23.5 C
Brasília
sábado, 20 abril, 2024

ONU por acesso seguro e mais financiamento para desastres no Haiti

Nações Unidas, 29 de março (Prensa Latina) A Organização das Nações Unidas (ONU) insiste hoje no acesso seguro e desobstruído, bem como no financiamento urgente, pois considera suas operações limitadas diante da crise desencadeada pela violência no Haiti.

Um relatório recente do Gabinete de Coordenação de Assuntos Humanitários (OCHA) garante que as operações humanitárias não param, embora considere a situação no terreno “tensa e volátil”.

Por sua vez, o Fundo das Nações Unidas para a Infância (UNICEF) estima que mais de mil escolas permanecem fechadas ou sem atividades devido à violência e insegurança, enquanto metade dos centros de saúde da área metropolitana de Porto Príncipe fecharam ou permanecem abertos.serviços interrompidos, segundo a Organização Mundial da Saúde.

“Os acontecimentos recentes estão a restringir o acesso das pessoas aos serviços sociais básicos”, alertou na quinta-feira Stéphane Dujarric, porta-voz do secretário-geral António Guterres.

Segundo o porta-voz, a violência também dificulta as operações de ajuda, incluindo o acesso ao porto, onde os suprimentos humanitários correm o risco de serem saqueados.

No total, o Plano de Resposta Humanitária para o Haiti, que necessita de 674 milhões de dólares, dispõe atualmente de apenas 6,6 por cento, o que equivale a 45 milhões de dólares.

Este financiamento permite, pelo menos, que agências como a Unicef ​​​​ou o Programa Alimentar Mundial (PAM) levem alimentos e água, juntamente com alguns serviços essenciais, à população afectada.

Desde o início de Março, o PMA e os seus parceiros apoiaram mais de 54 mil pessoas deslocadas com mais de 263 mil refeições quentes em 38 locais diferentes, enquanto dois milhões de litros de água potável foram entregues a 60 mil deslocados pela violência.

Contudo, o trabalho do Programa está ameaçado nos próximos meses com a necessidade de maior apoio financeiro estimado em 61 milhões de dólares durante os próximos seis meses.

Um relatório divulgado ontem pelo Escritório de Direitos Humanos da ONU apelou a ações imediatas e ousadas, considerando catastrófica a situação no Haiti.

O relatório, liderado pelo Alto Comissário para os Direitos Humanos, Volker Türk, denunciou a corrupção, a impunidade e a má governação que, somadas aos níveis crescentes de violência dos gangues, corroeram o Estado de direito no país caribenho e levaram as instituições do Estado a à beira do colapso.

Segundo o relatório, o impacto da insegurança generalizada na população é desastroso, ao mesmo tempo que agrava gravemente os direitos humanos.

O relatório estima que o número de vítimas da violência de gangues aumentou significativamente em 2023, com 4.451 mortos e 1.668 feridos, porém, nos primeiros três meses deste ano os números dispararam com 1.554 mortos e 826 feridos até 22 de março.

Ao mesmo tempo, denuncia o uso da violência sexual por parte das gangues para brutalizar, punir e controlar as pessoas.

Mulheres foram estupradas durante ataques de gangues em bairros, em muitos casos depois de verem seus maridos mortos na frente delas, rejeitou o documento.

De acordo com o alto comissário, combater a insegurança deve ser uma prioridade máxima para proteger a população e evitar mais sofrimento humano.

Ao mesmo tempo, é essencial proteger as instituições para o Estado de direito e conseguir o envio da missão multinacional de apoio à segurança, sobre a qual ainda existem muitas questões antes da sua implementação.

ÚLTIMAS NOTÍCIAS