Brasília, 15 de junho de 2021 às 12:01
Selecione o Idioma:

Bolívia

Postado em 28/02/2020 7:41

ONU preocupa processos de ex-funcionários bolivianos

.

La Paz, (Prensa Latina) A mídia local nesta sexta (28) destaca a preocupação repetida da Organização das Nações Unidas (ONU) sobre os processos judiciais que o governo de fato da Bolívia está realizando contra ex-funcionários do governo Evo Morales.
Na véspera da Alta Comissária das Nações Unidas para os Direitos Humanos, Michelle Bachelet, atualizou o Conselho de Direitos Humanos sobre a situação em vários países e reconheceu que o país sul-americano está passando por uma crise social e política.

Bachelet enfatizou os procedimentos criminais abertos a ex-autoridades e outros relacionados ao governo de Morales, situação denunciada em mais de uma ocasião como perseguição política pelo governo de fato.

Os ex-ministros Juan Ramón Quintana, Javier Zavaleta, Héctor Arce, Wilma Alanoca e Hugo Moldiz são como asylees na residência da embaixada mexicana em La Paz.

Enquanto isso, outros dois ex-membros, Carlos Romero e César Cocarico, são detidos e respondem a processos judiciais que levantam dúvidas sobre a ausência de evidências conclusivas e o respeito pelo devido processo legal, entre outras irregularidades.

Nos casos anteriores, a advogada do ex-presidente Morales, Patricia Hermosa, foi presa após entrar no país para registrar seu representante como candidato a senador nas eleições gerais de 3 de maio.

Hermosa, em estado de gestação, é acusada de supostos crimes de sedição, terrorismo e financiamento do terrorismo, numa tentativa de acusar, junto com corrupção, acusações a outras ex-autoridades mencionadas.

A preocupação de Bachelet é compartilhada por outros funcionários da ONU, como seu enviado especial para a Bolívia, Jean Arnaud, que explicou que atos de perseguição política e abuso de processos judiciais não deveriam ocorrer no contexto atual do país.

Da mesma forma, o relator especial da ONU para a independência de magistrados e advogados, Diego García-Sayán, que concordou com Bachelet, descreveu a situação no país andino-amazônico como ‘preocupante’.

‘Estou preocupado com o uso de instituições judiciais e fiscais para fins de perseguição política. O número de detenções ilegais está aumentando. (…) Peço respeito pela independência das instituições e pelo devido processo’, escreveu o funcionário no Twitter.

Em um artigo publicado no El País, García-Sayán destacou que o governo de Áñez tinha que se concentrar na organização das próximas eleições e ser uma ponte para uma transição democrática.

Mas, em contraste, o relator observou, ele aciona ‘o alarme internacional que desperta lembranças de momentos sombrios da história boliviana que pareciam abrigados em um passado distante’, disse ele em referência às ditaduras militares.

Comentários: