25.5 C
Brasília
domingo, 26 maio, 2024

O sistema de saúde em Gaza foi destruído, denunciou a OMS

Ramallah, 12 de abril (Prensa Latina) O outrora sólido sistema médico da Faixa de Gaza está destruído pelos ataques israelenses, denunciou hoje o diretor-geral da Organização Mundial da Saúde (OMS), Tedros Adhanom Ghebreyesus.

Uma equipa da OMS que visitou a cidade para avaliar as instalações de saúde descreveu a destruição como “desproporcional a tudo o que se possa imaginar”, questionou.

Nenhum edifício ou estrada está intacto, há apenas escombros e sujeira, observou ele.

Da mesma forma, alertou que as hostilidades e os danos causados ​​deixaram fora de serviço os hospitais Nasser, Al-Amal e Al-Khair.

“Estas instalações não têm abastecimento de oxigénio, água, electricidade nem rede de esgotos; a equipa constatou que o armazém do complexo médico Nasser, que abastece muitos centros de saúde do sul, estava em chamas e gravemente danificado”, sublinhou. .

Adhanom Ghebreyesus disse que o incêndio destruiu a maior parte dos suprimentos, incluindo uma quantidade substancial de medicamentos essenciais fornecidos pela OMS e seus parceiros.

Até recentemente, Nasser era a espinha dorsal do sistema de saúde no sul de Gaza e o Al-Amal era um dos poucos hospitais que ofereciam serviços a mães e crianças, mas agora estão em escombros, lamentou.

Esta semana a OMS condenou, mais uma vez, a destruição do Hospital Al-Shifa, o maior da Faixa de Gaza, após uma operação massiva do Exército.

“As cenas naquele centro médico são de partir o coração: enfermarias gravemente danificadas, camas queimadas, equipamento destruído, cadáveres em covas rasas no exterior”, observou a instituição global na sua conta X.

No mês passado, tropas israelitas sitiaram e atacaram o complexo médico durante quase duas semanas, argumentando que centenas de militantes do Movimento de Resistência Islâmica (Hamas) e da Jihad Islâmica estavam escondidos no seu interior.

O governo de Benjamin Netanyahu afirmou que cerca de 200 deles foram mortos e centenas capturados, mas as autoridades de saúde e esses grupos negaram tais alegações e acusaram os militares de atacarem médicos e pacientes.

ÚLTIMAS NOTÍCIAS