines do General Boomer para romper as defesas iraquianas. Eu não conhecia o JANUS ou simulações de computador. Felizmente, tinha uma equipa de Marines com conhecimento. Apesar disso, JANUS ainda era novo para os marines. Os militares dos EUA vinham usando o JANUS desde 1983, incluindo simulações em apoio à invasão do Panamá pelos EUA em 1989. JANUS também foi usado para projetar o ataque planeado do general Schwartzkopf no flanco ocidental das defesas iraquianas. No entanto, os marines não começaram a usar o JANUS até agosto de 1990, e apenas como parte de seu treino. Minha missão foi o primeiro uso operacional do JANUS pelo Corpo de Marines num cenário real.

Depois de ser informado pela minha equipe sobre os vários dados que precisavam ser programados no JANUS para executar os cenários solicitados, propus-me a coletar fotografias aéreas detalhadas da CIA para poder fazer mapas precisos do terreno das defesas que os marines seriam encarregados de ultrapassar. Também pedi à NSA que me fornecesse uma ordem detalhada de batalha das unidades que ocupavam as defesas, incluindo relatórios sobre seu histórico de combate, desempenho e liderança. Pedi aos meus Marines que recolhessem dados semelhantes sobre as unidades que deveriam liderar o ataque. Em seguida, programámos cuidadosamente o computador JANUS e pressionamos a tecla “Enter”. O resultado foi um desastre: os fuzileiros eram dizimados antes mesmo de chegarem às defesas iraquianas.

Sentei-me com meus Marines e dissequei os dados. Duas coisas se tornaram óbvias: havíamos super-programado as capacidades iraquianas e sub-programado as ações de supressão dos fuzileiros navais. Mas não aceitava que se “brincasse” com o sistema. Trabalhei com meus Marines para definir as ações para reduzir as capacidades iraquianas e definir os recursos necessários para os marines reprimirem os iraquianos enquanto completavam suas tarefas de avanço de ataque. Durante mais de um mês, repetimos a simulação várias vezes, parando cada vez para avaliar as lições aprendidas, antes de realizar a tediosa tarefa de programar adequadamente os dados no JANUS. Finalmente, no início de novembro, encontramos uma solução que funcionou. O General-de-Brigada Caulfield supervisionou a última simulação JANUS de “validação do conceito” e pediu-me para preparar um relatório que enviou ao General Boomer.

Uma das coisas de que mais me orgulho em minha carreira militar é o fato de que as operações de avanço dos Marines durante a Operação Tempestade no Deserto ocorreram quase exatamente como minha equipe e eu planeamos na simulação JANUS. Após a guerra, o General Caulfield reconheceu que a minha equipe e eu havíamos desempenhado um papel importante na conceção do ataque bem-sucedido dos Marines e, ao fazê-lo, salvamos centenas de vidas de marines. Conseguimo-lo aderindo aos princípios fundamentais do profissionalismo e da integridade, recusando-nos a cortar custos por razões de rapidez e sendo realistas quanto ao poder de combate militar que seria necessário ao longo do tempo para alcançar o resultado desejado.

Se ao menos os instrutores da NATO, que conscientemente enviaram para a morte os homens da 47ª Brigada Mecanizada ucraniana e muitas outras brigadas ucranianas, tivessem aderido aqueles padrões, em vez de enviaram essas tropas numa tentativa fútil de romper defesas que eram impossíveis de superar, dada a disparidade de formação e composição de forças entre ucranianos e russos, se tivessem sido diligentes, haveria muito menos viúvas e órfãos ucranianos chorando a perda de seus maridos e seus pais. Tal é, mais do que qualquer outra coisa, a principal lição a retirar da balada de KORA e JANUS: nem a OTAN nem os Estados Unidos se preocupam com a vida dos ucranianos que se comprometeram a treinar na horrível arte da guerra.

Aparentemente, o senador republicano Lyndsey Graham não é o único que quer continuar o conflito russo-ucraniano até que Kiev fique sem carne para canhão. Tendo em conta os resultados alcançados em Orekhov no início deste mês, “até ao último ucraniano” também parece ser o grito de guerra da NATO.

Junho/2023

[*] Ex-oficial de inteligência dos Marines dos EUA, autor de Disarmament in the Time of Perestroika: Arms Control and the End of the Soviet Union. Serviu na União Soviética como inspetor encarregado de por em prática do tratado INF; no estado-maior do general Schwarzkopf durante a Guerra do Golfo e, de 1991 a 1998, como inspetor da ONU em desarmamento.

A versão em francês encontra-se em lesakerfrancophone.fr/voici-comment-les-formateurs-de-lotan-ont-sciemment-envoye-les-troupes-ukrainiennes-a-la-mort-lors-de-la-contre-offensive-lancee-ce-mois-ci-contre-la-russie

Este artigo encontra-se em resistir.info

ÚLTIMAS NOTÍCIAS