24.5 C
Brasília
quinta-feira, 13 junho, 2024

Os EUA e a OTAN são, em última análise, os responsáveis pelo crime de guerra da destruição da barragem de Kakovka

SCF [*]

A explosão da barragem de Kakovka destina-se a reforçar o apoio da opinião pública às maquinações geopolíticas da OTAN na Ucrânia. A fraude das “democracias” já não tem qualquer validade.

O rebentamento da barragem de Kakovka esta semana é um crime de guerra monumental, equivalente à utilização de uma arma de destruição maciça contra uma população civil. Os autores finais são os Estados Unidos e os seus parceiros da OTAN no crime.

Foi violada uma enorme fachada. E não estamos a falar, em primeiro lugar, de uma central hidroelétrica – por muito grave que isso seja, e mais sobre isso adiante. O que aconteceu esta semana foi uma brecha maior e de maior alcance: a constatação inequívoca de que as potências ocidentais rebentaram as suas imagens fraudulentas e podem ser vistas como os regimes criminosos que são, juntamente com os seus órgãos de comunicação social de engano em massa.

O impacto total da inundação do rio Dnieper na região de Kherson, adjacente ao Mar Negro, levará semanas a avaliar. Trata-se de uma catástrofe com enormes impactos humanitários, econômicos e ecologicos. Cidades, vilas, aldeias e terrenos agrícolas foram inundados, afetando dezenas de milhares de pessoas. O colapso da barragem já está a pôr em grave risco o abastecimento de água potável à Península da Crimeia, alargando assim o impacto na população a milhões de pessoas. Existe também o perigo potencial de paralisar as operações de arrefecimento da central nuclear de Zoporozhye, situada a montante da barragem.

Indiscutivelmente, de longe, o maior impacto negativo do colapso da barragem está a ser sentido nas regiões de Kherson, controladas pela Rússia, na margem esquerda do Dnieper. Até a Radio Free Europe, propriedade do governo dos Estados Unidos, reconhece que a destruição das infraestruturas russas é dez vezes superior à do regime de Kiev.

No entanto, numa incrível demonstração de servilismo propagandístico, os media ocidentais procuraram imediatamente culpar a Rússia pela sabotagem da barragem de Kakhovka. Isto apesar das provas esmagadoras de que a destruição foi levada a cabo pelo regime de Kiev, apoiado pela OTAN. Tão absurdas foram as alegações de prevaricação russa que os governos ocidentais tiveram tendência a recuar nas suas acusações iniciais contra Moscovo, fingindo posteriormente dúvidas sobre quem eram os autores.

Em outubro passado, o embaixador da Rússia nas Nações Unidas, Vassily Nebenzia, havia avisado explicitamente que as forças do regime de Kiev estavam a tentar fazer explodir a central hidroelétrica de Kakhovka. Utilizando mísseis americanos e fornecidos pela OTAN, os militares ucranianos têm bombardeado a barragem ao longo do último ano. Em dezembro, o Washington Post noticiou mesmo que o major-general ucraniano Andriy Kovalchuk havia dito que as suas forças estavam a testar uma tática para fazer explodir as comportas da barragem utilizando mísseis HIMARS fabricados nos EUA.

Assim, a sabotagem estava em curso e é impossível que os Estados Unidos e os seus parceiros da OTAN não tivessem conhecimento dela. Na verdade, além disso, dado que os EUA e a OTAN dirigem todas as operações militares ucranianas contra a Rússia, a conclusão óbvia é que os patrocinadores ocidentais do regime deram a sua autorização para a destruição da barragem.

O momento do desastre é outro fator-chave. Esta semana assistiu-se ao lançamento da muito aguardada contraofensiva ucraniana. As forças russas parecem ter repelido os ataques mais a norte da região de Kherson, perto das linhas da frente nas zonas de Zaporozhye e Donetsk. A contraofensiva envolveu a utilização de tanques da OTAN e de munições recentemente fornecidas. Parece plausível que os ataques para rebentar as barragens e as consequentes inundações em massa tivessem como objetivo distrair as forças russas e libertar as unidades militares ucranianas da margem direita do Dnieper, que se tornou inacessível por travessia e, portanto, mais facilmente defendida do ponto de vista do regime de Kiev.

Outro importante fator temporal é o “cansaço da Ucrânia”, como menciona o respeitado analista americano independente Scott Ritter. A opinião pública ocidental tem-se tornado cada vez mais crítica em relação à perigosa guerra proxy da OTAN contra a Rússia. O financiamento imprudente deste conflito com centenas de milhares de bilhões de dólares e euros – enquanto as economias ocidentais são assoladas pela austeridade e pela recessão – está a causar uma oposição crescente entre o público em relação à política insensível e cínica dos seus governos de “defender a Ucrânia até ao último ucraniano”. Há também uma consciência crescente de que o regime de Kiev é uma entidade corrupta afiliada aos nazis, que não merece qualquer apoio. Os meios de comunicação social ocidentais nem sequer conseguem esconder o facto de que as forças armadas deste regime são fanáticas e nazis. E os governos ocidentais são vistos a patrocinar de forma abominável os fascistas ucranianos numa guerra por procuração não declarada para subjugar a Rússia. O significado histórico desta revelação é profundo e mina os próprios fundamentos da presumida autoridade ocidental.

A explosão da barragem, acompanhada de manchetes ocidentais de estilo kabuki que acusam a Rússia de “eco-terrorismo” e de todo o tipo de outras difamações sensacionalistas, destina-se a reforçar o apoio público às maquinações geopolíticas da OTAN na Ucrânia.

