21.5 C
Brasília
domingo, 23 junho, 2024

O protagonismo do povo brasileiro na construção da história nacional 

(Foto: arquivo ABr)

Por Julimar Roberto*

O Brasil, país de dimensões continentais e diversidade ímpar, traz consigo uma história repleta de momentos cruciais que moldaram sua identidade e rumo político. Em cada um desses episódios, é possível identificar o protagonismo do povo brasileiro, que, através de sua coragem e determinação, desempenhou papéis fundamentais na construção da nação e na defesa de seus valores democráticos.

Em 1822, quando Dom Pedro I proclamou a independência do Brasil, não foi apenas um ato de um monarca, mas o reflexo das pressões populares por autonomia. A população brasileira ansiava por libertação do jugo colonial e teve papel fundamental ao influenciar a iniciativa de Dom Pedro, demonstrando que a independência era uma demanda do povo. Esse foi um marco inicial que ressaltou a nossa capacidade de unir forças contra toda opressão. O grito de “Independência ou Morte!” ecoou pelos séculos como um símbolo do desejo pela autodeterminação. Foi a “brava gente brasileira”, com suas lutas coletivas, que construiu o caminho para a nação independente que conhecemos hoje.

No entanto, a independência foi apenas o começo de uma jornada tumultuada em direção à democracia. Em 1889, com a proclamação da República, o povo brasileiro mais uma vez desempenhou um papel fundamental. O movimento republicano, impulsionado por ideais de igualdade e justiça, encontrou eco na população, que viu a oportunidade de mudança e participou ativamente desse momento crucial da história.

No século XX, o Brasil testemunhou uma série de eventos que reforçaram o compromisso do povo com a democracia. As Diretas Já!, movimento que agitou o país em 1984, é um exemplo vívido. Milhões de brasileiros saíram às ruas exigindo o direito de escolher seu presidente diretamente, demonstrando a força da sociedade civil na promoção da participação política e na proteção dos valores democráticos.

Outro episódio memorável foi o impeachment de Fernando Collor de Melo em 1992, onde a mobilização popular, representada pelos “caras pintadas,” desempenhou um papel determinante na pressão por justiça e na luta contra a corrupção, tornando-se um símbolo da busca por um governo mais transparente e responsável.

Em 2003, a eleição de Luiz Inácio Lula da Silva marcou um ponto de virada na política brasileira. Lula, um ex-metalúrgico, tornou-se presidente do Brasil, refletindo a ascensão de um líder que emergiu das camadas mais populares da sociedade. Essa vitória representou a esperança de uma nação que almejava maior igualdade social e econômica. E, mais que isso, o povo brasileiro viu, na eleição de Lula, a sua própria ascensão à Presidência. Após tantas lutas – muitas delas não enumeradas neste texto -, o povo pôde se ver verdadeiramente representado. Estávamos saindo dos bastidores para sermos agentes na construção de uma sociedade mais justa e igualitária.

Em 2022, novamente a população definiu o destino da nação. A reeleição de Lula, desta vez para um terceiro mandato, foi um testemunho do desejo persistente do povo brasileiro de resistir ao autoritarismo e ao fascismo.

Esses são alguns exemplos de que o protagonismo da nossa gente sempre se destaca como um fio condutor. Quando necessário, nossa sociedade põe em prática sua capacidade de mobilização, de luta pelos direitos democráticos e de resistência à opressão. O Brasil é uma nação que aprendeu com sua história, e o povo brasileiro se mantém como guardião de sua democracia.

À medida que olhamos para o futuro, é essencial lembrar que nosso país é moldado pelo compromisso de seu povo com valores democráticos e inclusivos. A história brasileira é um testemunho da resiliência da nossa sociedade e do poder da participação cidadã na construção de uma nação democrática. O protagonismo do povo brasileiro continua a ser a força motriz na construção de uma nação justa, livre e soberana.

Viva o povo brasileiro!

* Julimar é comerciário e presidente da Contracs-CUT

ÚLTIMAS NOTÍCIAS