22.5 C
Brasília
terça-feira, 11 junho, 2024

O legado colonial da França e os interesses de segurança dos EUA cruzam-se no Níger

– Russos, nos portões, aguardam

M.K. Bhadrakumar [*]

Protestos populares o Niger.

O golpe militar no Níger já tem três semanas. Os golpistas estão consolidando seu domínio, tendo ganhado vantagem no jogo de sombras com a Comunidade Econômica dos Estados da África Ocidental [CEDEAO] apoiada por ex-potências coloniais que devastam aquele estado desesperadamente pobre da África Ocidental, rico em riquezas minerais.

As perspectivas de reintegração do presidente pró-Ocidente do Níger, Mohamed Bazoum, parecem sombrias. Ele é um árabe étnico com uma pequena base de poder em um país predominantemente africano, vindo da tribo migrante Ouled Slimane, que tem um historial de ser a quinta coluna da França na região do Sahel.

A CEDEAO perdeu a iniciativa quando os líderes do golpe desafiaram o prazo de 6 de agosto para libertar Bazoum e restabelecê-lo sob pena de ação militar.

O golpe no Níger também foi um revés humilhante para a França e um drama terrível para o presidente Emmanuel Macron pessoalmente, pois ele perdeu seu maior apoiador na África para as políticas neocoloniais da França. Macron incitou a CEDEAO a invadir o Níger e resgatar Bazoum. Ele interpretou mal a onda por trás do golpe e apostou que as forças armadas do Níger se fragmentariam. Sua reação exagerada explodiu quando os líderes do golpe revogaram durante a noite os pactos militares com a França. E a animosidade latente contra a França aumentou, forçando Macron a ceder a liderança a Washington.

Não apenas a França, mas as potências ocidentais em geral não entendem que o povo africano tem uma mentalidade altamente politizada, graças aos violentos e ferozes movimentos de libertação nacional. Não é de surpreender que a África tenha se adaptado rapidamente ao espaço que se abre para eles no cenário multipolar para negociar com os ex-mestres coloniais.

Na segunda-feira passada, o general Abdourahmane Tchiani, que é o chefe titular do golpe, recusou-se a receber a vice-secretária de Estado interina dos EUA, Victoria Nuland. Nuland e outras autoridades americanas pediram para ver Bazoum pessoalmente, mas o pedido também foi recusado. Em vez disso, Nuland teve que negociar com o comandante das Forças de Operações Especiais do Níger e um dos líderes do golpe, Brig. Gen. Moussa Salaou Barmou, que atua como chefe de defesa.

Curiosamente, Barmou frequentou a Universidade de Defesa Nacional dos Estados Unidos e foi treinado em Fort Benning, na Geórgia. Obviamente, a junta esperava se envolver com Washington. O Intercept já revelou que Barmou não foi o único general nigerino treinado pelos EUA envolvido no golpe.

Disse: ”Duas semanas após o golpe no Níger, o Departamento de Estado ainda não forneceu uma lista dos amotinados conectados aos EUA, mas um outro funcionário dos EUA confirmou que há “cinco pessoas que identificamos como tendo recebido treinamento [militares dos EUA]”. É concebível que Washington esteja mantendo suas cartas fechadas e mantendo os russos na dúvida.

Os EUA enfrentam uma situação complicada no Níger. Suas prioridades são duplas – uma, bloquear qualquer movimento russo para que os soldados Wagner substituam o contingente francês no Níger e, dois, manter suas três bases no Níger aconteça o que acontecer. Se o governo Biden não rotulou formalmente o golpe militar no Níger, é porque tal designação não permitirá mais assistência de segurança ao Níger, onde os EUA têm uma presença militar de 1100 homens e, mais importante, uma base de drones, conhecida como a base aérea 201, perto de Agadez, no centro do Níger, construída a um custo de mais de US$ 100 milhões, que tem sido usada desde 2018 para operações no Sahel.

Um relatório da Reuters declarou: “Um dos oficiais dos EUA disse que se os combatentes de Wagner aparecessem no Níger, isso não significaria automaticamente que as forças dos EUA teriam que partir”. É improvável que Niamey afete a presença militar dos EUA, mas “se milhares de combatentes de Wagner se espalharem pelo país, incluindo perto de Agadez, poderão surgir problemas devido a preocupações com a segurança do pessoal dos EUA… Independentemente disso, os EUA colocarão uma barra alta para qualquer decisão de deixar o país”.

