20.5 C
Brasília
sexta-feira, 23 fevereiro, 2024

O menino que sobreviveu: história do ‘símbolo do sofrimento de Aleppo’

© REUTERS/ Mahmoud Rslan
O pai do menino Omran Daqneesh, cuja foto se tornou o símbolo do estado trágico das crianças na cidade síria de Aleppo em 2016, disse que os militantes exageraram a gravidade das feridas de seu filho, usando suas fotos com objetivos interesseiros.
Tropas sírias atacam posições do Daesh perto da cidade de Al-Zabadani, Síria
© SPUTNIK/
Segundo contou Mohammad Kheir Daqneesh, sua família estava em plena confusão “por causa dos militantes e dos problemas causadas pela propaganda deles”.
Após o ataque aéreo, os militantes entraram na casa da família e começaram filmando o menino, levando-o depois ao hospital apenas para tirar fotos, especifica o pai.
“Eu estava ocupado, salvando a família, enquanto eles estavam filmando minha família saindo de casa para depois usar essas imagens como propaganda”, disse ele em entrevista à agência de notícias vídeo do canal RT.
Mohammad Kheir Daqneesh acrescentou que agora seu filho está bem e que ele tinha apenas ferimentos ligeiros.
Avião da coalizão internacional liderada pelos EUA
© AFP 2017/ US NAVY / MC2 JACOB G. SISCO
A história do menino gerou discussões após algumas mídias terem publicado o vídeo do Centro Médico de Aleppo sobre a salvação do menino, cuja casa foi destruída num bairro controlado pelos militantes. As imagens do pequeno Omran em estado de choque se espalharam rapidamente pelas redes sociais. Em relação à história, o diretor executivo do Fundo das Nações Unidas para a Infância (UNICEF, na sigla em inglês), Anthony Lake, apelou para “pôr fim ao pesadelo” em que estão vivendo mais de 100 mil crianças em Aleppo. Citando os ativistas do centro, a mídia informou que a casa tinha sido destruída por ataques aéreos lançados pela Rússia.
O porta-voz do Ministério da Defesa da Rússia, major-general Igor Konashenkov, refutou as informações da mídia estrangeira sobre o suposto ataque aéreo contra o bairro al-Qaterji, em Aleppo, lançado em 17 de agosto de 2016. Ele sublinhou que os aviões da Força Aeroespacial da Rússia que operam na Síria nunca atacam alvos que estejam dentro de povoações.

ÚLTIMAS NOTÍCIAS