24.5 C
Brasília
quinta-feira, 22 fevereiro, 2024

Os EUA contornam as suas próprias leis para conceder mais impunidade a Israel

O secretário de Estado dos EUA, Antony Blinken (à esquerda), encontra-se com o primeiro-ministro israelense, Benjamin Netanyahu, em Al-Quds, Jerusalém, em 1º de dezembro de 2023.

HispanTV – Os EUA utilizam políticas especiais que lhes permitem contornar as suas próprias leis de direitos humanos, para que Israel não enfrente consequências por cometer violência.

O jornal britânico The Guardian revelou na quinta-feira que a revisão de documentos internos do Departamento de Estado mostra que altas autoridades norte-americanas têm usado mecanismos especiais desde 2020 para proteger Israel das leis de direitos humanos dos Estados Unidos.

Tentando conceder mais impunidade a Israel, os meios de comunicação salientam que funcionários do Departamento de Estado dos EUA escaparam à ‘Leahy Law’ dos EUA, que visa impedir a cumplicidade de Washington nas violações dos direitos humanos por unidades militares estrangeiras que recebem ajuda americana.

As regras são diferentes para Israel

Noutra parte do relatório, o The Guardian refere-se a um artigo específico da ‘Leahy Law’ que proíbe continuar a fornecer financiamento, assistência ou formação a unidades de forças de segurança estrangeiras quando existe “informação credível” de que as forças cometeram uma violação grave.

Para o regime israelita, “a lei não foi aplicada de forma consistente, e o que vimos na Cisjordânia e em Gaza é um exemplo claro disso ”, disse o antigo senador Patrick Leahy, que deu o nome à lei na década de 1990.

O meio de comunicação, citando alguns especialistas familiarizados com o assunto, afirma também que existe uma ligação entre a atitude indiferente dos EUA para com Israel em relação às violações dos direitos humanos e a conduta de Israel na guerra de Gaza.

Autoridades dos EUA culparam o regime israelense por matar pelo menos 150 palestinos todos os dias na Faixa de Gaza.

Neste sentido, o jornal, citando Josh Paul, antigo funcionário do Departamento de Estado dos EUA, disse que “Israel sente ampla impunidade” relativamente às consequências das suas ações dentro dos EUA. . “Quando se trata de consequências reais, não há nenhuma e penso que isso deu a Israel (…) a sensação de que está imune”, explicou a este respeito. 

Mostrando o forte apoio da Casa Branca ao regime sionista, o secretário de Estado dos EUA, Anthony Blinken, viajou para os territórios ocupados por Israel em 10 de janeiro, provocando protestos de ativistas civis e movimentos juvenis palestinos. 

O regime de Tel Aviv recebe anualmente 3,8 mil milhões de dólares em ajuda militar dos EUA e, no mês passado, a administração do presidente Joe Biden contornou duas vezes o Congresso para entregar mais 250 milhões de dólares em armas.

Isto apesar de, desde 7 de Outubro, os bombardeamentos israelitas, descritos pelos EUA como “autodefesa”, terem deixado mais de 24.600 civis mortos, na sua maioria mulheres e crianças, enquanto cerca de 66.000 pessoas ficaram feridas.

ÚLTIMAS NOTÍCIAS