Em suma, a sabotagem é uma provocação de bandeira falsa; um acontecimento com vítimas em massa orquestrado para chocar a opinião pública contra a Rússia como um “vilão bárbaro”.

Na realidade, porém, o recurso a operações de falsa bandeira e a eventos com vítimas em massa é uma especialidade de Washington, um truque sujo bem trabalhado que remonta à Operação Northwoods, na década de 1960 e antes disso.

O mais recente crime ocidental furtivo repercutir-se-á e concatenar-se-á com todos os crimes anteriores de forma a reforçar a culpabilidade e a consciência pública.

Para além dos métodos criminológicos fiáveis de questionar quem ganha e quem perde, bem como do registo substancial de má conduta e motivo estratégico, há também a prova forense irrefutável de que o regime apoiado pela OTAN disparou mísseis continuamente contra a barragem de Kakovka durante meses. As provas de vídeo mostram que o fogo de artilharia provém da margem direita do rio Dnieper, sob o controlo do regime de Kiev.

Por conseguinte, é absurdo que o regime de Kiev e os seus patrocinadores ocidentais, através dos seus meios de comunicação social, tenham tentado atribuir as culpas à Rússia.

A mesma lógica contraditória foi invocada na sequência da explosão dos gasodutos Nord Stream, de propriedade russa, sob o Mar Báltico, em setembro, e dos ataques com drones ao Kremlin, no mês passado. Os meios de comunicação social ocidentais tentaram prontamente saturar a percepção pública de que a Rússia era, de alguma forma, culpada de um plano diabólico.

Do mesmo modo, há meses que o regime de Kiev tem estado a bombardear a Central Nuclear de Zaporozhye – a maior central nuclear civil da Europa continental. Todas as provas balísticas mostram claramente quem está a tentar instigar uma catástrofe radioativa que engoliria toda a Europa, se não mesmo todo o globo. O regime de Kiev está a fazer tudo o que pode para romper as defesas aéreas russas na ZNPP, utilizando mísseis fornecidos pelos Estados Unidos, pelo Reino Unido e pela OTAN e serviços de informação sobre alvos. A Rússia tem alertado repetidamente para este potencial desastre nas Nações Unidas, exatamente da mesma forma que salientou o perigo da sabotagem da barragem de Kakovka. (O cão de guarda nuclear da ONU, a Agência Internacional de Energia Atómica, é um instrumento abjeto sob o controlo ocidental, como se pode ver pela sua relutância em atribuir a culpa pelo bombardeamento da central nuclear de ZNPP, apesar das provas evidentes. Os meios de comunicação ocidentais também promovem a noção ridícula de que a Rússia está a disparar contra as suas próprias defesas militares naquela central).

A Rússia abriu uma investigação criminal sobre a sabotagem da barragem de Kakovka, ao passo que o regime de Kiev rejeitou rapidamente os apelos a uma investigação internacional.

Tal como aconteceu com as explosões do Nord Stream, os governos ocidentais também irão, sem dúvida, inventar um encobrimento para esconder o verdadeiro autor do crime. Os meios de comunicação social ocidentais recusaram-se firmemente a relatar as alegações críveis de Seymour Hersh de que os Estados Unidos levaram a cabo as explosões do Nord Stream sob as ordens do Presidente Joe Biden. E vários Estados europeus suprimiram os resultados das suas investigações preliminares, invocando “interesses de segurança nacional”, ou seja, o receio de represálias por parte dos Estados Unidos.

Uma questão fundamental no que respeita à conduta ocidental é o total desfasamento entre a sua vontade de fazer acusações selvagens e a sua evidente falta de vontade de permitir uma investigação independente. Trata-se de uma regra geral.

O regime nazi de Kiev não conhece limites nos seus depravados crimes de guerra. O massacre de Bucha, em Abril passado, em que civis foram executados por esquadrões da morte do Batalhão Azov, treinados pela CIA, enquanto os meios de comunicação social ocidentais culpavam a Rússia, saiu do mesmo manual vil que ordenou a destruição da barragem de Kakovka, bem como a sabotagem do Nord Stream e a explosão da ponte da Crimeia. O regime de Kiev está a utilizar uma política de terra queimada própria de uma organização terrorista. Não há surpresa aqui.

Mas, em última análise, os autores deste terrorismo de Estado estão em Washington, Londres e noutras capitais da OTAN, armando o regime até os dentes com um poder de fogo cada vez mais letal, financiando a sua existência miserável e dando um apoio político obsceno à sua conduta nazi. Em última análise, os soldados de infantaria fascistas refletem os líderes fascistas. Os primeiros podem vestir fardas militares e t-shirts suadas, os segundos fatos de algodão caros e gravatas. No entanto, são todos do mesmo tecido sórdido.

A destruição provocada é absolutamente deplorável. No entanto, uma coisa positiva e construtiva é o facto de haver agora uma crescente compreensão pública em todo o mundo sobre a natureza real e grotesca dos regimes ocidentais mascarados de “democracias cumpridoras da lei”.

As auto-proclamadas “democracias” ocidentais e os campeões auto-iludidos da “ordem baseada em regras” têm, na realidade, praticado há muito tempo o genocídio, a colonização e a agressão imperialista, apoiando ditaduras fascistas e entidades terroristas em todo o mundo, em nome dos seus interesses de elite. A fraude destas “democracias” já não tem qualquer credibilidade.

09/junho/2023

[*] Strategic Culture Foundation.

O original encontra-se em strategic-culture.org/news/2023/06/09/busted-big-time-us-nato-ultimately-responsible-for-war-crime-of-kakhovka-dam-destruction/

Este editorial encontra-se em resistir.info

ÚLTIMAS NOTÍCIAS