14.5 C
Brasília
quinta-feira, 18 julho, 2024

Os Estados Unidos, a China e um olhar sobre a América Latina

San Salvador (Prensa Latina) El Salvador pode ser um exemplo palpável onde as diferenças entre os Estados Unidos e a China convergem e são evidentes, especialmente a nível comercial e de influência.

Por Luis Beatón/Correspondente-chefe em El Salvador

O chamado Pequeno Polegar da América mostra hoje um cenário onde as políticas de Washington e Pequim coincidem. Há concorrência entre as duas potências mundiais que disputam o controlo dos mercados latino-americanos de diferentes formas, a primeira combinando pressão militar com pressão económica e a segunda com grandes investimentos económicos para o bem social.

Enquanto os chineses financiam a construção de obras de benefício social como a recém inaugurada Biblioteca Nacional, o Estádio Nacional, um pequeno porto de pesca artesanal no Pacífico e infraestrutura no Lago Ilopango para abastecimento de água à capital, entre outras, os americanos combinam ajuda financeira com royalties ao aparato militar do país.

Este é um exemplo da rivalidade geopolítica entre os Estados Unidos e a China na América Latina, e é claramente demonstrado nas ações da General Laura J. Richardson, atualmente o 32º Comandante do Comando Sul dos Estados Unidos, que exerce o seu poder e influência sobre a região latino-americana.

Além de militar, ela é uma oficial bem preparada que, entre outros títulos, possui mestrado em Estratégia de Recursos Nacionais pela Escola de Segurança Nacional Dwight D. Eisenhower e Estratégia de Recursos pela Universidade de Defesa Nacional, o que torna ela uma ponta de lança para recuperar posições na América Latina.

É dolorosamente irónico ouvir um comandante militar americano falar da necessidade de boa vizinhança com a América Latina, uma região que Washington passou a maior parte dos últimos 200 anos invadindo, ocupando, saqueando e, quando necessário, derrubando governos, segundo os críticos.

Washington ainda hoje interfere regularmente nos assuntos de outros países americanos, incluindo o México, seu vizinho direto do sul, bem como a Venezuela, a Bolívia e a Argentina, entre outras nações.

Richardson não esconde que uma das principais razões pelas quais o seu país demonstra interesse renovado na América Latina se deve aos abundantes recursos naturais da região, incluindo petróleo bruto pesado e leve, a Amazónia com 31 por cento da água doce do mundo, 60. por cento do lítio, ouro, cobre, 50 por cento da soja mundial, mais de 30 por cento do açúcar e do milho.

Numa entrevista no ano passado ao Atlantic Council, um think tank neoconservador, os militares explicaram que uma das principais missões do Comando Sul que dirige é encontrar formas de impedir que os principais adversários do seu país, a China e a Rússia, comprem recursos. estratégico na América Latina e no Caribe.

Qualquer intervenção nos assuntos políticos das Américas por parte de potências estrangeiras era um acto potencialmente hostil contra os Estados Unidos. Agora ele está aplicando essa doutrina à China e à Rússia.

No seu confronto com a China e a Rússia, em menor medida, a Casa Branca pressiona os cenários latino-americanos. Assim, o governo de Javier Milei na Argentina anunciou planos para que o Comando Sul enviasse militares para uma base localizada na Terra do Fogo, perto da Antártida.

Também assinou um acordo, por meio da Autoridade Geral de Portos, para que o Corpo de Engenheiros do Exército dos Estados Unidos esteja presente ao longo da hidrovia e execute tarefas de assessoria na gestão de portos e rotas.

Esta poderá ser uma resposta contundente quando a China construir em Chancay, no Peru, um porto que reduza os tempos dos seus navios em 10 dos actuais 45 dias, o que permitirá aos seus navios movimentar perto de 18 mil contentores. Seria uma explosão comercial.

Outro exemplo é o Equador, convertido numa gigantesca base norte-americana com a presença de milhares de soldados que alegadamente ajudam a combater o tráfico de droga e o terrorismo, embora muitos afirmem que o objectivo principal é dominar regiões ricas em recursos na América Latina.

Os analistas estudam as projeções de ambos os poderes. As ações dos Estados Unidos e da China como modelos de relações internacionais nos últimos anos moldam debates estratégicos sobre dinâmicas políticas, militares e económicas reais, com uma elevada probabilidade de que esta situação continue por algum tempo.

Esta situação torna-se cada vez mais a lente através da qual os intervenientes veem e prevêem acontecimentos importantes na geopolítica global.

É assim que entende a pesquisadora Yamileth Arteaga Alcívar, do Instituto Universitário Superior Japão-Quito, em análise publicada pela Revista Multidisciplinar de Desenvolvimento Agrícola, Tecnológico, Empresarial e Humanista (Dateh).

A abertura económica da China levou a uma mudança na dinâmica do comércio internacional. É uma das razões pelas quais os Estados Unidos rotularam Pequim como um concorrente estratégico.

As relações sino-americanas passaram da cooperação para o confronto, especialmente quando Pequim começou a investir mais em infra-estruturas físicas através dos Brics, observou.

Na América Latina, os Estados Unidos e a China são considerados os actores económicos externos mais proeminentes na região, devido à sobreposição de interesses e objectivos geopolíticos que giram em torno de aspectos de competição entre grandes potências.

Entre os objetivos estão neutralizar a influência de seus rivais, projetar poder na região e, principalmente, interesses econômicos variados, explicou Arteaga.

Isto não significa que a competição entre as duas nações ou mesmo a rivalidade entre as grandes potências em geral determine todos os outros problemas e conflitos internacionais, esclareceu.

Embora ambas as potências sejam consideradas os atores económicos externos mais proeminentes na região, os Estados Unidos são os únicos que têm interesses relacionados com a proteção da segurança interna devido à sua proximidade geográfica com a América Latina; então pode-se considerar que possui o conjunto mais amplo de interesses na área.

Por outro lado, a influência da China na América Latina está remodelando a dinâmica comercial, na qual o Brasil se destaca com o comércio do agronegócio e do minério de ferro, no qual o gigante asiático constitui o principal mercado.

A relação económica do Brasil com a China aumentou nos últimos anos; As exportações do país sul-americano para o gigante asiático atingiram 90 mil milhões de dólares em 2022, tornando-se um importante fornecedor de produtos agrícolas para Pequim, incluindo carne bovina.

Este padrão comercial ilustra a crescente influência do país asiático na América Latina, o que reflete a atual dinâmica comercial e as políticas económicas.

Voltando ao Tom Thumb of America, há evidências convincentes. El Salvador registou uma queda nas suas exportações de 13,7% em termos anuais no primeiro trimestre de 2024, aprofundando a contracção em relação à média de 2023 (–8,7%), explicada principalmente pelo menor comércio com os Estados Unidos e o Canadá, detalhou o Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID).

Embora se observe uma queda nas vendas salvadorenhas para alguns mercados, o relatório observou um aumento nos envios para a China, embora as exportações para a região asiática como um todo tenham diminuído 49,8 por cento num ano.

Sem dúvida, a China bate às portas das nações latino-americanas com comércio e abre o seu mercado aos produtos da região, algo preocupante para Washington, que procura manter hegemonias com componentes militares como os mobilizados pelo General Richardson.

ÚLTIMAS NOTÍCIAS