Neste bizarro jogo de sombras entre Washington e Moscou, os EUA não podem pressionar por uma intervenção militar no Níger pela CEDEAO, sob pena de sua presença militar no Níger se tornar insustentável. Claro, os líderes do golpe em Niamey também foram espertos o suficiente para não fazer nenhuma exigência até agora para remover as tropas americanas do Níger.

Diante desse cenário sombrio, o anúncio do Departamento de Estado dos EUA na quarta-feira de que a nova embaixadora americana no Níger, Kathleen FitzGibbon – anteriormente número dois na embaixada na Nigéria – chegará a Niamey no final desta semana não é nenhuma surpresa. É um sinal da confiança de Washington no envolvimento contínuo com a situação. O vice-porta-voz do Departamento de Estado, Vedant Patel, disse a repórteres que não há planos para a nova embaixadora apresentar suas credenciais aos líderes do golpe.

Entretanto, o Conselho de Paz e Segurança da União Africana, órgão encarregado de fazer cumprir as decisões do bloco, reuniu-se na segunda-feira em Adis Abeba e rejeitou uma proposta da CEDEAO sobre uma intervenção militar no Níger. Vários países membros da África do sul ao norte foram “ferozmente contra qualquer intervenção militar”.

Juntos, esses desenvolvimentos colocaram a CEDEAO em desvantagem. Para complicar as coisas, os líderes do golpe anunciaram sua intenção de levar Bazoum a julgamento por “alta traição” e minar a segurança do Estado. Curiosamente, o regime militar afirma ter “reunido as provas necessárias para processar perante autoridades nacionais e internacionais competentes o presidente deposto e seus cúmplices locais e estrangeiros”.

Bazoum está sendo acusado após suas trocas pós-golpe com políticos de alto escalão da África Ocidental e “seus mentores internacionais”, a quem os líderes do golpe acusam de fazer falsas alegações e tentar inviabilizar uma transição pacífica para justificar uma intervenção militar.

Esses desenvolvimentos, juntamente com crescente oposição doméstica na Nigéria, que atualmente dirige a CEDEAO, forçaram o pretenso presidente Bola Tinubu a mudar sua posição sobre a intervenção militar. Uma poderosa delegação nigeriana composta por altos clérigos islâmicos viajou para o Níger para abrir conversações com a junta, que prontamente concordou em dialogar com a CEDEAO sobre o caminho a seguir no país. Com o passar do tempo, a CEDEAO vai perdendo a iniciativa, o que favorece os golpistas.

Basicamente, embora a má governação, a corrupção desenfreada, a escalada da pobreza e a insegurança tenham criado condições para os golpes na região do Sahel, um fator mais profundo é a geopolítica do acesso e controle dos recursos. Potências estrangeiras estão competindo para explorar e controlar os abundantes recursos minerais das nações da África Ocidental.

As tensões crescentes no Níger e na sub-região mais ampla são, sem dúvida, exacerbadas pela rivalidade geopolítica e econômica entre o Oriente e o Ocidente. O espectro que assombra a África Ocidental é que a guerra por procuração entre a Rússia e os EUA pode facilmente se infiltrar na África, onde mercenários russos e forças especiais ocidentais já estão estacionados para novas missões.

19/agosto/2023

Ver também:

Grandes projetos de pipelines e o golpe de Estado no Níger

La CEDEAO fija la fecha para una intervención militar en Níger

[*] Embaixador e analista político, indiano.

O original encontra-se em www.indianpunchline.com/frances-colonial-legacy-us-security-concerns-intersect-in-niger-russians-at-the-gates-look-for-new-hunting-grounds/ e a tradução em sakerlatam.org/o-legado-colonial-da-franca-e-os-interesses-de-seguranca-dos-eua-se-cruzam-no-niger-russos-nos-portoes-procuram-novos-campos-de-caca/

Este artigo encontra-se em resistir.info

ÚLTIMAS NOTÍCIAS